Direito Processual Civil I
372 pág.

Direito Processual Civil I


DisciplinaDireito Processual Civil I43.148 materiais749.189 seguidores
Pré-visualização50 páginas
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
DIREITO	
  PROCESSUAL	
  CIVIL	
  I	
  
1	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Teoria	
  Geral	
  do	
  Processo	
  Civil	
  
2	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
3	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Meios	
  de	
  Solução	
  de	
  ConBlitos	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
REVISÃO	
  DOS	
  MEIOS	
  DE	
  SOLUÇÃO	
  DE	
  CONFLITOS	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f É	
   pressuposto	
   para	
   que	
   haja	
   necessidade	
   de	
   u<lização	
   de	
   um	
   meio	
   de	
   solução	
   de	
  
con\ufb02itos	
  a	
  existência	
  de	
  um	
  con\ufb02ito	
  de	
  interesses	
  (crise	
  no	
  plano	
  do	
  direito	
  material)	
  
ª\uf0aa\u202f Autotutela	
  \u2013	
  é	
  o	
  mais	
  an<go	
  meio	
  de	
  solução	
  de	
  con\ufb02itos,	
  vedado	
  atualmente	
  pelo	
  art.	
  
345,	
  Código	
  Penal	
  
ª\uf0aa\u202f Atualmente	
  a	
  autotutela	
  é	
  uma	
  exceção,	
  prevista	
  de	
  forma	
  expressa	
  em	
  determinadas	
  
hipóteses	
  no	
  ordenamento	
  jurídico	
  (ver	
  arts.	
  578	
  e	
  644	
  e	
  art.	
  1.210,	
  Código	
  Civil)	
  
ª\uf0aa\u202f Autocomposição	
  \u2013	
  permi<da	
  atualmente,	
  pode	
  se	
  dar	
  de	
  forma	
  unilateral	
  ou	
  bilateral,	
  
através	
   da	
   desistência,	
   submissão	
   ou	
   transação,	
   podendo	
   ocorrer	
   de	
   forma	
  
extraprocessual	
  ou	
  endoprocessual	
  
ª\uf0aa\u202f Heterocomposição	
  \u2013	
  caracteriza-­\u2010se	
  pela	
  presença	
  de	
  um	
  sujeito	
  estranho	
  ao	
  con\ufb02ito	
  de	
  
interesses,	
  tendo	
  como	
  seu	
  principal	
  expoente	
  a	
  jurisdição	
  
4	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Jurisdição	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
REVISÃO	
  DA	
  JURISDIÇÃO	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f Para	
   compreensão	
   da	
   jurisdição	
   é	
   essencial	
   a	
   compreensão	
   da	
   Teoria	
   de	
   CarneluX,	
  
u<lizando-­\u2010se	
  os	
  conceitos	
  de	
  pretensão	
  e	
  lide	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  que	
  é	
  pretensão?	
  Pretender,	
  para	
  a	
  doutrina	
  italiana,	
  é	
  a\ufb01rmar	
  a	
  <tularidade	
  de	
  um	
  
direito.	
   Passa	
   a	
   ser	
   a	
   expecta<va	
  de	
  que	
   a	
   futura	
   sentença	
   venha	
   a	
   reconhecer-­\u2010lhe	
   a	
  
existência	
  
ª\uf0aa\u202f CarneluX	
  trabalha	
  sua	
  teoria	
  baseada	
  no	
  conceito	
  de	
  lide	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  que	
  é	
  a	
   lide?	
  É	
  o	
  con\ufb02ito	
  de	
   interesses	
  quali\ufb01cado	
  por	
  uma	
  pretensão	
  resis<da,	
  ou	
  
seja,	
  um	
  con\ufb02ito,	
  que	
  deverá	
  ser	
  dirimido	
  (resolvido)	
  pelo	
  Poder	
  Judiciário	
  
ª\uf0aa\u202f Trata-­\u2010se	
  do	
  núcleo	
  do	
  processo	
  civil,	
  é	
  a	
  meta	
  de	
  sua	
  existência	
  \u2013	
  a	
  resolução	
  da	
   lide,	
  
compor	
  a	
  lide,	
  conforme	
  o	
  ordenamento	
  jurídico	
  
ª\uf0aa\u202f Contudo,	
   a	
   lide	
   não	
   é	
   pressuposto	
   para	
   a	
   existência	
   do	
   processo,	
   segundo	
   crí<ca	
   de	
  
doutrina	
  mais	
  contemporânea,	
  pois	
  não	
  explicaria	
  o	
  fenômeno	
  da	
  jurisdição	
  voluntária	
  
5	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Jurisdição	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
REVISÃO	
  DA	
  JURISDIÇÃO	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f Jurisdição	
  é	
  o	
  poder	
  de	
  conhecer	
  e	
  decidir	
  com	
  autoridade	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f É	
  o	
  poder	
  das	
  autoridades	
  judiciárias	
  regularmente	
  inves<das	
  no	
  cargo	
  de	
  
