PONTES  - Exercícios Online - UNIP/UNIPLAN
10 pág.

PONTES - Exercícios Online - UNIP/UNIPLAN


DisciplinaPontes1.567 materiais5.969 seguidores
Pré-visualização4 páginas
CONTEÚDO 2
1 - Uma ponte apresenta a seguinte sequência construtiva:
I - implantação dos pilares;
II - implantação das instalações para a produção de aduelas pré-moldadas de concreto protendido em uma das margens do rio;
III - fabricação da aduela 1;
IV - deslocamento da aduela 1 com macaco hidráulico, cordoalhas e treliça metálica;
V - fabricação da aduela 2, protendida contra a aduela 1;
VI - deslocamento das aduelas 1 e 2, e assim sucessivamente.
Por esta sequência pode-se afirmar que se trata de uma ponte:
B - Empurrada
2 - Uma ponte estaiada, com seção transversal celular, tem os estais fixados na torre de sustentação e concentrados em uma só região de ancoragem, representada por um único ponto de partida dos estais. Nessas condições pode-se afirmar que se trata de uma ponte estaiada com os estais dispostos em
A - Leque
3 - Ao analisar o desenvolvimento planimétrico de uma ponte, você observou que o eixo longitudinal dessa ponte apresenta um ângulo agudo em relação ao eixo longitudinal do rio. Nessas condições, pode-se afirmar que se trata de uma ponte
E- Esconsa.
4 - O tabuleiro de uma ponte, com seção transversal celular ou tipo caixão, foi pré-moldado em segmentos ou aduelas, em uma instalação situada em uma das margens do rio. Estas aduelas ou segmentos de tabuleiro foram continuamente protendidas entre si, à medida que eram concretadas e deslocadas, com o auxílio de cordoalhas e macacos hidráulicos, sendo o avanço auxiliado por uma treliça de aço, denominada \u201cbico metálico". Assim sendo, o tabuleiro, suportado pelos pilares da ponte, já concretados anteriormente, atingiu a outra margem, completando a travessia.
Este método construtivo de ponte é denominado:
A - método dos deslocamentos sucessivos ou das pontes empurradas. 
CONTEUDO 3
1 - Os pilares de pontes e viadutos podem sofrer choques de veículos ou de embarcações. A NBR 7187 estabelece que, na possibilidade de ocorrerem choques, devem ser previstas proteções adequadas aos pilares. Você está analisando uma nova ponte a ser implantada em um rio com navegação fluvial, cujo histórico mostra que já ocorreram choques de comboios de navegação com pilares de pontes. Para proteger os pilares da ponte contra choques do tráfego da hidrovia você pode utilizar o seguinte dispositivo:
C - Duques d'alba.
2 - Uma ponte rodoviária é composta por vãos de 34 m. Nessa condição, pode-se afirmar que o coeficiente de majoração do peso da carga móvel apresenta o seguinte valor, de acordo com a fórmula estabelecida pela NBR 7188:
C - 1,162
3 - De acordo com PFEIL (Pontes de Concreto Armado), a força centrífuga é o efeito dinâmico associado com a curvatura horizontal da estrada. Para um raio de curvatura horizontal R e uma velocidade V do veículo em Km/h, com g = 9,81 m/s2, a força centrífuga F é dada pala expressão F = Q.V2 / 127.R, sendo Q o peso do veículo em Tf, multiplicado pelo quadrado da velocidade. Nessas condições, pode-se afirmar que a força centrífuga em um caminhão fora de estrada, com peso total de 82 Tf, em uma curva com 100 m de raio, a uma velocidade de 40 Km/h, atinge o seguinte valor, expresso em Tf:
E - 10,33
Em decorrência da movimentação dos veículos sobre as pontes é importante, na fase de projeto, analisar o comportamento do tabuleiro à fadiga, seja ele de aço ou de concreto armado e protendido. Nas pontes de aço a resistência à fadiga deve ser verificada para cargas repetidas por um número maior que:
B - 10000 vezes.
CONTEUDO 4
1 - Você está analisando uma viga isostática, simplesmente apoiada, com 40 m de vão e sujeita à passagem de uma carga móvel, composta por duas cargas concentradas, quais sejam P1=40 KN e P2 = 100 KN, com 4 m de distância entre elas. Para a seção situada no meio do vão, o momento máximo causado pela passagem da carga móvel será
D - 1320 KN.m.
