tecido epitelial glandular

tecido epitelial glandular


DisciplinaHistologia Veterinária Geral e Embriologia23 materiais121 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Especialização do tecido epitelial
Células especializadas na atividade de secreção
Grânulos de secreção
Tecido Epitelial Glandular
Micrografia eletrônica de uma célula somatotrófica (células que secretam hormônio do crescimento) da pars distalis de um gato. Observar os numerosos grânulos de secreção. Aumento médio.
1
As células glandulares podem...
Sintetizar, armazenar e secretar.
Pâncreas. Aumento médio. 
Glândula sebácea. Pequeno aumento.
Glândula salivar parótida. Aumento grande
Glândula mamária lactante. Aumento médio
Glândula sudorípara. Pequeno aumento.
Morfologia
Endócrina: Circulação sanguínea. Não possui ductos.
Exócrina: Fora do corpo ou cavidade internas.
Mistas: Exercem funções endócrina e exócrinas. Pâncreas e fígado.
Controle da atividade glandular
Nervoso
Endócrino 
Mensageiros Químicos
Ajuste do Crescimento e Manutenção do Tamanho da Glândula
Epitélios são tecidos 
de vida celular limitada
Atividade mitótica contínua
Velocidade variável 
 de renovação
Epitélio de Revestimento 
Intestinal: 2 a 5 dias
Pâncreas: 50 dias
Fígado
Glândula MISTA
Porção Exócrina: Bile
Porção Endócrina: Hormônio do 
 Crescimento
Capacidade de regeneração do fígado
Capacidade de regeneração
 muito grande
Se retirada metade do 
fígado, ela se regenera 
em alguns meses
Característica importante para transplantes, onde o fígado assume
 tamanho adequado ao hospedeiro.
Como ocorre?
 A capacidade de regeneração do fígado ocorre graças as suas células, os HEPATÓCITOS (vivem pouco mais de um ano e são renovados lentamente).
Os Hepatócitos não se dividem, mas durante sua regeneração, se duplicam pelo menos uma vez (Atividade Mitótica).
Mesmo que essas células se renovem muito lentamente, quando há perda do tecido hepático, o fígado apresenta capacidade de regeneração muito expressiva, necessitando que ocorra equilíbrio entre a taxa de proliferação e morte celular (para que não cresça demais).
Esse equilíbrio é feito por substâncias de natureza proteica produzidas normalmente pelo próprio tecido, as CALONAS (proteínas que irão INIBIR a atividade mitótica das células).
Quando um tecido for removido ou lesado, a produção de Calonas irá diminuir, aumentando assim, a atividade mitótica das células e também sua capacidade de regeneração.
Com o passar do tempo, irá aumentar novamente a produção de Calonas, equilibrando a atividade mitótica. 
Células-Tronco e o Fígado
Cirrose
Testes vêm sendo feitos a partir de Células-tronco multipotentes induzidas (iMPC) quando transplantadas para camundongos com lesão hepática, tais células amadureceram e exibiram comportamento similar ao de células hepáticas adultas. 
Se a lesão ao fígado for contínua, ocorrerá um aumento do tecido conjuntivo, desorganizando a regeneração (cirrose).
Na cirrose algumas células morrem e outras não. As que se mantêm vivas tentam compensar o dano sofrido, mas são bloqueadas por cicatrizes fibrosas que tornam o fígado menor e mais rígido (dificulta penetração e circulação do sangue), ocorrendo formação de nódulos.
Formação das Glândulas Exócrinas
Proliferação de tecido epitelial para dentro do tecido conjuntivo adjacente, seguida da diferenciação das células secretoras;
Mantém conexão com o epitélio;
Ductos transportam a secreção até a superfície epitelial, onde ela é liberada.
Classificação
 De acordo com vários critérios
- Tipo de secreção
- Forma de secreção
- Morfológicos
Tipo de secreção
Porção
serosa
 Porção 
 mucosa
caliciforme
Crescente
 Serosa
Serosa: células com núcleo arredondado;
 Mucosa: Células caliciformes;
 Mista: Célula crescente serosa (formato de meia-lua).
 Forma de Secreção
13
Morfologia
Unicelular
 Ex: Célula caliciforme.
Multicelular
Tipos Morfológicos
Glândulas Endócrinas Cordonais 
São glândulas de secreção interna que têm formato de cordões maciços (placas maciças tridimensionalmente) que não possuem ductos (como as exócrinas) e estão envoltas por capilares sanguíneos.
Função
Os diversos tipos de glândulas endócrinas cordonais secretam hormônios para o controle do metabolismo corporal e têm ações relacionadas muitas vezes a estímulos do sistema nervoso (funciona como um regulador).
Exemplos: Hipófise, para-tireóide, glândulas adrenais (suprarrenais). 
Glândulas Adrenais
Também conhecidas como \u201csuprarrenais\u201d, localizam-se acima de cada rim e têm tamanho variável.
São encapsuladas (tecido conjuntivo denso) e se dividem em duas camadas: a cortical ou córtex (periférica) e a medular ou medula (central).
Essas duas camadas também possuem origens embriológicas diferentes, sendo a cortical originada pelo mesoderma e a medular pelas cristas neurais (origem neuroectodérmica).
Divisões
Devido a disposição de células diferentes, a camada cortical se divide em: 
Zona Glomerulosa ( cél. Piramidais): mais superficial, cordões em forma de arco.
Zona Fasciculada (cél poliédricas): maior, 65% do volume total, e cordões em paralelo. 
Zona Reticulada (cél irregulares em
 forma de cordões): mais interna.
A camada medular tem como células características as células poliédricas (cordões formam aglomerados arredondados). 
Secreção Hormonal
Camada cortical: esteróides (glicocorticóides, mineralocorticóides e andrógenos).
Glicocorticóides: z. fasciculada e reticulada (cortisol e cortisona).
Mineralocorticóides: z. glomerulosa (aldosterona).
Andrógenos: z. fasciculada (desidroepiandrosterona e androstenediona).
Camada medular: catecolaminas (adrenalina e noreadrenalina).
Sistema Neuro-Endócrino Difuso 
O sistema neuro-endócrino difuso é composto de células neuroendócrinas encontradas entre células não endócrinas, especialmente nos tratos respiratório e digestório, que produzem e secretam vários hormônios.
O citoplasma destas células endócrinas contém hormônios polipeptídicos ou aminas biogênicas (neurotransmissores), como a epinefrina, dopamina, noroepinefrina e/ou serotonina.
Algumas dessas células ( as APUDs - amine precursor uptake and decarboxylation) podem captar precursores de aminas do meio extracelular e promover a descarboxilização dos aminoácidos, transformando-os em polipeptídeos.
Apudomas: tumores derivados de células secretoras de polipeptideos.
As células deste tipo de glândula endócrina formam a parede de pequenas esferas denominadas folículos. As células se organizam em forma de um epitélio simples. No interior de cada esfera se acumula a secreção. A secreção contida no interior destes folículos é chamada colóide e contém os precursores do hormônio tireoidiano.
Glândulas Endócrinas Vesiculares 
Origem endodérmica
 
