A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
portifolio MEIO AMBIENTE, INOVAÇÃO E SUSTENTABILIDADE

Pré-visualização | Página 1 de 1

Descarte responsável: Sustentabilidade
 
ARTIGO DE OPINIÃO 
A sustentabilidade também pode ser definida como a capacidade de o ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. O conceito de sustentabilidade é complexo, pois atende a um conjunto de variáveis interdependentes mas podemos dizer que deve ter a capacidade de integrar as questões sociais, energéticas, econômicas e ambientais.
É um termo usado pra definir ações e atividades humanas que visam suprir as necessidades atuais dos seres humanos sem comprometer o futuro das próximas gerações. Ou seja, a sustentabilidade esta diretamente relacionada ao desenvolvimento econômico e material de forma inteligente para que eles se mantenham no futuro, “sustentabilidade significa sobrevivência, perenidade dos empreendimentos humanos e do planeta” (Rodrigues, 2009).
O termo nunca foi tão falado quanto nos dias atuais com os problemas provocados pelas mudanças climáticas, em todo o planeta, as pessoas começaram a se interessar cada vez mais pelo assunto, então passou a dar destaque a varias iniciativas ligadas a esta nova forma de trabalhar a relação entre o homem, e o meio ambiente, por exemplo: economizar agua, preferir produtos biodegradáveis procurar alimentos orgânicos, consumir menos carne, não criar animais silvestres, cultivar áreas verdes, diminuir o uso de embalagens, ler os rótulos com atenção, economizar energia, reciclar lixo, evitar transporte individual e assim por diante.
Consumimos 30% além do que o mundo pode renovar, o consumo hoje é descartável, os produtos tem pouca durabilidade e a troca dos mesmos é feita de forma rápida e intensa. Devemos pensar no descarte assim que escolhemos um produto, pois quantos objetos a gente compra usa e joga fora diariamente, o ideal seria priorizar os produtos que tenham durabilidade e uso imediato, além disso observar se as embalagens são feitas de materiais recicláveis e dar preferencia as empresas que fabricam por sustentabilidade.
Em 15 de outubro de 2008, o consumer’s internacional, organização mundial das associações da defesa dos direitos do consumidor, fez uma campanha sobre consumo sustentável chamada consumer’s action day.
Em 15 de outubro de 2009, o ministério do meio ambiente, desde então envolvido com essa temática, lançou o dia do consumidor consciente. “ consumo de sacolas plásticas”. Na campanha saco e um saco gerou um grande debate nacional sobre o assunto: sacolinha, sacola reutilizável ou caixa de papelão lixos e resíduos são poluidores do meio ambiente através da degradação física, química, biológica e estética que causam nas áreas em que são descartados.
Se não misturarmos os resíduos, estes não se tornarão lixo, serão identificados e poderão ser reciclados. Este é o principio importante da sustentabilidade ambiental. Com isso se originou a teoria dos 5 RS, ou seja, as 5 atitudes que devemos tomar para colaborar com o meio ambiente quanto aos resíduos e os lixos: reduzir, reciclar, reutilizar, reeducar, e replanejar.
Com atitude e consciência podemos combater o ensino de lixo que vem provocando danos a saúde do nosso planeta. A adoção de ações sustentáveis garante a médio e longo prazo um planeta em boas condições para o desenvolvimento das diversas formas de vida. Se cada um fizer sua parte a consequência será enorme e as pequenas atitudes individuais resultarão em grande diferença.
Conclui-se que a sustentabilidade se define com a capacidade de o ser humano interagir com o mundo se preservar o meio ambiente gerações nas futuras os recursos naturais não irão estar comprometidas. O objetivo de sustentabilidade é complicado pois atende a demanda de variáveis que dependem uma das outras mas pode-se dizer que deve ter a capacidade de interagir as questões sociais, energéticas econômicas e ambientais.
Proposta de atividade pratica:
 
 Atividade pratica: “prática sustentável” produção, consumo e descarte responsável.
 “REUTILIZAÇAO DO OLEO DE COZINHA”
Objetivos:
- Conscientizar as crianças sobre a maneira correta de descartar o óleo de cozinha usado.
- Informar sobre os pontos de descarte e coleta do óleo.
- Despertar nas crianças valores e ideias de preservação da natureza e senso de responsabilidade para com as gerações futuras.
- Mostrar as formas de reutilizar o óleo de cozinha na fabricação de sabão.
- ensinar noção de reciclagem e sustentabilidade do planeta, diminuindo a produção de lixo e reaproveitando ao máximo o produto antes de descarta-lo.
FOTOS:
1º foto: Essa foto mostra a forma correta e incorreta de descartar o óleo de cozinha usado, informando as crianças à importância de não jogar o óleo na pia ou no ralo, pois um litro desse óleo, que vai parar nos rios, contamina cerca de um milhão de litros de água, equivalente ao consumo de uma pessoa em 14 anos. 
2º foto: Pontos de coleta do óleo. O que fazer com o óleo de cozinha usado? Atualmente, a melhor opção é realizar a coleta seletiva desse óleo colocando-o em garrafas PET e destinando-as à reciclagem. Essa reciclagem do óleo de cozinha pode ser feita em casa mesmo ou podemos leva-lo para postos de coleta que destinarão a associações e empresas que farão a sua reciclagem.
3º foto: Reciclar o óleo de cozinha transformando-o em sabão, essa maneira de reciclar pode ser feita em casa, ou no laboratório da escola, se houver. Os materiais podem ser trazidos pelos alunos. A fabricação deve ser feita pelo professor e as barras de sabão produzidas podem ser levadas para casa, para que os alunos compartilhem essa experiência com os pais.
Referencias: 
RODRIGUES, M. C. A.. Saberes e práticas em experiência de construção da sustentabilidade no meio rural nordestino. Tese de doutorado. Educação. Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2009.
ALMEIDA JR, J. M. G. Desenvolvimento ecologicamente auto-sustentável: Conceitos, princípios e implicações. In: DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental – Princípios e Práticas. Brasília: Ed. Humanidades, 10 (4) 1994, p.284-299.
SACHS, Ignacy. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável. 3ª edição. Rio de Janeiro: Ed. Garamond, 2008.
VEIGA, José Eli. Desenvolvimento Sustentável: O desafio do século XXI. 3ª edição. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.