Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
(Trabalho)Osgood Schlatter

Pré-visualização | Página 1 de 1

CENTRO UNIVERSITÁRIO 
FACULDADE DE CIÊNCIAS DA SAÚDE 
CURSO DE FISIOTERAPIA 
 
 
 
 
 
 
TRABALHO DE FISIOTERAPIA APLICADA A ORTOPEDIA E 
TRAUMATOLOGIA 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
PATOS DE MINAS, MG. 
2012 
Osgood- Schlatter 
A doença Osgood Schlatter foi descrita primeiramente em 1903 quando Osgood 
(EUA) e Schlatter (Alemanha) descreveram isoladamente como “lesões do tubérculo 
tibial ocorrendo na adolescência.” 
Pode ser definida como uma necrose asséptica da tuberosidade anterior da tíbia. 
Ocorre freqüentemente em jovens que praticam esportes de maneira ativa na faixa etária 
de 10 a 15 anos, e em sua maioria ocorre de forma bilateral. 
A etiologia é controvertida. As duas mais prováveis hipóteses são que ocorre 
uma isquemia localizada, gerando necrose óssea e fragmentação do núcleo de 
crescimento gerando uma verdadeira necrose avascular ou apófisite isquêmica. A 
segunda hipótese baseia-se em estresse traumático do quadríceps. O quadríceps ao 
transferir sua força de tração à patela e ao tendão patelar, tracionando a inserção (tendão 
do quadríceps) na tuberosidade anterior da tíbia, provocando um estresse nessa região 
de tecido cartilaginoso. Além disso, para a extensão de joelho, o braço de alavanca é 
muito grande em relação ao ponto de apoio, que se faz exatamente na tuberosidade 
anterior da tíbia. 
Inicialmente ocorre dor espontânea na tuberosidade anterior da tíbia, 
predominantemente após a atividade física prolongada. No exame físico, é possível 
observar aumento de volume de tuberosidade, sem sinais inflamatórios, porém com dor 
a palpação. Ao exame de raios-X, observa-se uma linha irregular na tuberosidade tibial, 
e pode estar presente uma avulsão óssea significativa. 
O quadro clínico mais freqüente é de dor, edema e aumento de volume na 
tuberosidade tibial. A dor piora durante e após a atividade física, para subir escadas e 
durante a corrida. Ao exame físico, o joelho em si é normal, havendo presença de dor e 
aumento de volume da tuberosidade tibial. A dor piora a extensão ativa contra a 
resistência e pode ocorrer inflamação da bursa na inserção do tendão patelar. O 
quadríceps normalmente é retraído nestes pacientes, principalmente no lado afetado. 
O tratamento é controverso no que se refere ao uso da crioterapia, pois alguns 
autores afirmam que a vasoconstrição causada pode prejudicar a nutrição da 
tuberosidade tibial. O tratamento pode incluir ainda antiinflamatórios, alongamentos, 
imobilização por um período de três a quatro semanas ou restrição das atividades 
esportivas, exercícios isométricos entre outros. 
 
 
 
 
 
Bibliografia 
 
 Doença de Osgood Schlatter - Revisão Bibliográfica e Proposta de Tratamento 
Rafael Felipe Castilho e Alexandre Sabbag da Silva 
Revista Científica Inspirar, 2°Edição 
 
 Tratamento Fisioterapeutico na Patologia de Osgood Schlatter através do uso de 
Laserterapia e Crioterapia – Maria Cecília Ribeiro