A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
alimentação do idoso

Pré-visualização | Página 4 de 5

dos alimentos
permitidos – uma vez que os proibidos não
encontram lugar nesse terreno árido – procuramos
explorar percepções de idosos perguntando sobre
eventuais dificuldades que encontrariam para a
prática de uma alimentação saudável.Na esfera
socioeconômica aparecem os recursos financeiros,
ilustrado nas falas a seguir:
“Comprar os alimentos... a família é grande” (E7)
“Dinheiro, porque às vezes o dinheiro não dá para
comprar o que é saudável” (E24)
 REV. BRAS. GERIATRIA E GERONTOLOGIA; 2006; 8(1); 9-20
2 7 32 7 32 7 32 7 32 7 3Alimentação saudável na experiência de idosos
E também a estrutura familiar é relatada como
um fator importante. De um lado, viver com
filhos, netos e marido envolve lidar e administrar
diferentes necessidades e gostos; de outro, a
desmotivação do comer só:
“Problemas familiares, gostos distintos” (E84)
“Moro sozinha, que tira a motivação para fazer
comida” (E91)
Também em relação a este aspecto houve vários
relatos que apontam para a estrutura social e a
nova organização da alimentação: o comer na rua,
nas festas, na casa de parentes. As “preferências” e
“gostos” também devem ser considerados como
uma dificuldade. Garcia19 entende que as práticas
são marcadas pela ambiguidade e conflito entre a
preocupação com a saúde e o atendimento ao
desejo/paladar individual (1997). Pode-se observar
nas falas a seguir:
“Como o que eu tenho vontade” (E16)
“Não gosto de couve, brócolis, couve-flor” (E3)
“Gosto mais de massas, frituras” (E61)
Um último tópico, e não menos importante,
refere-se às limitações biológicas impostas pelo
processo de envelhecimento. Dificuldades de
locomoção, interferindo diretamente na compra
dos alimentos, redução de paladar e alterações
digestivas foram citadas.
Esse conjunto de dificuldades para manter o
ideal nutricional ancorado no paradigma
biomédico e apresentado pelos idosos como
“alimentação saudável” nos coloca mais próximos
das suas experiências de vida e, talvez, de uma
ampla parcela da população. Longe de se
mostrarem obstáculos, para nós, correspondem a
nortes importantes que podem nos auxiliar nas
reflexões sobre qualidade de vida, promoção da
saúde e projetos de viver bem.
Essas dificuldades nos dizem da necessidade
de identificar novos modos de operar no
cotidiano do cuidado, enfatizando que, quando
se trata de idosos, alguma(s) doença(s) geralmente
está(ão) presente(s). Falam da necessidade de
entender o indivíduo nas suas relações, na sua
vida, seus diferentes rituais alimentares e mudanças
nas práticas proporcionadas pela sua inserção em
diferentes grupos. E ainda a tradição, a infância,
a história vivida, as quais deixam marcas
importantes na nossa memória alimentar.25 Tudo
isso em meio a hipertensões, diabetes,
cardiopatias, obesidades, medo de ficar
dependendo de familiares, medo de comer
alimentos contaminados por agrotóxicos, cheios
de hormônios, corantes, prazos de validade
duvidoso... Medo de morrer já que, entre idosos,
a finitude é questão cada vez mais presente com o
passar do tempo.
Quais seriam os projetos de vida e de
felicidade de pessoas idosas e como o comer
participa desse devir? Como pensar uma
alimentação que considere os conhecimentos
instrumentais presentes nos parâmetros
nutricionais e que ao mesmo tempo venha a dar
conta de planos de bem viver, aos projetos de
felicidade aos 63, 87, 94 ou 105 anos? Como
encaminhar ações em que questões alimentares e
nutricionais devam ser tratadas buscando-se
compreender sua complexidade no cotidiano dos
idosos, sem perder vista a busca por qualidade de
vida, promoção da saúde, tratamento de doenças
e os projetos de boa vida e de felicidade desses
sujeitos e dos profissionais de saúde e especialistas?
Questões complexas para as quais, seguindo
os caminhos indicados em Ayres, nos
aventuramos a apresentar algumas proposições.
Um eixo central para desenhos nesse campo
corresponde ao diálogo. Nas palavras do autor:
Evidentemente não nos referimos aqui ao diálogo como
mero recurso para obtenção de informações requeridas
pelo manejo instrumental do adoecimento, forma de
produzir uma narrativa estruturada segundo esse
interesse, que é o modelo típico da anamnese clássica.
