A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
3 pág.
AV1   Filosofia jurídica

Pré-visualização | Página 1 de 1

Avaliação: CCJ0136_AV_201502045826 » FILOSOFIA JURÍDICA
Tipo de Avaliação: AV
Aluno: 201502045826 - JOSE MARCLEUDO SILVA DE ALMEIDA
Professor: ERICA SENNA ULYSSEA
 
Turma: 9010/AJ
Nota da Prova: 5,0 Nota de Partic.: 0 Av. Parcial 2 Data: 08/06/2018 17:20:03
 
 1a Questão (Ref.: 201504631344) Pontos: 1,0 / 1,0
Considere a seguinte afirmativa: "A filosofia utiliza primordialmente a razão". Essa
sentença está CORRETA?
Não, em primeiro lugar está a sensação, o dado empírico.
 Sim, primordialmente é pela razão que a filosofia ergue suas considerações.
Não, em primeiro lugar está a fé.
Depende da situação concreta.
Sim e não, porque em Filosofia a dúvida está presente e atrapalha tudo.
 
 2a Questão (Ref.: 201504631351) Pontos: 0,0 / 1,0
Para Aristóteles, as virtudes éticas são hábitos que se apresentam na(o):
 Satisfação total dos apetites.
Libertação de estímulos externos.
 Realização do dever moral.
Risco real de morte.
Justa-medida ou meio-termo.
 
 3a Questão (Ref.: 201504874411) Pontos: 1,0 / 1,0
Em Filosofia do Direito, Hegel afirma que a liberdade
só é possível pela subordinação do Estado.
 consiste na identidade do interesse particular (da família e da sociedade civil) com o interesse geral (do
Estado).
só é possível pela subordinação dos indivíduos ao poder do Estado.
consiste na subordinação dos indivíduos ao poder da razão.
consiste no reconhecimento racional pelos indivíduos do que representa o interesse universal do Estado
 
 4a Questão (Ref.: 201504631354) Pontos: 0,0 / 1,0
Conforme palavras do próprio Kelsen: "Norma é o sentido de um ato por meio do qual uma conduta é
prescrita, permitida ou, especialmente, facultada, no sentido de adjudicada à competência de alguém.
Neste ponto importa salientar que a norma, como o sentido específico de um ato intencional dirigido à
conduta de outrem, é qualquer coisa de diferente do ato de vontade cujo sentido ela constitui. Na
verdade, a norma é um dever-ser e o ato de vontade de que ela constitui o sentido é um ser." Diante
disso e tendo em conta o que você aprendeu sobre o normativismo kelseniano, aponte a opção correta:
Para o autor, a norma que confere validade a todo o sistema jurídico ou conjunto de normas é a
norma fundamental que se confunde com a Constituição, já que ambas são postas e impostas.
Kelsen não reconhece a distinção entre normas jurídicas e proposições normativas.
 Para Kelsen, a norma é o sentido de um ato através do qual uma conduta é prescrita, permitida ou,
especialmente, facultada, no sentido de adjudicada à competência de alguém.
Kelsen, enquanto jusnaturalista, reduz o Direito à norma, mas desenvolve a noção de Direito
objetivo enquanto coisa devida e a de justiça como Direito Natural.
 Para Kelsen, as normas jurídicas são juízos, isto é, enunciados sobre um objeto dado ao conhecimento. São
apenas comandos do ser.
 
 5a Questão (Ref.: 201504631357) Pontos: 1,0 / 1,0
Assinale a opção correspondente ao imperativo categórico de Kant.
Age de tal modo que a tua ação atenda ao princípio da razão e da igualdade entre os homens.
Age de tal modo que tua ação respeite as regras estabelecidas pela comunidade em que tu vives.
Age de tal modo que a tua ação esteja de acordo com os mandamentos de Deus.
 Age de tal modo que a máxima de tua ação possa ser sempre erigida em princípio de uma
legislação universal.
Age de tal modo que a tua ação esteja de acordo com os mandamentos de Mohamed.
 
