A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
4 pág.
ERUPÇÃO DENTÁRIA

Pré-visualização | Página 1 de 1

ERUPÇÃO DENTÁRIA 
compreende toda a movimentação do dente no sentido oclusal durante o seu desenvolvimento (cripta óssea) até atingir sua posição funcional.
3 fases:
Pré- Eruptiva: crescimento e posicionamento do germe dentário.
Movimentos necessários para colocar os dentes em posição adequada para que a erupção possa ocorrer.
Termina quando a fase de coroa (deposição de dentina e esmalte) estiver completa 
Cripta óssea (osteoclastos) sofre reabsorção em suas superfícies (base) tornando possível a acomodação da coroa em desenvolvimento. 
Eruptiva: compreende os movimentos axial e oclusal realizados pelo dente até sua posição funcional no plano oclusal.
Mecanismo semelhante para dentes decíduos e permanentes.
Rompimento da gengiva
Termina com a total oclusão dos elementos dentários.
Pós- Eruptiva: Movimento após alcançar o plano oclusal
Acomodação para o crescimento
Compensação para o desgaste oclusal
Acomodação para o desgaste interproximal
O desgaste interproximal é compensado por um processo chamado desvio mesial ou proximal. As forças que provocam esse movimento são :
Componente anterior de força oclusal
Pressão do tecido mole 
Contração do ligamento transeptal
Os dentes mantêm uma capacidade de erupção durante a vida toda
 Posição final DENTE ANTAGONISTA
 IRRUPÇÃO: quando o elemento dentário aparecer na cavidade bucal.
Não irrompidos = elemento não aparece na cavidade pois passa do tempo correto para ocorrer o processo.
Epitélio juncional: É formado na erupção dental na fase de raiz, pela fusão do epitélio reduzido do órgão do esmalte + epitélio gengival. 
Epitélio reduzido + epitélio oral fazem com que NÃO ocorra sangramento.
Forças atuantes na erupção:
Formação da raiz/ ligamento periodontal:
Formação da dentina radicular e periodonto de inserção;
Alguns dentes erupcionam sem a formação da raiz (comuns em displasias dentinárias);
Atua aumentando a velocidade de erupção;
Contratilidade e motilidade;
Pressão hidrostática:
Movimento dentário continuo;
Dentes movem-se nos alvéolos em sincronia com a pulsação arterial;
Remodelação óssea:
Constante remodelação ocorre como consequência do processo eruptivo;MULTIFATORIAL
Ocorre devido à pressão gerada pelo crescimento do germe;
A formação do osso alveolar é relacionada à existência do dente;
Folículo dentário: 
Folículo recebe indução do órgão do esmalte (retículo estrelado);
Falta de espaço = apinhamento dentário 
Folículo intacto = formação da via eruptiva;
Folículo removido = sem caminho eruptivoAtraso no aparecimento do elemento dentário na cavidade bucal;
Folículo pericoronário: epitelial + ectomesenquimal, existe apenas em dentes não irrupcionados.
Cordão gubernacular:
Faixa de tecido fibroso contendo remanescentes da lâmina dentária;
Liga o folículo a mucosa oral;
Osteoclastos aumentam o canal;
Avaliação do desenvolvimento radicular:
 10 estágios de Nolla para dentes permanentes
Estágio 6 de Nolla = início dos movimentos eruptivos;
Após estágio 6 de Nolla do permanente sucessor = Acelera a erupção.
Antes do estágio 6 de Nolla do permanente sucessor = retarda a erupção.
RIZÓLISE E ESFOLIAÇÃO:
ESFOLIAÇÃO: queda dos elementos dentários decíduos;
RIZÓLISE: reabsorção das raízes dos dentes decíduos, para que ocorra a erupção dos dentes permanentes.
Inicia 1 a 3 anos após o término da formação radicular;
Dentes incisivos, caninos permanentes se desenvolvem em posição lingual aos dentes decíduos e erupcionam em direção oclusal e vestibular;
Reabsorção na porção lingual da raiz.
PARTE DA CÂMARA PULPAR PERMANECE INTACTA
Pré- molares permanentes desenvolvem-se em posição lingual e posteriormente acomodam-se entre as raízes. Irrompem em direção oclusal;
Reabsorção na porção interna da raiz.
REABSORÇÃO DA CÂMARA PULPAR, DENTINA CORONÁRIA E ALGUMAS VEZES ESMALTE
Período de reabsorção ativa sucedido por um período maior de repouso. Durante período de repouso há processo de reparação;
Reabsorção dos tecidos mineralizados (cemento, dentina, esmalte): ODONTOCLASTOS
Reabsorção Ativa da Raiz: 
Polpa coronária normal;
Odontoblastos alinhados na superfície da pré-dentina;
Superfície da raiz: 
presença de fibroblastos;
cementoblastos e macrófagos;
odontoclastos;
Reabsorção quase completa da raiz: 
Degeneração dos odontoblastos;
Células mononucleares se fundem formando células multinucleadas: os odontoclastos; 
Presença de cementoblastos.
Fase de Repouso:
Migração dos odontoclastos; 
Células pulpares depositam tec. semelhante ao cemento.
ESFOLIAÇÃO
PRINCIPAL FATORES QUE GERAM A REABSORÇÃO: ERUPÇÃO DOS ELEMENTOS DENTÁRIOS PERMANENTES, crescimento da face e ossos maxilares, maior tamanho e força dos músculos da mastigação.
Ausência de dentes permanentes = esfoliação mais lenta.
Reabsorção de tecidos não mineralizados (polpa. ligamento periodontal): APOPTOSE
Cementoblastos e odontoblastos morrem.
Fibroblastos morrem para ocorrer a reabsorção do ligamento periodontal; fibras se desorganizam.
Distúrbios causados pela rizólise:
Cistos de erupção / hematoma de erupção
Espaço folicular preenchido por líquido/sangue
Retenção prolongada de decíduosAtraso na reabsorção do dente decíduo
Atraso na erupção do permanente
Anquilose
Fusão do osso alveolar com o cemento ou com a dentina; dente fica abaixo do plano oclusal
Inflamação Pulpar
A presença de inflamação pulpar pode acelerar o processo de rizólise