\u201cdizer	
  o	
  direito\u201d	
  no	
  caso	
  concreto	
  
ª\uf0aa\u202f O	
   ato	
   jurisdicional	
   é	
   pra<cado	
   pela	
   autoridade	
   estatal,	
   através	
   de	
   um	
  
terceiro	
  imparcial	
  
ª\uf0aa\u202f Não	
  é	
  a	
  subs<tu<vidade	
  que	
  de\ufb01ne	
  a	
   jurisdição,	
  mas	
  sua	
   imparcialidade,	
  
con\ufb01gurando-­\u2010se	
  como	
   jurisdição	
  o	
  que,	
  para	
  algumas	
  doutrinas,	
  não	
  era,	
  
como	
  é	
  o	
  caso	
  da	
  jurisdição	
  voluntária	
  
6	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Jurisdição	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
REVISÃO	
  DA	
  JURISDIÇÃO	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f É	
   a	
   função	
   soberana,	
   que	
   tem	
   por	
   \ufb01nalidade	
   estabelecer,	
   mediante	
  
provocação	
   do	
   interessado	
   ou	
   de	
   quem	
   tem	
   o	
   dever	
   de	
   provocar,	
   a	
  
aplicabilidade	
  de	
  determinada	
  norma	
  jurídica	
  
ª\uf0aa\u202f É	
   função	
   de	
   exercício	
   reservado,	
   observados	
   determinados	
   princípios	
   e	
  
critérios	
  formais	
  
ª\uf0aa\u202f É	
  a	
  faculdade	
  que	
  o	
  Poder	
  Judiciário	
  tem	
  de	
  pronunciar	
  concretamente	
  a	
  
aplicação	
  do	
  direito	
  obje<vo	
  
ª\uf0aa\u202f A	
  função	
  estatal	
  de	
  aplicar	
  as	
  normas	
  da	
  ordem	
  jurídica	
  em	
  relação	
  a	
  uma	
  
pretensão	
   7	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Jurisdição	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
REVISÃO	
  DA	
  JURISDIÇÃO	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  ato	
  jurisdicional	
  é	
  pra<cado	
  pela	
  autoridade	
  estatal	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  juiz	
  o	
  realiza	
  como	
  dever-­\u2010função,	
  sendo	
  inafastável,	
  nos	
  termos	
  do	
  art.	
  
5º,	
  inc.	
  XXXV,	
  CF88	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  ato	
  jurisdicional	
  tem	
  como	
  condição	
  um \u201cterceiro	
  imparcial\u201d	
  
ª\uf0aa\u202f O	
  juiz	
  é	
  esse	
  terceiro	
  imparcial	
  relação	
  ao	
  interesse	
  sobre	
  o	
  qual	
  recai	
  sua	
  
a<vidade	
  
ª\uf0aa\u202f Trata-­\u2010se	
  de	
  a<vidade	
  do	
  estado	
  com	
  e\ufb01cácia	
  vincula<va	
  
ª\uf0aa\u202f É	
  função	
  exclusiva	
  do	
  Poder	
  Judiciário	
  
8	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Direito	
  Processual	
  e	
  Direito	
  Material	
  
Conceitos	
  Fundamentais	
  
DIREITO	
  MATERIAL	
  
	
  
Conjunto	
  de	
  normas	
  -­\u2010	
  Conjunto	
  de	
  normas	
  que	
  regulam	
  os	
  comportamentos	
  dos	
  
integrantes	
  de	
  uma	
  sociedade	
  
Valores	
   sociais	
   -­\u2010	
  Baseado	
   nos	
   valores	
   de	
   cada	
   sociedade	
   em	
   um	
   determinado	
  
período	
  
	
  
Suporte-­\u2010fáOco	
  -­\u2010>	
  Consequência	
  Jurídica	
  
	
  
ª\uf0aa\u202f Composto	
  por	
  4	
  comportamentos	
  básicos:	
  
ª\uf0aa\u202f Dever	
  ou	
  obrigação	
  \u2013	
  indicam	
  um	
  determinado	
  comportamento	
  
ª\uf0aa\u202f Faculdade	
  \u2013	
  possibilidade	
  de	
  licitamente	
  pra<car	
  um	
  ato	
  
ª\uf0aa\u202f Poder	
  \u2013	
  poder	
  de	
  realizar	
  um	
  ato	
  e	
  produzir	
  determinado	
  efeito	
  jurídico	
  
ª\uf0aa\u202f Sujeição	
  \u2013	
  um	
  dos	
  sujeitos	
  sofre	
  as	
  consequências	
  de	
  um	
  poder	
  de	
  outro	
  
	
  
Crise	
   \u2013	
   em	
   algumas	
   situações	
   o	
   direito	
   material	
   deixará	
   de	
   ser	
   cumprido	
   por	
  
alguma	
  das	
  partes,	
  gerando	
  uma	
  crise	
  no	
  seu	
  cumprimento	
  
	
  
	
  
Prof.	
  Me.	
  Altair	
  Rosa	
  Filho	
  
altair_silva@uniri,er.edu.br	
  
Direito	
  Processual	
  e	
  Direito	
  Material
Karen
Karen fez um comentário
Este material é atualizado pelo novo CPC?
0 aprovações
Carregar mais