A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO   aula 9   pratica V

Pré-visualização | Página 1 de 1

EXCELENTÍSSIMO SENHOR MINISTRO PRESIDENTE DO SUPREMO 
TRIBUNAL FEDERAL 
 
 
Partido Progressista, (qualificação), vem por meio de seu advogado com 
qualificações e endereço profissional em anexo, à presença de V. Exa., nos termos dos 
art. 12-h da L. 9868/99 c/c art. 103, § 2º, CRFB/88 Propor: 
AÇÃO DIRETA DE INCONSTITUCIONALIDADE POR OMISSÃO 
em face do comportamento omissivo do governador de Santa Catarina na 
criação da norma regulamentadora do art. 37, X, CRFB/88, pelas razões de fato e direito 
que passa a expor: 
Dispõe a CRFB/88 no inciso X do art. 37 sobre a revisão anual dos 
vencimentos dos servidores públicos através de índices idênticos aos servidores públicos 
da federação. 
Ocorre que em Santa Catarina inexiste forma regulamentadora do art. 37, X, 
CRFB//88 restando os servidores públicos deste Estado sem o aumento desde outubro de 
2003 acumulando assim, sucessivas perdas salariais. 
Cabe ressaltar que, sequer existe dotação orçamentaria anual para garantir o 
pagamento de valores referentes as perdas salariais, mantendo-se o chefe do executivo 
inerte quanto a criação da norma regulamentadora. 
 
DA LEGITIMIDADE ATIVA 
O autor é parte legítima para figurar no polo ativo desta ação, uma vez que 
presente como um dos legitimados nos termos do art. 103, VIII da CRFB/88, tendo em 
vista que tratar-se de partido político com representação no Congresso Nacional. 
 
DA TUTELA CAUTELAR 
Presentes os requisitos que autorizam a tutela cautelar na Ação Direta de 
Inconstitucionalidade. O fumus boni iuris se caracteriza pela previsão do art. 37, X, 
CRFB/88 dos reajustes anuais. Já o periculum in mora está presente no fato de que os 
vencimentos não sofrem alteração desde 2003, caracterizando enormes perdas salariais, 
observado a natureza jurídica dos vencimentos de verba necessária à subsistência. 
Desta forma, requer que seja deferida a tutela de urgência para fixar prazo 
razoável para que o governador de SC edite norma regulamentadora acerca da revisão 
anual dos salários dos servidores públicos deste Estado. 
 
 
DOS FUNDAMNETOS 
A presenta ação proposta, visa expor a omissão por parte do governador de 
Santa Catarina em editar lei que regulamente o art. 37, X da CRFB/88. Tal situação 
acarreta graves danos aos servidores públicos daquele Estado. 
A inércia ao não regulamentar os aumentos salariais que nada mais são do 
que reajustes anuais que objetivam corrigir monetariamente o valor percebido pelos 
servidores de modo que venham com a valorização do mercado perder o seu poder 
compra. 
Assim, ao não ser editada norma regulamente o artigo constitucional já citado 
acima, acaba-se por violar princípios constitucionais de vital importância no ordenamento 
jurídico pátrio. 
O primeiro deles é o princípio da isonomia, pois ao não regulamentar um 
direito constitucionalmente previsto, o governo de SC trata de maneira não isonômica os 
cidadãos deste Estado, uma vez que parcela da sociedade estará impossibilitada de exercer 
o seu direito de compra. 
Outro princípio violado é o mínimo existencial, pois a medida que o tempo 
passa sem que haja um reajuste anual que visa manter o poder de compra daquele cidadão, 
forma-se então uma cadeia sucessiva de problemas, tendo em vista que não poderá usar 
o seu salário até mesmo para sua subsistência, que por sinal tem verba de natureza 
alimentar. 
E por último mas não menos importante, o princípio da dignidade da pessoa 
humana, que resta violado e corrobora os outros dois princípios relatados anteriormente, 
tendo em vista que este princípio assegura principalmente o direito à uma vida digna e 
compatível com o mínimo necessário para uma vida justa. 
 
DOS PEDIDOS 
Pelo exposto, vem requerer: 
I. Seja deferida a tutela de urgência para fixar prazo razoável para que o 
governador de SC edite norma regulamentadora acerca da revisão 
anual dos salários dos servidores públicos deste Estado; 
II. A notificação do governador do Estado de Santa Catarina pra prestar 
as informações no prazo legal de 30 dias; 
III. A intimação do Advogado Geral da União; 
IV. A intimação do Procurador Geral da União; 
V. Seja julgada procedente o pedido para declarar a omissão legislativa, 
determinando a edição de norma regulamentadora do art. 37, X, 
CRFB/88. 
 
 
 
DAS PROVAS 
Requer a produção de todos os meios de prova em direito admitidas, em 
especial prova documental. 
Nestes termos, 
Pede deferimento. 
Local/Data 
Advogado/OAB