A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
8 pág.
6-A ciência histórica

Pré-visualização | Página 2 de 2

ciências de 
grande importância. 
 
As divisões do ensino de história 
 
A maneira de especializar o conhecimento histórico que é certamente a mais 
familiar de todas divide a história humana no tempo e a distribui linearmente. O 
ensino de História que conhecemos segue tradicionalmente essa disposição e 
vamos nos familiarizando com essas divisões da História desde os primeiros anos 
escolares. Tal distribuição linear tem como eixo organizador as concepções culturais 
do Ocidente. 
Temos, nesse fatiamento, a pré-história, a história antiga, a história medieval, 
a história moderna e a história contemporânea. Utilizando-se a mesma compreensão 
linear das especialidades, estuda-se a pré-história do Brasil, a História do Brasil 
colonial, a História do Brasil imperial e a História do Brasil republicano. Por extensão 
conceitual, pode-se assim estudar a História da América, a História da África, a 
História do Oriente. 
Em geral, as grades curriculares das universidades – inclusive a nossa, da 
UNINOVE – estão baseadas nesse expediente técnico. Temos, assim, as disciplinas 
que compõem o currículo a ser estudado, bem como a respectiva organização dos 
conteúdos dessas mesmas disciplinas. 
 
 
 
 
Conclusão 
 
A expressão latina tempus fugit, atribuída ao escritor latino Virgílio (século I 
a.C.), em uma tradução mais livre, significa: “o tempo passa rápido”, ou ainda, “o 
tempo voa”, “o tempo foge”. Utilizamos aqui essa expressão para destacar o grande 
desafio que temos: resgatar o passado enquanto tempo histórico. Tempo esse que, 
semelhante à água indo embora pelo vão dos nossos dedos, sempre quer fugir da 
gente. 
As divisões ou os campos da história foram projetados para nos ajudar a 
reter, por meio da pesquisa especializada, compreensões mais inteligentes do 
passado. Enfoques, domínios, metodologias, períodos do tempo histórico, todos os 
modos se complementam para colocar o passado humano diante de nós e, portanto, 
torná-lo disponível para que a sociedade do presente o reconheça. 
 
Saiba Mais 
 
Édipo, esfinge1: Personagens de um famoso mito grego. Édipo conseguiu decifrar 
uma pergunta com a qual a esfinge de Tebas, uma espécie de monstro, desafiava 
os viajantes que desejavam ingressar na cidade. A esfinge lhes perguntava: “Quem 
é o ser que anda com quatro pés de manhã, dois pés ao meio-dia e três pés à 
tarde?”. Até surgir Édipo, todos os viajantes não tinham conseguido responder à 
pergunta da esfinge e tinham sido devorados por ela. Édipo respondeu 
corretamente: “O ser humano”. A resposta se baseou no fato de que o ser humano 
engatinha na primeira fase de sua existência, caminha sobre seus dois pé ao longo 
de sua vida saudável e tem de usar uma bengala para andar quando fica velho. 
Diante da resposta de Édipo, a esfinge se matou. 
Continuum2: Expressão latina que indica a existência de uma certa sequência de 
fatores relacionados em um processo de causa e efeito. No caso da história, há 
antecedentes que possibilitam o presente. 
Materialismo histórico3: Nome pelo qual é conhecido uma das principais 
contribuições de Karl Marx. Baseia-se na compreensão da história humana a partir 
da existência da luta de classes sociais e da busca pela supremacia dos projetos de 
classe. 
 
Produção espiritual4: A expressão não tem relação com aspectos religiosos, mas 
sim com as ideias e concepções sobre o homem e seu mundo elaboradas pelas 
sociedades humanas. 
Interfaces5: Pontos de encontro das diferentes disciplinas e ramos do conhecimento 
humano. 
 
Chegamos ao fim desta aula. Agora, acesse o Fórum para dividir a opinião 
com seus colegas. Se as dúvidas persistirem, não deixe de esclarecê-las com o seu 
professor. 
 
 
REFERÊNCIAS 
 
BARROS, J. D. O campo da História – Especialidade e abordagens. Petrópolis: 
Vozes, 2004. 
LAMBERT, P.; SCHOFIELD, P. (Org.). História: introdução ao ensino e à prática. 
Porto Alegre: Penso, 2011.