A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
Tempos Modernos

Pré-visualização | Página 50 de 50

e à ansiedade por não 
sermos capazes de tudo conhecer e/ou adquirir; ao 
movimento incessante das ruas e à sensação de soli-
dão que experimentamos mesmo cercados por uma 
multidão; ao prazer de saber que não somos vigiados 
por nossos conhecidos e ao medo de não sermos co-
nhecidos por ninguém; à sensação de liberdade ao 
caminharmos sem explicar por que estamos vestidos 
assim ou assado, e ao receio de não sermos socorri-
dos por alguém, caso necessitemos. Aproximação e 
distanciamento são duas faces da mesma moeda. São 
PNLD 2015 - FGV TemPoS De SocioLoGia
5ª ProVa
elbert
FGS_102_113_Parte_II_Cap07.indd 108 5/29/13 1:43 PM
Capítulo 7 – A metrópole acelerada 109
O significado sociológico 
da semelhança e da 
diferença entre indivíduos
Acima de tudo o significado prático do ser huma-
no é determinado por meio da semelhança e da diferen-
ça. Seja como fato ou como tendência, a semelhança 
com os outros não tem menos importância que a dife-
rença com relação aos demais; semelhança e diferença 
são, de múltiplas maneiras, os grandes princípios de 
todo o desenvolvimento externo e interno. Desse modo, 
a história da cultura da humanidade deve ser apreendi-
da pura e simplesmente com a história da luta e das 
tentativas de conciliação entre esses dois princípios. 
Bastaria dizer que, para a ação no âmbito das relações 
do indivíduo, a diferença perante outros indivíduos é 
muito mais importante do que a semelhança entre eles. 
A diferenciação perante outros seres é o que incentiva e 
determina em grande parte a nossa atividade. Precisa-
mos observar as diferenças dos outros [...].
É compreensível que esse interesse na diferença do 
que se possui expande-se conceitualmente para todas as 
relações do indivíduo. Pode-se dizer que, ante uma igual-
dade no geral que é tão importante objetivamente como 
uma diferença, para o espírito subjetivo, a primeira [igual-
Leitura complementar
dade] existirá mais na forma inconsciente, e a segunda 
[diferença], mais na forma consciente. [...] O interesse 
pela diferenciação chega a ser grande o suficiente para 
produzi-la na prática, mesmo onde não haja nenhum 
motivo objetivo para isso. Percebe-se, assim, que associa-
ções – desde grupos legislativos até agremiações com 
fins de diversão – com pontos de vista e objetivos unifica-
dos, após algum tempo, se desmembram em facções que 
se relacionam entre si da mesma maneira que, quando 
unidos, se mobilizariam contra um grupo de tendência 
radicalmente diferente. É como se cada individualidade 
sentisse seu significado tão somente em contraposição 
com os outros, a ponto de essa contraposição ser criada 
artificialmente onde antes não existia. [...]
SIMMEL, Georg. Questões fundamentais da Sociologia: indivíduo e 
sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006. p. 45-47.
Professor, na p. 52 do Manual do Professor (Leitura complementar), você encontra comentários e sugestões para utilização deste texto nas aulas. 
Recomendamos o desenvolvimento das atividades 2 de Monitorando a aprendizagem e 2 de De olho no Enem.
Fique atento!
Conceitos sociológicos estudados neste capítulo.
Diferenciação social: no interior do Capítulo 2.
Metrópole: consulte a seção Conceitos sociológicos na página 
366.
Socialização: consulte a seção Conceitos sociológicos na página 
370.
Sessão de cinema
 Motoboys: vida loca
 Brasil, 2003, duração 52 min. Direção de Caíto Ortiz. 
 entrevistas com motoboys e uma motogirl, que fazem entregas pela cidade de São Paulo, revelam o 
dia a dia, as habilidades e os riscos da profissão, além dos sonhos desses trabalhadores. o docu-
mentário mostra como essa categoria de trabalhadores surgiu e como ela se tornou indispensável 
para alguns negócios na cidade.
 aquele cara
 Brasil, 2006, duração 6 min. Direção de Rafael Coutinho. 
 Nas ruas de uma cidade todas as pessoas têm um grande dedo polegar no lugar da cabeça, exceto 
uma. o que acontece a ela? Disponível em: <www.portacurtas.com.br>.
