A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
279 pág.
APOSTILA CIVIL V (1)

Pré-visualização | Página 24 de 50

a	
  importância	
  das	
  despesas	
  necessárias	
  à	
  execução	
  dele,	
  quando	
  o	
  
mandatário	
  lho	
  pedir.	
  
Art.	
  679.	
  Ainda	
  que	
  o	
  mandatário	
  contrarie	
  as	
   instruções	
  do	
  mandante,	
  se	
  
não	
  exceder	
  os	
   limites	
  do	
  mandato,	
   ficará	
  o	
  mandante	
  obrigado	
  para	
  com	
  
aqueles	
  com	
  quem	
  o	
  seu	
  procurador	
  contratou;	
  mas	
  terá	
  contra	
  este	
  ação	
  
pelas	
  perdas	
  e	
  danos	
  resultantes	
  da	
  inobservância	
  das	
  instruções.	
  
72	
  
b)	
   Adiantar	
   os	
   valores	
   necessários	
   ao	
   cumprimento	
   do	
   mandato,	
   sempre	
   que	
   o	
  
mandatário	
  requerer.	
  
O	
  mandatário,	
  na	
  execução	
  do	
  mandato,	
  se	
   tiver	
  despesas,	
  pode	
  pedir	
  ao	
  mandante	
  
que	
  lhe	
  o	
  adiante	
  ou	
  lhe	
  reembolse,	
  caso	
  já	
  as	
  tenha	
  pago	
  (art.	
  675,	
  2ª	
  parte).	
  Assevera	
  Carlos	
  
Roberto	
  Gonçalves	
  que	
  o	
  mandatário	
  pode	
  não	
  praticar	
  o	
  ato	
  se	
  o	
  mandante	
  não	
  lhe	
  fornecer	
  
os	
  meios	
  necessários.	
  
	
  
c)	
  Pagar	
  ao	
  mandatário	
  a	
  remuneração	
  acordada.	
  
Não	
   se	
   tratando	
   de	
   mandato	
   gratuito,	
   bem	
   como	
   nos	
   casos	
   em	
   que	
   o	
   mandato	
   é	
  
exercido	
  por	
  ofício	
  ou	
  profissão	
  (p.ex.,	
  advogado),	
  ou	
  quando	
  não	
  convencionada,	
  for	
  fixada	
  
judicialmente,	
  incumbe	
  ao	
  mandante	
  pagar	
  ao	
  mandatário	
  a	
  remuneração	
  (arts.	
  658	
  e	
  676).	
  E	
  
o	
   pagamento	
   independe	
   de	
   o	
   negócio	
   alcançar	
   o	
   êxito	
   almejado,	
   porque	
   o	
   contrato	
   de	
  
mandato	
  não	
  é	
  uma	
  obrigação	
  de	
  resultado,	
  mas	
  de	
  meio	
  (Gonçalves).	
  	
  
Art.	
   658.	
   O	
   mandato	
   presume-­‐se	
   gratuito	
   quando	
   não	
   houver	
   sido	
  
estipulada	
  retribuição,	
  exceto	
  se	
  o	
  seu	
  objeto	
  corresponder	
  ao	
  daqueles	
  que	
  
o	
  mandatário	
  trata	
  por	
  ofício	
  ou	
  profissão	
  lucrativa.	
  
Parágrafo	
   único.	
   Se	
   o	
   mandato	
   for	
   oneroso,	
   caberá	
   ao	
   mandatário	
   a	
  
retribuição	
   prevista	
   em	
   lei	
   ou	
   no	
   contrato.	
   Sendo	
   estes	
   omissos,	
   será	
   ela	
  
determinada	
  pelos	
  usos	
  do	
  lugar,	
  ou,	
  na	
  falta	
  destes,	
  por	
  arbitramento.	
  
Art.	
   676.	
   É	
   obrigado	
   o	
  mandante	
   a	
   pagar	
   ao	
  mandatário	
   a	
   remuneração	
  
ajustada	
  e	
  as	
  despesas	
  da	
  execução	
  do	
  mandato,	
  ainda	
  que	
  o	
  negócio	
  não	
  
surta	
  o	
  esperado	
  efeito,	
  salvo	
  tendo	
  o	
  mandatário	
  culpa.	
  
	
  
d)	
  Pagar	
  juros	
  às	
  despesas	
  adiantadas	
  pelo	
  mandatário.	
  
O	
  mandatário,	
  que	
  adianta	
  pagamento	
  de	
  despesas,	
  tem	
  direito	
  a	
  cobrar	
  do	
  mandante	
  
as	
  despesas	
  adiantadas	
  acrescidas	
  de	
  juros.	
  
Art.	
   677.	
   As	
   somas	
   adiantadas	
   pelo	
   mandatário,	
   para	
   a	
   execução	
   do	
  
mandato,	
  vencem	
  juros	
  desde	
  a	
  data	
  do	
  desembolso.	
  
73	
  
e)	
  Ressarcir	
  os	
  danos	
  experimentados	
  pelo	
  mandatário.	
  
