RESPOSTAS QUESTÕES DO LIVRO: Textos básicos de Filosofia (Danilo Marcondes).
6 pág.

RESPOSTAS QUESTÕES DO LIVRO: Textos básicos de Filosofia (Danilo Marcondes).


DisciplinaFilosofia63.219 materiais1.950.139 seguidores
Pré-visualização2 páginas
CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO DO CEARÁ
CURSO DE GRADUAÇÃO EM PSICOLOGIA
DISCIPLINA: FILOSOFIA
QUESTÕES DO LIVRO: Textos básicos de Filosofia (Danilo Marcondes).
ALUNA:
REJANE CUNHA FREITAS
Prof. Msc. RAFAEL BRITTO DE SOUZA
Abril
2016
RESPOSTAS ÀS QUESTÕES EXTRAÍDAS DO LIVRO:
MARCONDES, D. Textos básicos de Filosofia: dos pré-socrárticos a Wittgenstein. 3°ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.
Capítulo Pré-Socráticos 
Questões e temas para discussão (p. 14):
1. Em que sentido, a partir do texto, podemos entender o caráter monista da filosofia de Parmênides?
Resposta: Parmênides e os eleatas (de Eléia) defendiam uma posição caracterizada como monista, ou seja, a doutrina da existência de uma realidade única. Assim, Parmênide defendia a totalidade do real para além do movimento, ou seja, para ele existia uma unidade subjacente à diversidade das coisas, para encontrá-lo o homem deveria seguir a via do pensamento, em vez da via da opinião (mutável e variável). Portanto, o caráter monista de sua filosofia vem da perpectiva de uma realidade única, imóvel, eterna, imutável, sem princípio, nem fim, contínua e indivisível, que é subjacente à pluralidade dos fênomenos. Para ele, através do pensamento, devemos buscar a essência da realidade, aquilo que permanece na mudança.
2. Como Parmênides caracterizava o caminho da verdade por oposição ao caminho da opinão?
Resposta: Parmênides afirma que para poder pensar o ser, conhecê-lo, o homem deve seguir o caminho da verdade, isto é, do pensamento, da razão e afastar-se do caminho da opinião, formada por seus hábitos, percepções, impressões sensíveis, que são ilusórias, imprecisas, mutáveis. 
3. Qual o sentido da distinção entre realidade e aparência em Parmênides?
Resposta: À Parmênides é atribuída a introdução da noção de realidade e aparência. Isso, porque ele caracterizou o movimento apenas como aparente, como um aspecto superficial das coisas. Ele defendeu que através do pensamento devemos buscar a essência da realidade, aquilo que permance na mudança. Assim, ele propõe um argumento lógico contra o mobilismo, de que a noção de movimento, pressupõe a noção de permanência como mais básica. Portanto, o movimento não pode ser tomado como mais básico, como primitivo ou definidor do real. Cabe destacar que movimento aqui refere-se a mudança \u2013 nascer, morrer, mudar a qualidade ou a quantidade. Desse modo, só posso entender a mudança se há algo de essencial que permanece e me permite identificar o objeto como o mesmo.
4. Comente o fragmento 3: \u201cPois pensar e ser é o mesmo.\u201d
Resposta: Parmênides ao afirmar que \u201cpensar e ser é o mesmo\u201d significa que a racionalidade do real e a razão humana são da mesma natureza, o que permite o homem pensar o ser. Ele afirma que o ser é esférico, neste caso, a esfera representa o caráter pleno e perfeito do real. 
5. Compare a afirmação de Parmênides de que \u201co ser é, o não-ser não é\u201d com a concepção de Heráclito da realidade como mutável.
Resposta: Parmênides ao afirmar que \u201co ser é, o não-ser não é\u201d formula uma versão inicial da lei da identidade, um princípio lógico-metafísico que consiste em caracterizar a realidade em seu sentido mais profundo como algo de imutável; exclui assim o movimento e a mudança como aquilo que não é, porque deixou de ser o que era, e não veio a ser ainda o que será, e portanto, não é nada; por isso, apenas o permanente e imutável pode ser caracterizado como o ser. Isso, se contrapõe a concepção de Heráclito da realidade como mutável, ou seja, o movimento, ou seja, todas as coisas estando em fluxo, como a questão mais básica do entendimento do real.
Capítulo Pré-Socráticos 
Questões e temas para discussão (p. 17):
1. Destaque os princípios fragmentados que representam a valorização por Heráclito do movimento como característica fundamental da realidade.
