A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
66 pág.
AP v2 Administração de Terminais e Armazéns 09022017

Pré-visualização | Página 1 de 8

Administração 
de Terminais e 
Armazéns
SEST – Serviço Social do Transporte
SENAT – Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte
ead.sestsenat.org.br 
CDU 656:658
Curso on-line – Administração de Terminais e 
Armazéns – Brasília: SEST/SENAT, 2016.
66 p. :il. – (EaD)
1. Terminal - administração. 2. Armazém -
administração. I. Serviço Social do Transporte. II. 
Serviço Nacional de Aprendizagem do Transporte. III. 
Título.
3
Sumário
Apresentação 5
Unidade 1 | Terminais e Armazéns: Conceituação 7
1 Definições: Terminais e Armazéns 9
2 Armazenagem e Estocagem 12
Glossário 14
Atividades 15
Referências 16
Unidade 2 | Classificação de Terminais e Armazéns 17
1 Classificação dos Terminais e Armazéns 19
1.1 Em Relação à Propriedade 19
1.2 Em Relação ao Tipo de Carga 23
1.3 Em Relação à Função do Terminal ou Armazém 24
Glossário 25
Atividades 26
Referências 27
Unidade 3 | Funções dos Terminais e Armazéns 28
1 Funções e Operações nos Terminais e Armazéns 30
1.1 Operações em Terminais 30
1.2 Operações em Armazéns 32
2 Funções dos Armazéns e Terminais 36
2.1 Centros de Distribuição (CD) 36
2.2 Terminais do Tipo Pontos de Trânsito (“Transit Points”) 37
2.3 Terminais do Tipo “Cross Docking” 38
Glossário 40
Atividades 41
4
Referências 43
Unidade 4 | Organização de Terminais de Carga e Armazéns 
(Layout da Área Externa) 44
1 O Layout 46
1.1 Layout das Áreas de Recebimento e Expedição 46
1.1.1 Posicionamento dos Veículos Perpendicularmente à Plataforma 47
1.1.2 Posicionamento dos Veículos Diagonalmente à Plataforma, ou a 45 Graus 48
2 Outras Recomendações para as Áreas Externas 49
Glossário 51
Atividades 52
Referências 54
Unidade 5 | Decisões Relacionadas aos Terminais e Armazéns 55
1 Escolha da Localização do Armazém 57
2 Projeto da Instalação 58
3 Manuseio de Materiais 59
4 Sistemas de Gerenciamento de Armazéns (WMS) 60
Glossário 62
Atividades 63
Referências 64
Gabarito 65
5
Apresentação
Prezado(a) aluno(a),
Seja bem-vindo(a) ao curso Administração de Terminais e Armazéns! 
Neste curso, você encontrará conceitos, situações extraídas do cotidiano e, ao final de 
cada unidade, atividades para a fixação do conteúdo. No decorrer dos seus estudos, 
você verá ícones que tem a finalidade de orientar seus estudos, estruturar o texto e 
ajudar na compreensão do conteúdo. 
O curso possui carga horária total de 30 horas e foi organizado em 5 unidades, conforme 
a tabela a seguir.
Unidades Carga Horária
Unidade 1 | Terminais e Armazéns: Conceituação 6 h
Unidade 2 | Classificação de Terminais e Armazéns 6 h
Unidade 3 | Funções dos Terminais e Armazéns 6 h
Unidade 4 | Organização de Terminais de Carga e Armazéns 
(Layout da Área Externa)
6 h
Unidade 5 | Decisões Relacionadas aos Terminais e Armazéns 6 h
6
Fique atento! Para concluir o curso, você precisa:
a) navegar por todos os conteúdos e realizar todas as atividades previstas nas 
“Aulas Interativas”;
b) responder à “Avaliação final” e obter nota mínima igual ou superior a 60; 
c) responder à “Avaliação de Reação”; e
d) acessar o “Ambiente do Aluno” e emitir o seu certificado.
Este curso é autoinstrucional, ou seja, sem acompanhamento de tutor. Em caso de 
dúvidas, entre em contato por e-mail no endereço eletrônico suporteead@sestsenat.
org.br.
Bons estudos!
7
UNIDADE 1 | TERMINAIS E 
ARMAZÉNS: CONCEITUAÇÃO
8
Unidade 1 | Terminais e Armazéns: Conceituação
 f Você conhece as diferenças entre terminais de carga e armazéns? Entende a diferença entre estocagem e armazenagem? Sabe o motivo para se utilizar armazéns?
Nesta unidade você conhecerá os diferentes tipos de armazéns e terminais de cargas e 
as suas funções nas cadeias logísticas. Você também verá a diferença entre os conceitos 
de estocagem e de armazenagem, que seguidamente são confundidos ou tratados como 
sinônimos. 
9
1 Definições: Terminais e Armazéns 
 c
Embora o papel tradicional dos armazéns tenha sido o 
armazenamento do estoque, as novas instalações de 
armazenagem possuem funções bem mais amplas, tais como: 
consolidação e desconsolidação de cargas, terminais de 
intermodalidade, agrupamento de mercadorias e fracionamento 
de cargas, entre outras. 
No contexto da logística, as definições para um armazém são as seguintes:
O armazém é o elo que une o fornecimento de matéria-prima ao 
fabricante (fluxo de entrada). 
 
