Resumo - Direito Consumidor
8 pág.

Resumo - Direito Consumidor


DisciplinaDireito do Consumidor8.791 materiais32.725 seguidores
Pré-visualização7 páginas
Direito do Consumidor Resumo
Prof. Rafael Tocantins Maltês
Direito PUC
Mestre em Direito do Consumidor \u2013 Publicidade Subliminar
Direito Ambiental \u2013 doutorado \u2013 pós-doutorado iniciando
Juiz da Vara da Fazenda Pública em Guarulhos
Perfil no Jusbrasil
Regras:
Pontualidade: 09:50 às 11:30
Chamada: toda aula, um por um (sem amostragem)
Não é admitido: conversa, barulho...
Não é permitido gravar a aula (áudio e vídeo)
Prova: tranquila, não tem pegadinha, não tem perseguição, sempre o que for dado em aula \u2013 dentro do conteúdo \u2013 prova conceitual
Avaliação continuada: contrato de consumo (tem que usufruir deste contrato) \u2013 grupo de 3 alunos \u2013 achar cláusulas que contrariem o CDC (abusivas, nulas) \u2013 se for possível, apresentação oral (ver Art. 51, CDC). Obs.: não pode ser o contrato da FMU
Fichamento do livro: História das Coisas \u2013 Anne Leonard
Prazo: 03 de abril \u2013 manuscrito
Bibliografia:
Antônio Herman Benjamim e Cláudia Lima Marques \u2013 Curso de Direito do Consumidor
Livro do Professor \u2013 Manual de Direito do Consumidor \u2013 Saraiva e Amazon.
Direito do Consumidor
Não é direito privado. Tem que colocar a lente correta para interpretar o direito do consumidor.
Aula 1 \u2013 Introdução ao Direito do Consumidor e Fundamentos Constitucionais
Revolução Francesa / Burguesa \u2013 capitalismo
Revolução Industrial \u2013 produção em série \u2013 redução do preço unitário
Sociedade de Massa \u2013 Consumo \u2013 Sociedade de Risco \u2013 danos são em massa \u2013 Ex.: ponteiros do relógio que brilhavam à noite (radiativo). Talidomida: remédio para enjoo para mulheres grávidas \u2013 problemas no feto \u2013 má formação do feto (sem braço, com defeitos)
Direito era individual, igualdade de armas, pacta sunt servanda \u2013 e não estava preparado para esta mudança na sociedade \u2013 precisava de reformulação. Em 15 de março de 1962, Kennedy proclamou os direitos básicos do consumidor:
Direito à Segurança (produtos colocam os consumidores em situação de risco)
Direito à Informação (para que o consumidor faça a escolha correta, baseado nas informações)
Direito de Escolha (engloba o direito de não escolha)
Direito de Ser Ouvido \u2013 Direito de Participação
Movimento Consumerista (diferente de consumismo) \u2013 de proteção ao consumidor
Incorporação às legislações \u2013 positivar normas protetivas ao consumidor
Hoje: templo é o shopping \u2013 com dinheiro de plástico \u2013 não poderia chegar neste ponto que chegamos!
Países começaram a introduzir normas de direito do consumidor em suas legislações
Sociedade de Risco \u2013 Ulrich Beck \u2013 ler um dia...
3ª Dimensão dos Direitos: difusos e coletivos \u2013 ambiental, consumidor
Classificação do Direito do Consumidor segundo Cláudia Lima Marques:
Direito Privado Geral: Direito Civil (Código Civil)
Direito Privado Especial: Empresarial e Consumidor
Rizzato Nunes:
Não devemos somente dividir o Direito em Público e Privado, devemos incluir um terceiro gênero: os direitos difusos e coletivos
Comprar uma camiseta: não é pública nem privada, mas difuso
Direito do Consumidor entra como Direito Difuso
CF/88 \u2013 Fundamentos Constitucionais:
Art. 5º, XXXII, CF \u2013 o Estado (todos os poderes \u2013 Executivo, Legislativo e Judiciário) promoverá, na forma da lei, a defesa do consumidor \u2013 é um direito fundamental, impenhorável, imprescritível, irrenunciável, cláusula pétrea, princípio da vedação ao retrocesso
Art. 170, V, CF \u2013 a ordem econômica, fundada na valorização do trabalho humano e na livre iniciativa, tem por fim assegurar a todos existência digna, conforme os ditames da justiça social, observados os seguintes princípios: V \u2013 defesa do consumidor \u2013 Obs.: sistema capitalista (é um tipo ideal), não há um único país 100% capitalista \u2013 cada país tem suas diferenças \u2013 Brasil: capitalismo (não é capitalismo selvagem, sem regras) \u2013 detenção privada dos meios de produção, compra da mão de obra, produção, lucro \u2013 os Direitos do Consumidor devem ser respeitados, caso contrário, a empresa perde a legitimidade
