A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
55 pág.
TCC versão final

Pré-visualização | Página 2 de 12

(SOUZA, 1997). Ele enfatiza esses três fatores, por serem os indicadores de desenvolvimento fundamentais para o desenvolvimento da economia de um país. Os três fatores quando trabalham juntos conseguem atingir o empresário de uma forma a tornar-se um empreendedor, tendo em vista que empreender é conseguir identificar e utilizar esses fatores no processo produtivo com eficiência e eficácia. Schumpeter
, ainda diz que “o empresário nunca é aquele que corre risco”; o risco é assumido por quem concede o crédito o capitalista. (SCHUMPETER, 1982, p. 92). 
Schumpeter (1982) faz uma análise para as economias monetizadas de crédito, colocando em evidencia que na maioria dos novos empreendedores, não obtém meios de produção, capital fixado e nem capital de giro para subsidiar a fundação de uma empresa, havendo a necessidade que recorrer à credores, e em alguns casos não ter o que ofertar como garantia. 
Na visão shumpeteriana, é a necessidade de financiar a inovação que tornam o negócio atraente aos investidores. No Brasil, o empreendedorismo ainda é uma novidade, que vem atraindo investidores de risco por toda parte do mundo, trata-se de uma mudança de paradigma de gestão dos negócios, “... que envolve processos organizacionais que permitem à empresa toda trabalhar em busca de um objetivo comum, que é a identificação de novas oportunidades de negócios, através da sistematização de ações internas focadas na inovação” (DORNELAS, 2008, p.9). Segundo Spina (2012), o empreendedorismo vem crescendo significativamente nos últimos anos, por ocorrer mudanças importantes em seu perfil, na qual o número de empreendedores “por oportunidade” vem se destacando com relação os empreendedores “por necessidade”. 
Não só um deslocamento entre o grupo de empreendedores por oportunidade versus o grupo de empreendedores por necessidade, mas também um crescimento acentuado do primeiro grupo, devido ao crescimento econômico do Brasil nos últimos anos, que criou novas oportunidades de emprego, levando os empreendedores por necessidade a se recolocarem no mercado de trabalho, enquanto que os empreendedores por oportunidade enxergaram o crescimento econômico como uma oportunidade para realizarem o sonho de empreender. Atualmente, o empresário pratica suas atividades nas condições ambientais em que vive e trabalha, ou seja, no ambiente sociocultural na qual está inserido no sistema. Para o empresário atuar como empreendedor, realizar sua função e impulsionar o desenvolvimento econômico, são necessárias duas condições: primeiro, de um pacote de inovações tecnológicas ainda não utilizadas e aptas a serem postas em prática; e em segundo, de linhas de crédito de curto e longo prazo, para que possa transformar capital em meios de produção, adotar novos métodos e gerar novos produtos. (SOUZA, 1999, p. 179).
 Diante dessas exigências, o empreendedor vem transformando paradigmas que diferencia os domínios do empreendedor, dos domínios do administrador, tornando predominante a visão Schumpeteriana. Dornelas (2008) refere-se ao empreendedor como o agente responsável pelo crescimento econômico, por meio da sua habilidade de visão de futuro, inovação, das suas tomadas de decisões, do seu dinamismo, conhecimento, dedicação, trabalho em equipe e principalmente ao valor que o mesmo cria para a sociedade. Para Degen (1989, p.10) “ser empreendedor significa ter, acima de tudo, a necessidade de realizar coisas novas, pôr em prática ideias próprias, característica de personalidade e comportamento que nem sempre é fácil de se encontrar”. Diante das palavras de Degen (1989), recrutar empreendedores é uma tarefa muito difícil, por esse perfil depender do ambiente sociocultural na qual o indivíduo está inserido. Para Drucker (1987) o empreendedor “é aquele que sempre está buscando a mudança, reage a ela, e a explora como sendo uma oportunidade”. Significa dizer que o empreendedor é um desafiador, que está em constante fase de mutação e adaptação, com isso o processo de empreender torna-se infinito às transformações do mercado. Drucker (1987) atribui ainda, o conceito de empreendedor ao papel de transferir recursos econômicos de um setor de produtividade mais baixa para um setor de produtividade mais elevada e de maior rendimento, possibilitando, uma maior eficiência e eficácia à economia, alcançando, sobretudo, o equilíbrio financeiro da sua empresa e o máximo de lucros e de vendas. Conforme citado por Drucker (1987), empreendedor é aquele que faz um investimento relativamente baixo em um produto ou serviço, e consegui alocar uma margem de lucro alta ao seu negócio.
