A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
16 pág.
exercicio de historiografia

Pré-visualização | Página 5 de 6

COLONIAL BRASILEIRA É O REFLEXO DE SUA BASE MATERIAL", CAIO PRADO JÚNIOR ESTAVA UTILIZANDO COMO FERRAMENTA TEÓRICA DE ANÁLISE DO PASSADO O (A):
		
	
	NOVA HISTÓRIA CULTURAL
	
	POSITIVISMO
	
	SOCIALISMO REAL
	
	HISTORICISMO
	 
	MATERIALISMO HISTÓRICO
		
	1a Questão (Ref.: 201306277210)
	
	Em 1920, depois de ter publicado livros como A Máquina do Tempo, O Homem Invisível e A Guerra dos Mundos, o escritor inglês H. G. Wells publicou The Outline of History (Esboço de uma História Universal). No mesmo ano, o historiador Marc Bloch escreveu uma longa resenha sobre essa obra, da qual foram destacadas as passagens a seguir.
"Diante de um livro semelhante, duas atitudes são admissíveis. Pode-se se dedicar a apontar um a um os erros dos detalhes: eles existem. [...] Ou, tomando-o absolutamente pelo que ele é e pelo não poderia ser, ou seja, uma obra tecnicamente imperfeita de um homem muito inteligente, pode-se procurar retirar dela as ideias mestras e evidenciar as tendências do espírito que ela revela. O trabalho crítico que está na base de nossas pesquisas evidentemente lhe é completamente estranho. Infelizmente sua obra está viciada por um defeito muito grave. Sua atitude diante do passado que ele examina com tanto ardor não é nunca a de um homem de ciência; porque o homem de ciência procura conhecer e compreender; ele não julga. O Sr. Wells julga sem parar. [...] Pode-se ser impunemente filho desse país onde desde séculos todos os movimentos liberais ou revolucionários são tingidos de puritanismo, onde quase tudo o que se fez de grande saiu do pregador? [...] Ele podia ser historiador. Cedendo a não sei que instinto hereditário, frequentemente ele foi apenas pregador". (BLOCH, M. Une nouvelle histoire universelle: H. G. Wells historien. In BLOCH,M. L´Histoire, la Guerre, la Résistance. Paris: Gallimard, 2006. p. 319-334).
 
A argumentação de Marc Bloch reporta-se a importantes questões relacionadas ao conhecimento histórico. De acordo com as ideias expostas nesses fragmentos, a razão que levava Marc Bloch a não reconhecer valor de obra histórica ao Esboço de uma História Universal pode ser atribuída
		
	 
	aos abundantes recursos criadores do romancista, que levavam a imaginação a substituir o conhecimento dos fatos resultantes da pesquisa nos arquivos.
	
	à recusa de uma prática diletante, que se fundava em opiniões pouco autorizadas e concentrava a atenção nos eventos políticos e militares.
	 
	à ausência de procedimentos que poderiam assegurar a objetividade da exposição e controlar a interferência da formação cultural do autor.
	
	ao combate que naquele momento a historiografia acadêmica travava com seu principal opositor, o ensaísmo histórico praticado pelos ingleses.
	
	à aplicação inadequada do método histórico na crítica interna e externa dos documentos, o que poderia ter evitado os erros factuais da obra.
		 Gabarito Comentado.
	
	
	 2a Questão (Ref.: 201306195284)
	
	Marque a alternativa que melhor identifica uma importante diferença entre a historiografia brasileira dos anos 1930 e a historiografia produzida no IHGB:
		
	
	A principal diferença consiste no maior valor dado pelos autores dos anos 1930 à compreensão dos processos políticos que marcam a sociedade brasileira. Já os intelectuais do IHGB, como Capistrano, defendiam que os aspectos sociais eram fundamentais para compreender a nação brasileira.
	
	A historiografia dos anos 1930 é marcada pelo isolamento: buscava-se entender o Brasil a partir de referências puramente nacionais. Já a escrita da história desenvolvida no IHGB valorizava o diálogo com a produção historiográfica de outros países.
	
	A historiografia dos anos 1930 foi marcada pelo nacionalismo do governo Vargas, enquanto a historiografia produzida nos quadros do IHGB pode ser caracterizada como independente em relação aos interesses do Império Brasileiro.
	 
	Uma importante diferença é o fato da historiografia dos anos 30 trabalhar com a noção de civilização brasileira, enquanto a historiografia do século XIX, notadamente o IHGB, tinha como noção-chave a ideia de nação brasileira.
	 