 6a Questão (Ref.: 201504631447) Pontos: 0,0 / 1,0
Kant, na introdução de sua obra Fundamentação da Metafísica dos Costumes afirma: "Neste mundo e até também
fora dele, nada é possível pensar que possa ser considerado como bom sem limitação a não ser uma só coisa: uma
boa vontade."
 Tendo em vista a Ética Kantiana e o trecho, pode-se acertadamente dizer que:
As regras morais esgotam-se nos dez mandamentos da Lei mosaica.
 A utilidade ou inutilidade de alguma coisa em nada pode tirar o valor do bem.
A submissão ao dever e autonomia da vontade do querer se contradizem e são incompatíveis.
 Devemos agir de tal modo que o princípio da nossa ação se transforme em princípio particular da
ação humana.
Devemos fazer o bem porque ele nos traz benefícios.
 
 7a Questão (Ref.: 201504631454) Pontos: 0,0 / 1,0
Para John Rawls, dois ¿princípios de justiça¿ emergem na posição original através de um acordo unânime. A partir
daí podemos afirmar que:
 I - Cada pessoa tem um direito igual a um esquema plenamente adequado de liberdades básicas iguais que seja
compatível com um esquema similar de liberdade para todos;
 II - As desigualdades sociais e econômicas devem satisfazer duas condições;
 III - Primeiro, elas devem estar associadas a cargos e posições abertos a todos em condições de igualdade
equitativa de oportunidades;
 IV - Segundo, elas devem ser para o maior benefício dos membros menos favorecidos da sociedade.
 Das assertivas acima são corretas somente:
I e III
I e II
 I, III e IV
 I, II e III
 I, II, III e IV
 
 8a Questão (Ref.: 201504631464) Pontos: 1,0 / 1,0
Leia a trecho a seguir:
A Corte Constitucional deve ¿entender a si mesma como protetora de um processo legislativo democrático, isto é,
como protetora de um processo de criação democrática do direito, e não como guardiã de uma suposta ordem
suprapositiva de valores substanciais. A função da Corte é velar para que se respeitem os procedimentos
democráticos para uma formação da opinião e da vontade políticas de tipo inclusivo, ou seja, em que todos possam
intervir, sem assumir a mesma o papel de legislador político¿. (Más Allá del Estado Nacional. Madrid: Trotta, 1997,
p. 99)
O trecho citado, acerca da postura de um Tribunal Constitucional durante o seu processo de interpretação da
Constituição, corresponde à obra e concepção:
Mista de John Hart Ely de democracia.
Moral contratual de Locke, com base no direito de resistência.
 Procedimental de Jürgen Habermas da teoria do discurso.
Procedimental de John Rawls do fórum público de princípios.
Contratual com base na democracia indireta não participativa rousseauniana.
 
 9a Questão (Ref.: 201504945058) Pontos: 0,0 / 1,0
John Locke acreditava que o homem era uma criatura naturalmente "racional e social", com inclinação para o bem
e um forte senso de amor ao próximo e empatia pela dor alheia. Nesse sentido, o que motivaria o homem natural
de Locke a se sujeitar ao contrato social?
 O homem natural para Locke, apesar de racional, não era invariavelmente "bom". O amor próprio e o
egoísmo ainda faziam parte de sua índole. Isso prejudicaria o estabelecimento de uma sociedade
harmoniosa sem que houvesse uma entidade de mediação de conflitos.
O texto engana-se. O homem natural de Locke jamais se sujeitaria ao contrato social, já que as liberdades
individuais do homem natural não seriam abandonadas.
Nenhuma resposta está correta.
 A perpetuação da paz natural que o ser humano e suas relações sociais proporcionavam no estado de
natureza.
O contrato social implicava o abandono da selvageria e da barbárie em que o homem vivia.
 
 10a Questão (Ref.: 201504945054) Pontos: 1,0 / 1,0
O contratualismo é uma escola de pensamento a partir da qual várias interpretações sobre a natureza humana e o
surgimento das sociedades civis foram concebidas. Para os contratualistas, o ser humano:
 vivia em um estado de natureza anterior às organizações sociais ou políticas que temos hoje.
era um animal desprovido de qualquer tipo de capacidade de relação social.
sempre viveu em uma sociedade hierarquizada
era como uma tábula rasa, pois nascia completamente desprovido de qualquer tipo de ideia ou consciência.
era o único ser vivo do planeta capaz de manter relações sociais.
Período de não visualização da prova: desde 05/06/2018 até 19/06/2018.