Caso concreto 2   redação instrumental
4 pág.

Caso concreto 2 redação instrumental


DisciplinaRedação Instrumental3.623 materiais37.875 seguidores
Pré-visualização1 página
CASO CONCRETO \u2013 AULA 2 
 CASO 1 - O caso ocorreu em Teresópolis, Região Serrana do Rio de Janeiro, 
no ano de 2005. Uma mulher de 36 anos, desempregada, estava casada com 
um mecânico, também desempregado. Os dois moravam em um barraco de 10 
metros quadrados, junto com seus três filhos. O mais velho tinha seis anos de 
idade; o filho do meio, quatro; o caçula, um ano e meio. É importante 
mencionar que essa mulher, Marcela, estava gestando o quarto filho. No mês 
de fevereiro daquele ano, em decorrência das fortes chuvas, um deslizamento 
de terra arrastou, ladeira abaixo, o lar em que vivia essa família. A mãe 
conseguiu salvar os dois filhos mais velhos, entretanto o caçula, ainda 
aprendendo a andar, não conseguiu sair a tempo. Morreu soterrado. Por tudo o 
que aconteceu, Marcela entrou em trabalho de parto. Chegou ao hospital 
público mais próximo e foi submetida a uma cesariana. Assim que ouviu o 
choro do bebê, prematuro, pediu para segurá-lo um pouco no colo. A 
enfermeira o permitiu. Marcela beijou a criança e jogou-a para trás. O menino 
caiu no chão, sofreu traumatismo craniano e morreu. Perguntada por que 
tomara aquela atitude, disse que não gostaria que seu filho passasse por tudo 
o que os demais estavam passando: fome e miséria. Um exame realizado no 
Instituto Médico Legal apontou que Marcela se encontrava em estado puerperal 
no momento em que matou o próprio filho. 
 
a) Indique os elementos da narrativa dos casos lidos. 
Enredo \u2013 Marcela cometeu homicídio contra seu filho recém-nascido; 
Complicação/ Desenvolvimento \u2013 A família da mesma sofreu uma 
grande perda material, onde Marcela entrou em trabalho de parto, já 
com o psicológico abalado; 
Clímax/ Suspense \u2013 Marcela pariu seu filho e pediu para segurá-lo, 
logo em seguida, joga a criança no chão e a mata; 
 
Desfecho/ Conclusão \u2013 Marcela foi diagnosticada em estado 
puerperal quando matou o próprio filho. 
 
b) Ao perceber que as circunstâncias como a conduta é 
praticada influenciam substancialmente o crime imputado ao 
agente, o profissional do direito deve estar atento para 
selecionar todas as informações que não podem deixar de 
constar de sua exposição dos fatos. Identifique nos dois 
casos concretos quais informações não podem deixar de ser 
narradas e as indique em tópicos. 
\uf0b7 Uma mulher e esposo desempregados com 3 crianças 
para criar e estava grávida de mais um; 
\uf0b7 Moravam em um barraco de 10m²; 
\uf0b7 Decorrente de fortes chuvas, um deslizamento de terra 
arrastou a casa deles; 
\uf0b7 Logo após esse fato conturbado, Marcela entrou em 
trabalho de parto, com o psicológico abalado. 
\uf0b7 Estava sob estado puerperal, segundo diagnóstico. 
 