Professor, na p. 52 do Manual do Professor (Sessão de cinema), você 
encontra sugestões para trabalhar os filmes indicados.
Pr
od
ig
o 
Fi
lm
s/
Es
tú
di
os
 M
eg
a
PNLD 2015 - FGV TemPoS De SocioLoGia
5ª ProVa
elbert
FGS_102_113_Parte_II_Cap07.indd 109 5/29/13 1:43 PM
110 Parte II – A Sociologia vai ao cinema
Monitorando a aprendizageM 
1. impressionado com a variedade de estímulos que os moradores das cidades grandes do início 
do século XX tinham de enfrentar a cada dia, Georg Simmel analisou as habilidades que eles 
desenvolviam para lidar com essa situação. comparando a época em que viveu Simmel com 
os dias de hoje, alguma coisa mudou em sua opinião?
2. Leia o texto a seguir.
Professor, na p. 52 do Manual do Professor (Construindo seus conhecimentos), você 
encontra sugestões para desenvolvimento das atividades propostas.
Construindo seus conhecimentos?
 a tirinha mostra que o ser humano, na busca de atender suas necessidades e de se apropriar 
dos espaços,
 (A) adotou a acomodação evolucionária como forma de sobrevivência ao se dar conta de 
suas deficiências impostas pelo meio ambiente.
 (B) utilizou o conhecimento e a técnica para criar equipamentos que lhe permitiram com-
pensar as suas limitações físicas.
 (C) levou vantagens em relação aos seres de menor estatura, por possuir um físico bastan-
te desenvolvido, que lhe permitia muita agilidade.
 (D) dispensou o uso da tecnologia por ter um organismo adaptável aos diferentes tipos de 
meio ambiente.
 (E) sofreu desvantagens em relação a outras espécies, por utilizar os recursos naturais 
como forma de se apropriar dos diferentes espaços.
É interessante notar que o filme de Chaplin não localiza, em momento algum, em que cidade se passa a história narrada. É como se Tempos mo-
dernos pudesse ter como cenário qualquer metrópole industrial. O drama de Carlitos e dos demais personagens, seus surtos e desafios, poderiam 
ser os mesmos de qualquer habitante de uma grande cidade do mundo capitalista dos anos 1930. 
Simmel nos faz pensar sobre um interessante paradoxo: à medida que as metrópoles crescem aceleradamente, suas diferenças internas também 
aumentam, e isso as torna semelhantes em muitos aspectos. Por exemplo, há mais semelhanças entre os centros de negócios de São Paulo e 
Nova York – ambos com arranha-céus, espaços climatizados, clientes de terno e gravata – do que entre a rica Zona Norte de São Paulo e sua 
periferia. Do mesmo modo, Kibera e Darahvi – respectivamente as maiores favelas da África e da Ásia – têm mais semelhanças entre si do que 
com espaços de moradia e lazer reservados às elites do Quênia e da Índia.
a) aponte exemplos, além dos que foram citados no texto, que ajudam a refletir sobre esse 
processo de diferenciação e identificação entre os vários lugares do planeta
de olho no eneM
1. (Enem 2010) Gabarito: (B)
Ca
lvi
n 
& 
Ho
bb
es
, B
ill 
W
at
te
rs
on
 ©
 1
98
9 
W
at
te
rs
on
/D
is
t. 
by
 U
ni
ve
rs
al
 U
cl
ic
k
PNLD 2015 - FGV TemPoS De SocioLoGia
5ª ProVa
elbert
FGS_102_113_Parte_II_Cap07.indd 110 5/29/13 1:43 PM
Capítulo 7 – A metrópole acelerada 111
2. (Enem 2003) Gabarito: (C)
 em um debate sobre o futuro do setor de transporte de uma grande cidade brasileira com 
trânsito intenso, foi apresentado um conjunto de propostas.
 entre as propostas reproduzidas abaixo, aquela que atende, ao mesmo tempo, a implicações 
sociais e ambientais presentes nesse setor é
 (A) proibir o uso de combustíveis produzidos a partir de recursos naturais.
 (B) promover a substituição de veículos a diesel por veículos a gasolina.
 (C) incentivar a substituição do transporte individual por transportes coletivos.
 (D) aumentar a importação de diesel para substituir