Aula - Amálgama
3 pág.

Aula - Amálgama


DisciplinaDentística5.279 materiais105.149 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Dentística - Aula 3 \u2013 15/08
Amálgama
É um material restaurador que provém da trituração do mercúrio (metal que na temperatura ambiente está no estado liquido) e de uma liga de prata, que pode ser esférica, em forma de limalha ou misturada. 
Aspectos importantes: o amalgama é usado há mais de 50 anos, tem fácil inserção e fácil realização da escultura do dente, tem selamento marginal devido a corrosão (na resina o selamento é feito por nós dentistas ps: essa corrosão é boa), pode ser usado em áreas de grande esforço mastigatório, tem boa resistência ao desgaste, menos tempo clinico para confecção da restauração qnd comparado a resina, tem bom comportamento a longo prazo e baixo custo.
Indicado para: lesões cariosas de médias a profundas e normalmente posteriores, quando há alto risco de cárie, substituição e reparo, pacientes com dificuldade de ser isolados pq é menos sensível a umidade qnd comparado a resina e áreas com pouca necessidade estética além de cavidades classe 1, classe 2, classe 5 e dentes posteriores amplamente destruídos.
Limitações: estética (devido a coloração), questionamentos devido a presença do mercúrio e questionamento ambiental com o descarte dos restos de amalgama e mercúrio. Muitas vezes requer um maior desgaste de estruturas sadias do dente para fazer uma cavidade retentiva para o amalgama ficar funcional na cavidade. 
Classificaçao: A) Quanto a forma da partícula da liga do amalgama 
 B) Quanto ao conteúdo de cobre presente na liga 
 C) Quanto ao conteúdo de zinco presente na liga.
	A) Quanto a forma: 
 - Irregular/usinadas/limalha > obtém partículas irregulares de pó de amalgama
 -Liquefeito > obtém partículas esféricas de pó de amalgama. Qnd os componentes são liquefeitos e submetidos a um jateamento de gás sobre alta pressão.
	B) Quanto ao conteúdo de cobre: 
 - Baixo conteúdo de cobre > menos de 6% de cobre em peso e todas tem formato irregular (limalha).
 - Alto conteúdo de cobre > tem mais 6% de cobre em peso e podem ser medidas em Ligas de fase Dispersa ou Ligas de fase Única. As de Fase Dispersa se tratam de uma mistura de liga usinada com baixo conteúdo de cobre com liga esférica com alto conteúdo de cobre. Na liga de Fase Única apenas a liga esférica está presente. As ligas com baixo conteúdo de cobre possuem uma fase chamada Gama 2 que torna o amalgama mt fraco, tem baixa resistência a compressão, baixa dureza, grande escoamento e maior tendência a corrosão ruim (que leva a degradação progressiva do material). Já nas ligas com alto conteúdo de cobre, a fase gama 2 é reduzida ou eliminada, sendo assim tem-se uma maior resistência a compressão.
 C) Quanto ao conteúdo de zinco: 
 - Sem zinco > ligas de quantidade igual ou menor que 0,01% em peso de zinco.
 - Com Zinco > ligas de qnt maior que 0,01% em peso de zinco. Essas ligas em conato com a umidade liberam oxigênio causando expansão tardia, que pode levar a perda do elemento dentário (amalgama se expande e pode quebrar tudo). Para que isso não ocorra TEM QUE TER ISOLAMENTO ABSOLUTO. 
As restaurações em amalgama são pouco resistentes à compressão na primeira 1h. Elas só ficam resistentes após 24h da restauração realizada. Paciente não pode mastigar no lado que fez a restauração! (na resina o paciente já pode mastigar assim que sair do consultório).
O preparo para amalgama precisa ter algumas características importantes. Precisa ter forma de contorno, forma de resistência, forma de retenção, forma de conveniência, toda a dentina cariada remanescente envolvida, deve ser feito acabamento nas paredas de esmalte do preparo e a cavidade deve estar limpa. 