Art. 48, ADCT \u2013 o Congresso Nacional, dentro de cento e vinte dias da promulgação da Constituição, elaborará código de defesa do consumidor \u2013 não foi feita no prazo, mas promulgada em 11.09.1990 CDC (Lei 8078 de 1990) \u2013 foi elaborada por conhecedores/estudiosos da matéria
Características do CDC:
Lei Principiológica \u2013 traz os princípios fundamentais, a estrutura da defesa do consumidor \u2013 corte horizontal na legislação para abarcar todas as disciplinas e aplicar a Defesa do Consumidor \u2013 quando há antinomia (conflito de normas), qual devemos aplicar? Ex.: notebook extraviado na bagagem \u2013 pelo cronológico seria a convenção internacional; plano de saúde \u2013 pelo critério da especialidade seria a Lei dos Planos de Saúde \u2013 nestes casos aplicamos o CDC, pois é lei principiológica (não aplicamos os critérios cronológico e de especialidade)
Normas de ordem pública e de interesse social: 
Normas de ordem pública \u2013 aplicação obrigatória, irrenunciável, não tem preclusão \u2013 Súmula 381, STJ: nos contratos bancários, é vedado ao julgador conhecer, de ofício, da abusividade das cláusulas \u2013 neste caso, tirou a efetividade do CDC, e somente em uma espécie de contrato, o que é muito \u201cestranho\u201d, pois deu força à parte mais forte (banco)
CDC \u2013 existe pelo princípio da isonomia \u2013 tratar desigualmente os desiguais \u2013 no caso o Consumidor, pela sua vulnerabilidade (hipossuficiência) na relação de consumo \u2013 a lei é o instrumento para reequilibrar as forças entre fornecedor e consumidor
Na OAB \u2013 Kelsen \u2013 Teoria Pura do Direito \u2013 direito é o que os Tribunais dizem que é \u2013 portanto, no caso dos contratos bancários, deve-se usar a Súmula 381 do STJ
Interesse Social \u2013 interesse coletivo, pois os vícios também são de massa \u2013 sociedade de consumo é de massa e de risco \u2013 não interessa somente às partes da lide, mas a toda coletividade, de todo mundo, inclusive aos nascituros e às futuras gerações
Microssistema multidisciplinar: é um dispositivo legal que contém normas de várias áreas do direito \u2013 regula não somente uma relação jurídica, mas um conjunto de relações jurídicas
Códigos \u2013 geralmente regulam somente um tipo de relação jurídica \u2013 Ex.: CTN
CDC não é um Código, é um microssistema \u2013 por exemplo, tem normas de direito administrativas, penais, processuais
Cláudia Lima Marques: diálogo das fontes \u2013 não há exclusão das leis (revogação) \u2013 uma lei vai \u201cconversar\u201d com a outra, e como serão compatibilizadas
Relação Jurídica de Consumo:
Ser humano, por viver em sociedade, estabelece relações sociais \u2013 relação jurídica é uma relação social que é regulada pelo Direito
Relação Jurídica de Consumo \u2013 devemos entender quem está em cada polo da relação \u2013 Consumidor e Fornecedor que são os elementos subjetivos; e como elemento objetivo um produto e/ou serviço
Consumidor Fornecedor (sujeitos)
 Produtos Serviços (objeto)
Consumidor: conceitos do CDC
Art. 2º, caput \u2013 conceito padrão \u2013 é toda pessoa física ou jurídica que adquire ou utiliza produto ou serviço como destinatário final. \u201cUtiliza\u201d \u2013 Ex.: fogão ganho como presente de casamento que estava usado, sujo de gordura e comida (Casas Bahia) \u2013 era usado na loja pelos funcionários \u2013 defesa das Casas Bahia era que ela não comprou o fogão (ganhou) \u2013 não é o caso, pelo verbo utilizar.
Destinatário final: 
Teoria Maximalista ou Objetiva: destinatário final é o destinatário fático \u2013 só depende de um fato \u2013 fato: todo produto tem um ciclo de vida \u2013 da produção à distribuição \u2013 é aquele que retira o produto do ciclo distributivo-produtivo, é o destinatário fático.
Teoria Finalista ou Subjetiva: é destinatário final fático e econômico \u2013 é aquele que vai utilizar o produto ou serviço para satisfazer suas necessidades particulares (não profissionais).
Teoria Mista ou Finalista Mitigada: STJ (jurisprudencial) \u2013 em algumas situações, há uma parte fraca \u2013 vulnerável \u2013 é um critério para
Will
Will fez um comentário
Boa tarde, poderia me enviar por e-mail?
0 aprovações
Nathália
Nathália fez um comentário
Boa tarde, poderia me mandar por email??
0 aprovações
Carregar mais