Todos	
   os	
   prejuízos	
   que	
   o	
   mandatário,	
   na	
   execução	
   do	
   mandato,	
   sofrer,	
   mesmo	
  
provenientes	
  de	
  caso	
  fortuito	
  ou	
  força	
  maior,	
  devem	
  ser	
  ressarcidos	
  pelo	
  mandante.	
  Todavia,	
  
se	
  decorrerem	
  de	
  culpa	
  do	
  mandatário,	
  suportará	
  ele	
  os	
  danos.	
  
Art.	
  678.	
  É	
   igualmente	
  obrigado	
  o	
  mandante	
  a	
  ressarcir	
  ao	
  mandatário	
  as	
  
perdas	
   que	
   este	
   sofrer	
   com	
   a	
   execução	
   do	
   mandato,	
   sempre	
   que	
   não	
  
resultem	
  de	
  culpa	
  sua	
  ou	
  de	
  excesso	
  de	
  poderes.	
  
	
  
f)	
  Responderem,	
  solidariamente,	
  se	
  for	
  mais	
  de	
  um	
  constituinte	
  
Na	
   hipótese	
   de	
   serem	
   vários	
   os	
   mandantes,	
   todos	
   ficam	
   comprometidos	
   pelas	
  
obrigações	
   contraídas,	
   podendo	
   ser	
   exigidas	
   de	
   todos	
   em	
   conjunto	
   ou	
   de	
   cada	
   um	
  
individualmente.	
  
Art.	
   680.	
   Se	
   o	
  mandato	
   for	
   outorgado	
   por	
   duas	
   ou	
  mais	
   pessoas,	
   e	
   para	
  
negócio	
   comum,	
   cada	
   uma	
   ficará	
   solidariamente	
   responsável	
   ao	
  
mandatário	
  por	
  todos	
  os	
  compromissos	
  e	
  efeitos	
  do	
  mandato,	
  salvo	
  direito	
  
regressivo,	
  pelas	
  quantias	
  que	
  pagar,	
  contra	
  os	
  outros	
  mandantes.	
  
	
  
9.	
  Direito	
  de	
  retenção	
  
Para	
  assegurar	
  o	
  pagamento	
  da	
  remuneração	
  e	
  das	
  despesas	
  efetuadas,	
  o	
  mandatário	
  
pode	
  reter	
  o	
  objeto	
  pertencente	
  ao	
  mandante,	
  relativo	
  à	
  execução	
  do	
  mandato.	
  Anota-­‐se,	
  é	
  
garantido	
  o	
  direito	
  de	
  retenção	
  e	
  não	
  o	
  auto	
  pagamento	
  (Rizzardo).	
  E,	
  ainda,	
  não	
  há	
  direito	
  de	
  
retenção	
  para	
  cobrança	
  de	
  honorários	
  e	
  perdas	
  e	
  danos	
  (Gonçalves).	
  
Art.	
  681.	
  O	
  mandatário	
  tem	
  sobre	
  a	
  coisa	
  de	
  que	
  tenha	
  a	
  posse	
  em	
  virtude	
  
do	
  mandato,	
  direito	
  de	
  retenção,	
  até	
  se	
  reembolsar	
  do	
  que	
  no	
  desempenho	
  
do	
  encargo	
  despendeu.	
  
	
  
	
  
74	
  
10.	
  Extinção	
  do	
  mandato	
  
O	
   artigo	
   682	
   do	
   Código	
   Civil	
   elenca	
   quatro	
   causa	
   de	
   extinção	
   do	
  mandato.	
  Mas	
   há	
  
outras	
  causas,	
  assinala	
  Rizzardo,	
  como	
  a	
  resolução	
  por	
  inadimplemento,	
  a	
  impossibilidade	
  do	
  
objeto,	
  a	
  nulidade	
  do	
  contrato,	
  a	
  verificação	
  de	
  condição	
  resolutiva	
  e	
  a	
  intercorrência	
  de	
  caso	
  
fortuito	
  ou	
  força	
  maior.	
  
Vejamos	
  as	
  causas	
  expressas	
  no	
  Código.	
  
Art.	
  682.	
  Cessa	
  o	
  mandato:	
  
I	
  -­‐	
  pela	
  revogação	
  ou	
  pela	
  renúncia;	
  
II	
  -­‐	
  pela	
  morte	
  ou	
  interdição	
  de	
  uma	
  das	
  partes;	
  
III	
  -­‐	
  pela	
  mudança	
  de	
  estado	
  que	
  inabilite	
  o	
  mandante	
  a	
  conferir	
  os	
  poderes,	
  
ou	
  o	
  mandatário	
  para	
  os	
  exercer;	
  
IV	
  -­‐	
  pelo	
  término	
  do	
  prazo	
  ou	
  pela	
  conclusão	
  do	
  negócio.	
  
	
  
a)	
  Revogação	
  ou	
  renúncia.	
  
O	
  mandato	
  é	
  essencialmente	
  revogável.	
  A	
  confiança,	
  base	
  da	
  relação	
  contratual,	
  pode	
  
deixar	
  de	
  existir,	
   o	
  que	
  enseja	
  a	
   resilição,	
  que,	
   se	
  partir	
  do	
  mandante,	
  há	
   revogação,	
   se	
  do	
  
mandatário,	
   há	
   renúncia	
   (Gonçalves).	
   A	
   revogação	
   pode	
   expressa,	
   quando	
   o	
  mandante	
   faz	
  
declaração;