Resposta: Heráclito é considerado o principal representante do mobilismo, isto é, da concepção segundo a qual a realidade natural se caracteriza pelo movimento. Dessa forma, sua visão de realidade é profundamente dinâmica, encontrando a unidade na multiplicidade. Os principais fragmenos que representam essa visão são: 31; 36; 59; 60; 88.	
2. Qual a importância, nesse sentido, do fogo como elemento primordial para Heráclito?
Resposta: O fogo é tomado por Heráclito como elemento primordial. Para ele, o fogo era o princípio eterno e imutável que está na origem da Natureza e de suas transformações ou, pelo menos enquanto chama, energia que queima e se autoconsome, simbolizando o caráter dinâmico da realidade. 
Identifique os principais fragmentos em que o \u201cconflito de opostos\u201d está presente.
Resposta: Heráclito vê a realidade marcada pelo conflito entre opostos, conflito que todavia não possui um caráter negativo, sendo garantia de equilíbrio, através da equivalência e reunião dos opostos. Um conflito de oposto caracteriza a unidade na pluralidade ou unidade dos opostos. Os principais fragmentos em que o \u201cconflito de opostos\u201d está presente são: 10, 62; 67.
Como Heráclito caracteriza a noção de logos?
Resposta: como princípio unificador do real e elemento básico da racionalidade do cosmo. Conforme descrito no fragmento 50: \u201cSe ouvirem não a mim, mas ao logos, provarão ser sábios se admitirem que tudo é um\u201d.
Que fragmentos representam a \u201crelatividade\u201d de nossa experiência da realidade?
Resposta: O fragmento 91: \u201cNão se pode entrar duas vezes no mesmo rio. Dispersa-se e se junta novamente, aproxima-se e se distancia\u201d. Este fragmento sintetiza a ideia de fluxo, simboliza o rio que representa o movimento encontrado em todas as coisas. Alguns intérpretes identificaram nessa metáfora a impossiblidade de um acesso mais permanente ao real, já que este encontra-se em constante mudança. Daí a ideia de \u201crelatividade\u201d da nossa experiência, elas não forneceriam uma validade intrínsecas, apenas um valor relativo, subjetivo, de acordo com diferenças na percepção.
Capítulo Aristóteles 
Questões e temas para discussão (p. 56):
O CONHECIMENTO
1. Como Aristóteles explica o ponto de partida do conhecimento?
Resposta: Para Aristóteles o processo do conhecimento é mais linear do que a visão de Platão. Não há rupturas, ao contrário, trata-se de um processo cumulativo, em que passo a passo progredimos da etapa anterior para a seguinte com base no conhecimento já obtido. Para ele o processo inicia-se com os sentidos e sensações, apresenta como evidência o prazer que os sentidos nos trazem. Aristóteles vê os sentidos como pontos de partida do processo de conhecimento e indispensáveis para esse processo.
2. Qual a relação entre os sentidos e a memória segundo Aristóteles?
Resposta: Mesmo sendo os sentidos relevantes como pontos de partida para o conhecimento, Aristóteles considera-os insuficientes, pois seu contato com o real é instatâneo e direto, esgotando-se nesse próprio contato. Por isso, a necessidade da memória como capacidade de retenção dos dados sensoriais para que o processo de conhecimento vá adiante.
3. Como Aristóteles explica a diferença entre a \u201carte\u201d (techne) e a ciência?
Resposta: A techne é o trabalho do do artífice ou do artesão, consiste não apenas de um conhecimento pratico, mas um conhecimento das regras que permite produzir determinados resultados. Aristóteles explica que na techne, sabe-se \u201co porquê das coisas\u201d, ou seja pode-se determinar a causa. Enquanto a ciência, a última etapa do processo do conhecimento, trata do conhecimento real em seu sentido mais abstrato e genérico, o conhecimento de conceitos e princípios. Aristóteles explica que a ciência caracteriza-se por um saber contemplatico, definindo-se pela visão da verdade e por não ter objetivos práticos ou fins imediatos. Trata-se de uma finalidade em si mesma que satisfaz o desejo do homem de conhecer.
4. Como você interpreta a afirmação de Aristóteles de que \u201co sinal do saber está em poder ensinar\u201d?
Resposta: Essa afirmação é feita no contexto em que Aristóteles explica a techne, comparativamente com a experiência, ele
Mayara
Mayara fez um comentário
Bom
0 aprovações
Carregar mais