	Enquanto a historiografia produzida no Instituto Histórico percebia o Brasil como a integração de três raças, os historiadores dos anos 30 valorizavam o elemento português como símbolo da civilização brasileira.
		
	
	
	 3a Questão (Ref.: 201306590535)
	
	A partir da década de 1930, podemos verificar uma crescente influência da historiografia francesa no Brasil. Essa presença está relacionada à Escola dos Annales e suas propostas para uma nova atitude do historiador no estudo do passado. Entre as influências dessa escola podemos destacar, EXCETO:
		
	
	alteração das temáticas, problemas, abordagens e objetos no trabalho do historiador, através da valorização da história econômica e social.
	
	a emergência de novos atores sociais, como no Brasil após 1930, tornou indispensável se lançar na procura dos modelos teóricos que possibilitassem captar essa nova realidade histórica.
	
	o fazer história como ciência desafiou a constituição de produzir um entendimento sobre os sujeitos históricos em suas diversas manifestações.
	 
	o conhecimento histórico se tornou dinâmico, por causa da aproximação em relação às demais ciências sociais, tais como a antropologia e a sociologia.
	 
	a escola dos Annales foi marcada pela tentativa de afirmar a visão positivista da história, como crônica de acontecimentos, com o propósito de tornar compreensível as dimensões do passado por meio do estudo das mentalidades.
		
	
	
	 4a Questão (Ref.: 201306252886)
	
	SEGUNDO FERNANDO NOVAIS E ROGÉRIO DA SILVA, "A NOVA HISTÓRIA CARACTERIZA-SE, PORTANTO, PELA AMPLA ABERTURA TEMÁTICA, E ESTA É A SUA GRANDEZA". (NOVAIS, FERNANDO A.; SILVA, ROGÉRIO FORASTIERI DA (ORG.) . NOVA HISTÓRIA EM PERSPECTIVA. VOLUME 1. SÃO PAULO: COSAC NAIFY, 2011, PP. 33)
SOBRE A INFLUÊNCIA DA NOVA HISTÓRIA FRANCESA NA HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA, PODEMOS AFIRMAR QUE:
		
	
	ALINHADA A ESSA NOVA TENDÊNCIA, AS UNIVERSIDADES BRASILEIRAS INVESTIRAM NA PESQUISA QUANTITATIVA E VOLTADA PARA A HISTÓRIA ECONÔMICA.
	
	HOUVE UMA SIGNIFICATIVA RUPTURA COM A TENDÊNCIA CULTURAL ORIUNDA DA INFLUÊNCIA DA ESCOLA DOS ANNALES.
	
	PREDOMINOU A ANÁLISE MARXISTA, BASEADA NO MÉTODO CONHECIDO COMO MATERIALISMO HISTÓRICO.
	
	A HISTORIOGRAFIA BRASILEIRA NÃO FOI MUITO AFETADA POR ESSA NOVA ABORDAGEM DA HISTÓRIA, POIS ESTAVA MAIS INCLINA AO NEW CRITICISM INGLÊS.
	 
	AMPLIARAM-SE OS OBJETOS DE PESQUISA ATRAVÉS DO DIRECIONAMENTO DO OLHAR PARA A VIDA COTIDIANA E AS FORMAS DE PENSAR.
		
	
	
	 5a Questão (Ref.: 201306280547)
	
	Qual das opções abaixo apresenta os principais propósitos da escola de Annales?
		
	 
	Romperam com as abordagens positivistas que não permitiam análises mais densas, pautadas no processo histórico, e, para isso, incorporaram os métodos das Ciências Sociais à História.
	
	Promoveram o estudo das mentalidades para melhor analisar a relação entre História, Positivismo, Antropologia e Cultura.
	
	Incentivaram estudos políticos, principalmente aqueles relativos às biografias dos reis.
	 
	Fundaram a "história problema", assim chamada porque incorporou a estatística à História Demográfica.
	
	Romperam com as análises dos processos de longa duração e preocuparam-se em compreender exclusivamente o fato histórico.
		
	
	
	 6a Questão (Ref.: 201306195291)
	
	Marque a alternativa que melhor identifica a importância dos Annales para a historiografia brasileira:
		
	
	Sua importância reside no diálogo que manteve com as instituições brasileiras, em especial o Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro.
	 
	Sua importância reside no fato de ter estimulado o diálogo com outras áreas do conhecimento,