A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
1 pág.
Diagrama de Bruckner 1 CETRAMA

Pré-visualização | Página 1 de 1

Peculiaridades do Diagrama de
Bruckner
Eng. Pedra Segundo da Costa, Professor Adjunto da UFBA.
Abstract
The Buckner's Diagram is a useful
tool in planning the construction of
the infra-structure of roads and
railways It has interesting properties
that can rationalize the earth
moving, getting the transport
distances of compensated
volumes of cuts and fills and it
guides us in the process of
planning its distribution so as to
minimize the costs.
10
Preâmbulo
A infra-estrutura de uma estrada de ferro ou de rodagem é, via de regra,
constituída de cortes e aterros, salvo alguns trechos, excessivamente
montanhosos, onde os cortes são substituídos por túneis e os aterros por
viadutos. Conseqüentemente os aterros são confeccionados com os
materiais escavados dos cortes e eventualmente dos empréstimos,
quando esses não forem suficientes para completá-Ias. Esta operação é
denominada de Terraplenagem.
Ainda na fase do lançamento do greide definitivo, o
projetista deve procurar, de alguma forma, compensar os volumes de
corte e aterro. Como ele dispõe apenas do perfil longitudinal, sua única
possibilidade é levantar ou baixar o greide de forma a aumentar ou
diminuir a extensão e altura dos cortes e aterros, aumentando ou
diminuindo seus respectivos volumes, sem, todavia, poder quantifica-
Ias.
Durante a Terraplenagem, os volumes apresentam-se sob três
formas distintas: no corte, solto e no aterro(compactado), formando
portanto,quantidades heterogêneas.
Para podermos comparar estes volumes, temos que reduzi-Ias a
uma unidade única, através de fatores de conversão, que 'são obtidos
como se segue: No corte o material tem um grau de compactação que
corresponde a uma densidade 1, depois de escavado o volume aumenta.
em virtude do crescimento do volume de vazios, passando a
corresponder a densidade 2, posteriormente, no aterro, apó
compactado, o volume se reduz e a densidade passa a 3.
Adotando os símbolos Vl, V2, e V3 para os volumes de corte, solt
e de aterro e M para a massa, e como esta é a mesma nas três situações
temos:
M =Vl xl =V2x2 =V3x3.
Do qual resultam:
Vl =V22/l; Vl =V33/l; V2 =Vll//2; V2=V332
V3=Vll/3; V3=V22/3
As relações entre as densidades são os fatores de conversão, 2/1; 3/1; 1 -.
3/2; 1/3 e 2/3, entre os quais os mais usados são o primeiro e o segundo,q
correspondem, a conversão em volume de corte dos volume solto e de aterr
Isto porque as medições são efetuadas, quase sempre, nos cortes e empréstim
ou seja, na escavação.
Na terraplanagem manual a escavação é feita por fatias vertic -
enquanto a terraplanagem mecânica, que é a única usada atualmen e ~
executada por camadas aproximadamente horizontais. (VerFig. 1)
Por este motivo as distâncias de transporte obtidas através do Dia
de Bruckner não têm a precisão desejada, pois os centros de gravidade ~
volumes de cortes e aterros são deslocados, provocando um acréscimo -
distância de transporte, muito difícil de ser dimensionado de forma exata.