O armazém é o elo que une o fabricante ao cliente (fluxo de 
saída). 
Existem alguns motivos importantes para não armazenar produtos? Existem, sim, e os 
três principais são:
• A mercadoria armazenada tem um custo e imobiliza o capital que poderia ser 
investido em outras atividades estratégicas, como o marketing e a própria 
produção.
• A necessidade de edifícios para guardar as mercadorias gera custos de instalações 
e infraestrutura, de mão de obra, de equipamentos e de custos administrativos 
indiretos.
• O material “envelhece”, podendo perder a validade e o valor ao longo do tempo 
em que permanece armazenado. Produtos perecíveis, produtos farmacêuticos 
e produtos de tecnologia são alguns exemplos de materiais mais suscetíveis a 
esses problemas.
Todavia, há vários motivos favoráveis para a armazenagem de produtos. Vamos 
enumerar alguns?
10
• Nunca se conhece o consumo exato de um produto em determinado período. 
Em alguns períodos do ano, pode haver um consumo elevado de determinado 
produto. Por exemplo: na Páscoa, são consumidos muitos ovos de chocolate 
e, no verão, a cerveja é consumida em quantidades maiores do que nos outros 
períodos do ano. É o que se conhece por “demanda sazonal”.
• Produzir em maiores quantidades torna-se mais econômico do que fabricar 
pequenas quantidades, mas para isso é necessário ter espaço para estocar 
maiores volumes de mercadorias.
• Custa caro atender aos inúmeros clientes diretamente das unidades produtivas, 
as fábricas.
• O custo de perder uma venda pela falta de produto disponível é elevado.
Agora vejamos a definição de terminais de mercadorias.
Terminais de mercadorias são pontos fixos nas cadeias logísticas 
em que fluxos significativos de mercadorias têm origem, destino 
ou sofrem transferência de veículo ou de modalidade de 
transporte. 
Vamos ver um exemplo.
Digamos que você envie um sedex para sua filha, que está grávida, em uma cidade 
distante. A sua encomenda, um pacote, por exemplo, seguirá por um veículo rodoviário 
(um utilitário pequeno, um caminhão ou até mesmo uma carreta) até o aeroporto mais 
próximo. Ali, ele será juntado a diversos outros pacotes que terão como destino a 
mesma cidade ou região onde mora a sua filha. A carga será carregada a bordo de um 
avião, que seguirá até o aeroporto mais próximo da cidade onde mora sua filha. Ao 
chegar ao aeroporto de destino, o seu pacote seguirá em veículos rodoviários até a 
casa da sua filha.
Você pôde perceber como a sua encomenda foi transferida entre duas modalidades 
diferentes de transporte? A modalidade rodoviária e a aeroviária.
E qual instalação foi utilizada para essa troca de tipo de transporte? Isso mesmo, o 
aeroporto!
11
O aeroporto é, então, no exemplo que acabamos de ver, o terminal de mercadorias, 
utilizado na logística elaborada pelos Correios do Brasil para levar sua encomenda até 
sua filha, que mora em uma cidade distante da sua.
Da mesma forma, podemos dizer que um porto é um terminal de carga, à semelhança 
do aeroporto que estudamos no exemplo anterior. 
 a
Uma pequena diferença pode ser ressaltada entre um armazém 
e um terminal: nos armazéns, normalmente, a mercadoria 
permanece estocada por um período de tempo mais longo, até 
que ela seja requisitada para o consumo ou para o processo 
produtivo, enquanto os terminais, em geral, a mercadoria

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.