2 - Uma viga simplesmente apoiada, com 32 m de vão, está sujeita a uma carga de multidão, uniformemente distribuída, q = 0,4 KN/m, aplicada em todo o vão. Para esta condição pode-se afirmar que a reação máxima, em cada um dos dois apoios das extremidades da viga, apresenta o seguinte valor:
E - 54,78 KN. 
3 - Uma viga simplesmente apoiada, com 50 m de vão, está sujeita à passagem de uma carga móvel uniformemente distribuída de 100 KN/m. Para uma seção situada a 20 m de um dos apoios, pode-se afirmar que o momento fletor máximo, causado pela passagem da carga móvel, apresenta o seguinte valor:
D - 30000 KN.m. 
4 - Uma viga isostática, sobre dois apoios, com balanços, está sujeita à passagem de uma carga móvel composta por duas forças iguais, de 60 KN cada, com 4 m de espaçamento entre elas, as quais estão somadas a uma carga distribuída de multidão, q = 6 KN/m. A viga tem vão de 40 m entre os apoios e seus balanços são iguais, com 10 m em ambos os lados. Com estes dados pode-se afirmar que o máximo momento fletor positivo, em uma seção transversal no meio do vão central da viga, quando da passagem da carga móvel descrita, apresenta o seguinte valor:
C - 2160 KN.m.
5 - Uma viga biapoiada, com balanços, está sujeita à passagem de uma carga distribuída q = 8 KN/m. A viga tem um vão central de 32 m, um balanço de 6 m à direita e um balanço de 10 m à esquerda. Para uma seção no meio do vão central pode-se afirmar que o máximo momento fletor positivo e o máximo momento fletor negativo apresentam, respectivamente, os seguintes valores:
A ) + 1024 KN.m e - 272 KN.m.
6 - Uma viga isostática, biapoiada, tem vão central de 28 m e um balanço à esquerda de 8 m, não havendo balanço do lado direito. Considerando-se uma carga móvel composta por duas forças, de 80 KN e de 160 KN, com 4 m de distância entre elas, pode-se afirmar que o máximo momento fletor negativo que ocorre na seção do meio do vão central apresenta o seguinte valor:
D ) - 800 KN.m. 
7 - Uma viga de concreto armado e protendido, simplesmente apoiada e com 38 m de vão, está sujeita à passagem de uma carga móvel composta por três forças de 150 KN cada, as quais são igualmente espaçadas, sendo de 1,5 m a distância entre cada força e a força seguinte. Para uma seção transversal situada no meio do vão da viga, pode-se afirmar que a força cortante máxima positiva atingirá, quando da passagem da carga móvel, o seguinte valor:
A ) + 207,24 KN.
8 - Uma viga em balanço, engastada em A e com a borda livre em B, tem 12 m de balanço (comprimento) e sobre ela pode se deslocar uma carga móvel, composta por duas forças, de 40 KN e de 120 KN, respectivamente. O espaçamento entre elas é de 3 m. Nestas condições, pode-se afirmar que o momento fletor máximo negativo, causado pela passagem da carga móvel, e que ocorre na seção de engastamento, apresenta o seguinte valor:
D ) - 1800 KN.m. 
8 - Uma viga em balanço, com 10 m de comprimento, está sujeita à passagem de uma carga móvel de multidão q = 4 KN/m. Pode-se afirmar que o momento fletor máximo, quando da passagem da carga móvel sobre a viga, apresenta o seguinte valor:
B ) - 200 KN.m. 
9 - Uma viga isostática, simplesmente apoiada, de concreto armado e protendido, tem 40 m de vão e está sujeita à passagem de uma carga móvel, uniformemente distribuída, com q = 120 KN/m e comprimento fixo de 16 m. Nessas condições pode-se afirmar que o momento fletor máximo, causado pela passagem da carga móvel na seção transversal situada no meio do vão da viga, apresenta o seguinte valor:
D - 20220 KN.m. 
ESTUDOS DISCIPLINARES
1 - Uma ponte estaiada deve ser analisada tanto do ponto de vista estático quanto do ponto de vista dinâmico. Você está analisando o equilíbrio de um estai (cabo de aço composto por cordoalhas), que sustenta um peso de 720 Tf, o qual forma um ângulo de 33 graus com o tabuleiro da ponte. Nestas condições pode-se afirmar que a força de tração no estai apresenta o seguinte valor, expresso em Tf.m:
D -1322
2 - Uma viga de ponte, prismática e horizontal, de concreto armado e protendido, tem 46 m de vão, sendo isostática e apoiada nas suas extremidades, com peso específico de 25KN/m3. A viga tem