O sentido forte de diálogo na perspectiva hermenêutica
é o de fusão de horizontes (GADAMER, 2004),
isto é, de produção de compartilhamentos, de
familiarização e apropriação mútua do que até então
nos era desconhecido no outro, ou apenas supostamente
conhecido. Não basta, nesse caso, apenas fazer o outro
falar sobre aquilo que eu, profissional de saúde, sei
 REV. BRAS. GERIATRIA E GERONTOLOGIA; 2006; 8(1); 9-20
274 274 274 274 274 REV. BRAS. GERIATR. GERONTOL., RIO DE JANEIRO, 2010; 13(2):267-275
que é relevante saber. É preciso também ouvir o que o
outro, que demanda o cuidado, mostra ser indispensável
que ambos saibamos para que possamos colocar os
recursos técnicos existentes a serviço dos sucessos práticos
almejados (Grifo do autor, p. 58).
Por esse caminho, podemos considerar a
possibilidade de perguntar ao idoso, por exemplo:
“O que acha de sua alimentação nessa etapa de vida
e diante de sua condição de saúde?” ou “O que pensa
que posso fazer para ajudá-lo em sua alimentação?”.
Ao proceder dessa forma mais aberta, mais disponível
a ouvir e a trocar, o profissional pode estar operando
de modo a possibilitar a fusão entre racionalidade
instrumental e perspectivas práticas, num
movimento de superação das dificuldades
enfrentadas, ali colocadas e recolocadas a nu, a cada
encontro, para ambos, como um desafio, um projeto
em permanente re-elaboração.
Nesse processo, olhares atentos, gestos que
acolhem, ações que denotam respeito e
consideração são absolutamente inovadores,
posturas que demonstram conhecimento
técnico e, ao mesmo tempo, disponibilidade para
adaptações a culturas diferentes, desejos,
limitações identificadas podem propiciar o
encontro de subjetividades e o delineamento de
projetos de vida e de felicidade para ambas as
partes envolvidas, além de outras partes com
cuidadores que devem ter lugar assegurado, tanto
quanto profissionais ou usuários idosos de
serviços de saúde.
Com outras características mais pertinentes,
o mesmo pode ser pensado para ações que
envolvem populações de idosos que vivem em
instituições asilares ou que se destinem a grupos
populacionais outros.
REFERÊNCIAS
1. Camarano AA, organizador. Muito além dos 60:
os novos idosos brasileiros. Rio de Janeiro:
IPEA; 1999.
2. Veras RP, Caldas PC. Promovendo a saúde e a
cidadania do idoso: o movimento das
universidades da terceira idade. Ciên Saúde
Colet 2004: 9(2):423-32.
3. Beauvoir S. A velhice. Rio de Janeiro: Nova
Fronteira; 1970.
4. Haddad EGM. A ideologia da velhice. São
Paulo: Cortez; 1986.
5. Bosi E. Memória e sociedade: lembranças de
velhos. São Paulo: T. A. Queiroz-Edusp; 1987
6. Assis M , Hartz ZMA, Valla VV. Programas de
promoção da saúde do idoso: uma revisão da
literatura científica no período de 1990 a 2002.
Ciên Saúde Colet 2004 set; 9(3): 557-81.
7. Neri AL, organizador Qualidade de vida na
velhice: enfoque multidisciplinar. Campinas:
Alinea, 2007. 300 p.
8. Diogo MJD, Neri AL, Cachioni M,
organizadores. Saúde e qualidade de vida na
velhice. 1. ed. Campinas: Alínea; 2003. v. 1. 236 p.
9. Minayo Maria C SHartz Zulmira Maria de
Araújo, Buss Paulo Marchiori. Qualidade de
vida e saúde: um debate necessário. Ciên Saúde
Colet 2000; 5(1): 7-18.
10. Dalla Vecchia R, Ruiz T, Bocchi SCM, Corrente
JE. Qualidade de vida na terceira idade: um
conceito subjetivo. Revista brasileira de
epidemiologia 2005 set ; 8(3): 246-52.
11. Ferreira JR, Buss PM. O que o
desenvolvimento local tem a ver com a
promoção da saúde. In: Zancan L, Bodstein
R, Marcondes WB, organizadores. Promoção
da saúde como caminho para o
desenvolvimento local – a experiência em