c) Quais crimes praticaram Marcela? Defenda seus pontos de 
vista em um parágrafo. 
Marcela cometeu o crime de infanticídio, onde estava sob estado 
puerperal, é aquele que envolve a parturiente durante a expulsão da 
criança do ventre materno, neste momento, há intensas alterações 
psíquicas e físicas, que chegam a transformar a mãe, deixando-a 
sem plenas condições de entender o que está fazendo, razão pela 
qual se trata da situação de semi-imputabildiade. O Art. 123 do CP 
trata desse assunto. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
CASO 2 - Este segundo caso ocorreu em São Paulo. A secretária 
Adriana Alves engravidou do namorado e, sem saber explicar por 
qual motivo, não contou o fato para ele; também não contou para 
mais ninguém. Seus pais, com quem morava, não sabiam de sua 
gravidez. Não compartilhou esse segredo com amigas ou colegas de 
trabalho. Definitivamente, ninguém conhecia a gestação de Adriana. 
Com o passar dos meses, Adriana não recebeu qualquer tipo de 
acompanhamento ou cuidado pré-natal especial; escondia a barriga 
com cintas e usava roupas largas. No mês de dezembro de 2006, 
quando participava de uma festa de final de ano, no escritório em que 
trabalha, sentiu-se mal e foi para casa. Sua intenção era realizar o 
parto sozinha e jogar a criança em um rio próximo à sua casa. 
Ocorre, porém, que o parto não transcorreu tranquilamente. Adriana 
teve complicações e teve de puxar à força a criança. Depois, matou-a 
afogada na bacia de água quente que separou para realizar o parto. 
Para se livrar da justiça, jogou a criança, já morta, no rio, enrolada 
em um saco preto. Muito debilitada, foi a um hospital buscar ajuda 
para si, mas não soube explicar o que aconteceu. Após breve 
investigação da Polícia, Adriana confessou tudo o que fizera. Exames 
comprovaram que ela não estava sob o estado puerperal. 
 
a) Indique os elementos da narrativa dos casos lidos. 
Enredo \u2013 Adriana Alves cometeu homicídio e ocultação de cadáver 
contra seu filho recém-nascido; 
 
Complicação/ Desenvolvimento \u2013 Adriana engravidou do namorado e 
escondeu a gravidez de todos que a conhecia, o problema aconteceu 
quando o trabalho de parto, que a mesma realizou sozinha, não 
ocorreu bem; 
 
Clímax/ Suspense \u2013 Adriana entrou em trabalho de parto que não 
transcorreu tranquilamente, matou a filha afogada e jogou o cadáver 
no rio; 
 
Desfecho/ Conclusão \u2013 Adriana foi ao médico, contou o que ocorreu 
e não foi diagnosticada sob estado puerperal quando matou o próprio 
filho. 
 
b) Ao perceber que as circunstâncias como a conduta é 
praticada influenciam substancialmente o crime imputado ao 
agente, o profissional do direito deve estar atento para 
selecionar todas as informações que não podem deixar de 
constar de sua exposição dos fatos. Identifique nos dois 
casos concretos quais informações não podem deixar de ser 
narradas e as indique em tópicos. 
\uf0b7 Adriana engravidou do namorado e não contou a ninguém; 
\uf0b7 Não fez nenhum acompanhamento médico para ver se a criança 
e ela estavam bem; 
\uf0b7 Escondia a barriga com cintas e roupas largas; 
\uf0b7 Realizou o trabalho de parto sozinha e teve complicações; 
\uf0b7 Matou a filha afogada e ocultou o cadáver. 
\uf0b7 Não estava sob estado puerperal, segundo diagnóstico. 
 
 
c) Quais crimes praticaram Adriana? Defenda seus pontos de 
vista em um parágrafo. 
Adriana Alves cometeu homicídio doloso como dolo direto e 
ocultação de cadáver, sendo que já havia premeditado a parto e a 
morte. 
 
Questões objetivas 
 
1 - As narrativas jurídicas contêm características distintas das 
demais narrativas. Além disso, podem ser simples ou valoradas. 
Independentemente de serem simples ou valoradas, toda 
narrativa jurídica apresenta esta característica: 
 
( A ) Ser escrita em terceira pessoa. 
 
 
2 - Leia o trecho, analise os elementos constitutivos da narrativa 
e marque a alternativa correta: Trata-se de negligência ao dever 
de cuidar de Maria de Lurdes Silva, 27 anos, a que expôs sua 
filha Carla Silva de dois anos. O fato ocorreu em Botafogo, Rio 
de Janeiro. 
 
( C ) O parágrafo informa o porquê do conflito.
caio
caio fez um comentário
ajudou muito, obrigado
0 aprovações
Jordane
Jordane fez um comentário
Me ajudou obrigado !!!!
0 aprovações
Carregar mais