resumo introdução ao direito civil
9 pág.

resumo introdução ao direito civil

Disciplina:Introdução ao Estudo do Direito Civil18 materiais747 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Resumo de estudos - Introdução ao direito civil - UNIFRA
-Gabriela Domingues Hoenisch
Princípios norteadores do CC/02 (ser) - CC/1916(ter)
 |contexto social bastante modificado: CF/88 |
*individuo
*patrimonio
*normas especificas
a. Princípio da sociabilidade - é aquele que impõe prevalência dos valores coletivos sobre os individuais, respeitando os direitos fundamentais da pessoa humana. Ex: princípio da função social do contrato, da propriedade.
b. Princípio da eticidade - é aquele que impõe justiça e boa-fé nas relações civis ("pacta sunt servanda"). No contrato tem que agir de boa-fé em todas as suas fases. Corolário desse princípio é o princípio da boa-fé objetiva.
c. Princípio da operabilidade - é aquele que impõe soluções viáveis, operáveis e sem grandes dificuldades na aplicação do direito. A regra tem que ser aplicada de modo simples. Exemplo: princípio da concretude pelo qual deve-se pensar em solucionar o caso concreto de maneira mais efetiva.
 Relação Jurídica
Vinculo existente entre duas ou mais pessoas, que tem por objeto um bem. Sendo a norma juridica outorga direitos a uma das partes e deveres a outra.
A transformação do vinculo de fato em vínculo jurídico acarreta:
a. relação jurídica estabelecida entre sujeitos ativos. (SA) e (SP).
b. o pode de um sujeito passa a incidir sobre um objeto imediato(prestação devida) e mediato(bem).
c. fato propulsor ao qual a norma dá função de criar, modificar, extinguir direitos..
ex.: propriedade-> é um vinculo entre o proprietario que tem o dominio sobre o bem e as demais pessoas que são obrigadas a respeitar tal dominio.
 Pessoas Naturais
Personalidade: aptidão genérica para titularizar direitos e contrair obrigações. É outorgada pelo ordenamento juridico as pessoas natuais no momento do nascimento com vida. A viabilidade não é relevante.
A lei põe a salvo os direitos do nascituro =>não tem personalidade mas tem direitos assegurados. Seus direitos estão a salvo desde a concepção(art. 2°CC/02). EX.: alimentos gravidios.
Capacidade : Adquirida a personalidade juridica, toda pessoa passa a ser capaz de direitos e obrigações. (ART. 1° CC)
-> de direitos, juridica ou de gozo com vida(adquirida ao nascer)- toda pessoa é capaz de direitos e deveres, ordem civil.
-> de exercício ou de fato- adquirida com a maioridade(18 anos).
Incapacidade (art. 3° e 4° CC)
Absoluta: (art. 3°) Falta de aptidão para praticar pessoalmente atos da vida civil. São absolutamente incapazes de exercer pessoalmente os atos da vida civil: os menores de 16 anos; falta discernimento em razão da pouca idade, os que por enfermidade ou deficiencia mental, não tiveram o necessário discernimento para prática desses atos. REPRESENTADOS pelos pais.
Relativa: (art. 4°) Figura pessoas situadas em zona intermediária, por não gozarem de total capacidade de discernimento e autodeterminação. Considerou-se incapazes relativamente os maiores de 18 anos, tem certa dose de discernimento, são incapazes a certos atos ou a maneira de exercê-los. ASSISTIDO pelos pais. Os ébrios habituais, os viciados em tóxicos, e os que, por deficiência mental, tenham discernimento reduzido. Os excepcionais, sem desenvolvimento mental completo. Os pródigos aqueles que dilapiram o seu patrimonio, chegando a miserabilidade, a interdição do pródigo somente o privará de, sem curador, emprestar, transidir, dar quitação, alienar, hipotecar, demandar ou ser demandado, e praticar, em geral, atos que não sejam de mera administração. (art. 1782 CC/02). E os silvícolas, estatuto do indio, lei 6001/73, o indio inserido na sociedade é plenamente capaz, o indio da floresta é relativamente incapaz.
Lei 13143/2013 - Estatuto dos deficiêntes
Art. 6° CC - a deficiencia não afeta a capacidade civil. Senil(idoso)/senilidade -> tem capacidade, eventual incapacidade surge em razão de enfermidade.