2.1 EMPREENDEDORISMO POR MEIO DAS STARTUPS
Segundo Cardoso (2012), um moderno tipo de empreendedorismo está se perfazendo no Brasil, e vem muito mais rápido do que muitos têm conseguido enxergar. 
A base de dados do Global Entrepreneurship Monitor (GEM, 2015) mostram que a população empreendedora brasileira foi de 39,3%, um dos maiores índices dos últimos 14 anos, significando que 52 milhões de brasileiros com idade entre 18 e 64 anos apresentavam envolvimento na criação ou na sustentação de algum empreendimento, estabelecendo uma condição de empreendedor em estágio inicial ou definido.
De acordo com Wollheim (2012 alt Falkembach), os que nasceram no final da década de 1980 e durante os anos de 1990 são a maioria nas Startups, a chamada geração y. Isso ocorre por conta de duas peculiaridades: A primeira é a atual juventude e o segundo é a colaboração constante no mercado dos negócios. Apresentando características que predominam no mundo do empreendedorismo.
Provavelmente isso acontece porque eles têm mais intimidade com o mundo digital, são multitarefas por definição, buscam um sentido para a vida, ou seja, não trabalham apenas por dinheiro, estão acostumados a viverem em ambientes de baixo nível hierárquico, as famílias e as escolas são mais abertas, têm uma ansiedade enorme em especialmente são menos individualistas (WOLLHEIM, 2012, p. 114).
Suas caracterizações podem ser determinadas por intermédio de um conjunto de experiência, talento, competências, criatividade, e percepção de mundo, colocando assim um paradigma de empresa embrionária e jovem, que se alocam em uma empresa Startup.
Todavia, Startups podem apresentar pequenas dimensão, mas que logram êxito em desenvolver um interesse maior dos empreendimentos que estão no mercado da criação e desenvolvimento de seus conceitos. Consequentemente, podemos entender que através do empreendedorismo, Startups se comportam em seu início no mercado como pequenos projetos, empresariais, ligados ao desenvolvimento de ideias inovadoras, pesquisa e a investigação. Esse teor de Startups origina-se de um legado do empreendedorismo e inovação bastante acentuada, perpetuamente se dispondo de um desenvolvimento rápido e liderando os segmentos do mercado em que atuam. 
Facebook, Uber e Airbnb, são referências em Startups de sucesso no mundo. Esse modelo de negócio com rentabilidade e escalabilidade rápido, traz retorno relevante para os seus donos que habitualmente começaram com alto grau de risco e incerteza. 
Estão entre as mais frequentes, Startups de base tecnológica, que possuem modelos de negócios diferentes e inovadores, buscam investimento para desenvolver-se rapidamente em um reduzido período de tempo. Foi na década de 1980 que elas passaram a fazer parte do imaginário dos empreendedores, quando estudantes norte-americanos, engenheiros, estudantes ou profissionais, começaram empresas em suas proporias residências e construíram fortuna. Para esse fim, o perfil arrojado é um símbolo dos precursores desse tipo de empreendimento que tem a necessidade de cativar o mercado consumidor e conserva um ritmo veloz de expansão (OS STARTUPS BRASILEIROS, 2012). ??????
Pessoas empreendendo estão por toda a parte, não necessariamente um empreendedor está em uma garagem para fazer um Startup. De acordo com Cintra (2012), dona da Startup KingoLabs, esse tipo de empresa tem sua particularidade dos demais empreendimentos por meio da sua agilidade em