Localizada sobre os primeiros anéis da traqueia
 
2 lobos unidos por um istmo.
Glândula Tireóide
Características Histológicas
É formada por folículos tireoidianos, que são pequenas esferas de tecido epitelial simples.
São preenchidas 
por Colóide.
Formação dos hormônios
 Folículo: T3 e T4
 Células parafoliculares: Calcitonina
I) SÍNTESE DE 
TIREOGLOBULINA;
II) CAPTAÇÃO DE IODETO CIRCULANTE;
III) ATIVAÇÃO DE IODETO 
AO SER OXIDADO;
IV) IODAÇÃO DE 
MOLÉCULAS DE TIROSINA. 
Síntese
hormônios 
tireoidianos
Hormônios tireoidianos
Triiodotironina(T3)
Tiroxina (T4)
Calcitonina
Função e mecanismo de controle
 \u2191 [ ] T3 e T4 \u2191 taxa metabólica
Regulação da liberação
\u2193 [ ] de T3 e T4 \u25ba liberação de TSH pela hipófise
(Adenohipófise) \u25ba Tireoide estimulada \u2191[ ]
T3 e T4 \u25baNíveis de normalidade estabelecidos
Função e mecanismo de controle
Hipotálamo
Hormônio liberador do TSH
Hipófise
TSH
Aumento do metabolismo
T3 e T4
inibição
inibição
Hipofunção e hiperfunçao
Células secretoras de esteróides
Células endócrinas especializadas em sintetizar e secretar esteróides. São encontradas por exemplo nos testículos, ovários e glândulas adrenais.
Células acidófilas com REL muito desenvolvido