Art. 1749, I, CC - o tutor não pode adquirir por si ou por interposta da pessoa bens do tutelado. O tutor não tem legitimidade, so capacidade civil plena.
CAPACIDADE(regra) # LEGITIMIDADE incapacidade(excessão)
Modos de suprimento da incapacidade:
Emancipação (art. 5°CC) A menoridade cessa aos 18 anos completos, quando a pessoa fica habilitada à prática de todos os atos da vida civil.
- Cessa para os menores a incapacidade;
- Emancipação voluntária: pela concessão dos pais(se o menor tiver 16 anos completos).
- Emancipação judicial: por sentença do juiz ouvindo o tutor, se o menor tiver 16 anos completos.
- Emancipação legal: Casamento(art. 5°, paragráfo único, II), união estável não conta nesse caso. Exercício de emprego público efetivo(art. 5°, paragráfo único, III). Colação de grau em curso superior (art. 5°, paragráfo único, IV). Estabelecimento civil/comercial ou pela existência de emprego e econômia própria (art. 5°, paragráfo único, V).
Extinção da pessoa natural: termina a existência da pessoa natural com a morte (art. 6° CC)
- Morte real.
-Morte Presumida: quanto aos ausentes, nos caos em que a lei autoriza a abertura de sucessão definida. art. 22 ao 39 cc
1° fase: culadoria dos bens do ausente; 2° fase: abertura da sucessão provisória, 3° fase: sucessão definida -> fases da ausência
- Pode ser declarada a morte presumida, sem declaração de ausência.(art. 7° cc, I, II)
- Comoriência(simultânia): falecimento na mesma ocasião, impossibilidade de verificar quem faleceu antes- presumir-se-ão falecidos ao mesmo tempo.
Registros Públicos art. 9° CRCPN
-Nascimento, casamento, óbito, emancipaçao, interdição, sentença declaratória, ausência e morte presumida.
Averbações (art. 10 CRCPN)- Nulidade ou anulação de casamento, divórcio, separação e reestabelecimento da sociedade conjugal. Reconhecimento de filiação.
Direitos da Personalidade art. 11 ao 21 CC
Aqueles que têm por objeto os atributos físicos, psíquicos e morais da pessoa em si e em suas projeções sociais. O instituto alcança também os nascituros. Aplica-se as pessoas juridicas no que couber(titularidade).
Caracteristicas dos direitos da personalidade:
a) Absulutos: oponibilidade erga omnes, irradiando efeitos em todos os campos e impondo à coletividade o dever de respeita-lós;
b) Generalidade/gerais/necessário: outorgados a todas as pessoas, simplismente pelo fato de existirem;
c)Extrapatrimoniabilidade: ausência de um conteúdo patrimonial direto, aferível objetivamente, ainda que sua lesão gere efeitos econômicos;
d) Indisponíveis: nem por vontade própria do individuo o direito pode mudar de titular, o que faz com que os direitos da personalidade sejam alçados a um patamar diferenciado dentro dos direitos privados. A indisponibilidade dos direitos da personalidade abarca tanto a intransmissibilidade(impossibilidade de modificação subjetiva, gratuita ou onerosa- inalienabilidade) quanto a irrenunciabilidade( impossibilidade de reconhecimento juridico da manifestação volitiva de abandono do direito).
e) Imprescritibilidade: inexiste um prazo para seu exercicio, não se extinguindo pelo não uso.
*Não confundir prescribilidade da pretenção de reparação por violaçao a um direito da personalidade. Pretensão surge quando ocorre a violação/lesão para buscar reparação.
f) Impenhorabilidade: decorre da extrapatrimoniabilidade e indisponibilidade, direitos morais jamais poderão ser penhorados, não havendo, porém, qualquer impedimento legal na penhora do crédito dos direitos patrimoniais correspondentes.
g) Vitalicidade: inatos, permanentes, acompanham a pessoa desde o surgimento até passamento. Porém, há direitos da personalidade que se projetam além da morte do individuo.
Classificação dos direitos da personalidade:
1) direito a integridade física: a higidez do ser humano no sentido mais amplo da expressão, mantendo-se, portanto, a incolumidade corpórea e intelectual, repelindo-se as lesões causadas ao funcionamento normal do corpo humano. Direito ao corpo, tanto vivo quanto