 - Forma de contorno: Área que deve ser incluída no preparo, que deve ser todo o tecido cariado. Tem que remover toda a cárie e o esmalte sem suporte, se não remover o esmalte sem suporte pode apoia-lo sobre um material adesivo (iomomero de vidro ou resina composta), se o esmalte não tiver apoio pode fraturar. Se houver uma ponte de esmalte entre duas cáries e ela tiver 1 mm ou mais, não precisa quebrar para uni-las e formar uma cavidade enorme, pode preservar a estrutura sadia entre elas. 
 - Forma de resistência: característica dada a cavidade para que as estruturas remanescentes do dente e a restauração sejam capazes de resistir as formas mastigatórias. As paredes pulpar e gengival tem que ser planas, paralelas entre si e perpendiculares ao longo eixo do dente. As paredes circundantes devem ser paralelas entre si (no máximo) ou convergente para oclusal para formar a forma retentiva (se não tiver forma retentiva e tiver parede divergente, um chiclete, por exemplo, pode tirar a restauração de amalgama da cavidade). Essa forma de resistência deve formar a caixa proximal (como no caso da classe 2) auto retentiva para preservar a estrutura dental e expor menos a restauração as formas mastigatórias. 
Obs: não se faz bisel (45°) com resturação de amalgama no ângulo cavo superficial!! Tem que ter 90°. Porem, o ângulo axio pulpar (ângulo formado entre a parede axial e a parede pulpar em restauração classe 2) nunca pode ser de 90°, tem que ser arredondado (se ficam 90° mt força am,stigatoria fica concentrada ali). NÃO CONFUNDIR CAVO SUPERFICIAL COM AXIO PULPAR!
Quando as paredes ou fundo da cavidade ficam irregulares, para não fazer desgaste excessivo de tecido sadio, faz um \u201cforro\u201d com ionômero para regularizar essas superfícies. Se o ângulo axio pulpar estiver mt próximo a polpa, faz um forro para deixar regular e arredondado, não desgastando e preservando a polpa. 
Uma cavidade classe 1 deve ter a profundidade igual ou maior que a largura vestíbulo-lingual e as paredes vestibular e lingual devem ser sempre convergentes pra oclusal.
 - Forma de conveniência: etapa que visa possibilitar e instrumentação adequada do material restaurador. Ex: isolamento absoluto, algum instrumento para separar um dente do outro (pode ser borrachinha de orto). \u2018ajuda o dentista a realizar a restauração\u2019. O amalgama deve ser inserido na cavidade e condensado, para ser condensado a abertura da cavidade tem que ser suficiente para caber o condensador. Uma forma de conveniência biologia é a inclinação da parede pulpar nos pré-molares, os primeiros prés inferiores tem a cúspide vestibular mt maior que a cúspide lingual e a polpa tbm segue esse formato. Se a gnt fizer uma parede plana, pode expor o corno pulpar e nesse caso a parede pulpar fica inclinada pra não expor a polpa.
O acabamento deve ser feito para dar forma retentiva a cavidade, sempre tomando cuidado para os ângulos. Geralmente são feitos com instrumentos cortantes, como a inchada, mas tbm podem ser feitos com instrumentos esféricos.
 A limpeza deve ser feita para que seja realizada a remoção das partículas remanescentes de esmalte e dentina, possibilitando a colocação do material restaurador na cavidade limpa. Pode ser feito com jato de ar e agua ao msm tempo, com solução de clorexidina ou com detergente aniônico.
Passo a passo para realização de restauração em amalgama:
	Anestesia, isolamento absoluto (qnd não for possível, isolamento relativo sempre mantendo o mínimo de umidade), remoção de todo o tecido cariado, preparo cavitário (retentividade ou necessidade de forro), limpeza da cavidade, inserção da amalgama com porta amalgama, condensação com diversos condensadores, brunidura, escultura, brunidura pós escultura e acabamento e polimento da restauração. 
Passo a passo da restauração classe 1
Anestesia, isolamento, remoção do tecido cariado com broca carbaide ou curetas afiadas (colher de dentina), preparo cavitário (brocas 245, 329, 330 para dar retenção), parede vestibular e lingual convergente pra oclusal (consegue com inclinação da caneta), ângulos internos nítidos, profundidade tem que ser maior ou igual a largura vestíbulo-lingual, ângulo cavo superficial nítido (ângulo da superfície do dente com a cavidade), limpeza da cavidade com jato de ar e agua/clorexidina/detergente aniônico, correção pulpar