Direito constitucional II
26 pág.

Direito constitucional II

Pré-visualização5 páginas
Direito constitucional II
Art. 12. São brasileiros:
I - natos:
a) os nascidos na República Federativa do Brasil, ainda que de pais estrangeiros, desde que estes não estejam a serviço de seu país;
b) os nascidos no estrangeiro, de pai brasileiro ou mãe brasileira, desde que qualquer deles esteja a serviço da República Federativa do Brasil;
c) os nascidos no estrangeiro de pai brasileiro ou de mãe brasileira, desde que sejam registrados em repartição brasileira competente ou venham a residir na República Federativa do Brasil e optem, em qualquer tempo, depois de atingida a maioridade, pela nacionalidade brasileira; (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 54, de 2007)
II - naturalizados:
a) os que, na forma da lei, adquiram a nacionalidade brasileira, exigidas aos originários de países de língua portuguesa apenas residência por um ano ininterrupto e idoneidade moral;
b) os estrangeiros de qualquer nacionalidade, residentes na República Federativa do Brasil há mais de quinze anos ininterruptos e sem condenação penal, desde que requeiram a nacionalidade brasileira. (Redação dada pela Emenda Constitucional de Revisão nº 3, de 1994)
§ 1º Aos portugueses com residência permanente no País, se houver reciprocidade em favor de brasileiros, serão atribuídos os direitos inerentes ao brasileiro, salvo os casos previstos nesta Constituição. 
§ 2º A lei não poderá estabelecer distinção entre brasileiros natos e naturalizados, salvo nos casos previstos nesta Constituição.
§ 3º São privativos de brasileiro nato os cargos:
I - de Presidente e Vice-Presidente da República;
II - de Presidente da Câmara dos Deputados;
III - de Presidente do Senado Federal;
IV - de Ministro do Supremo Tribunal Federal;
V - da carreira diplomática;
VI - de oficial das Forças Armadas.
VII - de Ministro de Estado da Defesa (Incluído pela Emenda Constitucional nº 23, de 1999)
Perda de nacionalidade dos brasileiros natos
Cometer crimes antes da naturalização
Praticar terrorismo
Organização do estado
Forma de governo
É a forma como os governantes e os governados se relacionam:
Forma de república
Governantes eleitos
Transitoriedade dos mandatos
Responsabilidade dos governantes perante os governados 
Forma monárquica
Hereditariedade
Vitaliciedade
Ausência de responsabilidade do governante perante os governados
Sistema de governo
É a forma como o poder legislativo e o executivo se relacionam:
Presidencialismo:
Chefia uma (presidencialismo)
Concentração da função executiva e o executivo se relacionam
Parlamentarismo:
Chefia dual
Distribuição das funções executivas 
1º ministro atua no poder legislativo
Chefe de estado = representação internacional
Chefe de governo = tomada de decisões nas ordens internas
Chefe de estado = presidente
Chefe de governo = a chefia é trina (municipal, estadual e federal)
Ius solis
Nascido em solo brasileiro
Ius sanguinis ou jus sanguinis
Vínculo sanguíneo
FORMA DE ESTADO ( AULA II)
Baseia-se na existência ou não da descentralização do poder político
Art. 60
A Constituição poderá ser emendada mediante proposta
§ 4º Não será objeto de deliberação a proposta de emenda tendente a abolir:
I - a forma federativa de Estado;
A) Estado unitário
A tomada de decisão fica à cargo do governo nacional (domínio de todo o poder nacional nas mãos do governante)
Divide-se em três formas
a.1 ) unitário puro
O poder é exercido e administrado por um órgão central que atua em todas as áreas 
a.2) unitário descentralizado administradamente
O órgão central mantém a concentração de poder no que tange à tomada de decisões, porém o seu cumprimento caberia à órgãos criados pelo governo nacional.
A.3) unitário descentralizado política e administrativamente 
Além de cumprir as ordens emanadas pelo governo central, os órgãos administrativos têm opção de escolha entre as melhores medidas para tomar.
b) confederação
Nesta forma de Estado, diversos entes soberanos \u201ccom constituição própria\u201d, se unem por meio de um tratado internacional de mútua ajuda. A soberania permanece em cada ente confederado, caso queira se desligar do pacto possui força para isso.
C) federação
É a reunião de entidades autônomas feito por uma constituição marcada por um vínculo de indissolubilidade. É a coexistência de um poder soberanos e diversas políticos autônomos unidas por uma constituição.
Entes federativos
União, estados-membros, distrito federal e município.
Distrito federal = região adinistrativa que abriga a capital
Formação da federação
A) por movimento centrípeto ou por agregação
Ocorre quando entes independentes \u201cEstados\u201d e soberanos se unem para criar um Estado Federal cedendo a soberania para um único ente mantendo o poder autônomo
Exemplo: EUA.
B) Por movimento centrífugo ou por desagregação
Ocorre quando um Estado unitário abre mão de parcela do poder delegando poder autônomos para órgãos regionais, denominados, entes federativos.
Exemplo: Brasil 
Características da federação
A) descentralização política os entes federativos formados com autonomia
B) constituição rígida devido ao proesso necessário para se emendar a constituição
C) existência de um órgão guardião da constituição STF
D) soberania do Estado nacional há constituição
E) inexistência do direito de secessão (art. 1 e 34 CF)
Pacto federativo não permite que um ente saia do pacto e tenha soberania 
Art. 1º
 A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:
I - a soberania;
Art. 3º
A União não intervirá nos Estados nem no Distrito Federal, exceto para:
I - manter a integridade nacional;
G) Bicameralismo congresso nacional com duas casas \u2013 câmara representa o povo- e o senado- representa os Estados.
Obs: Forma de governo e sistema de governo não cláusulas pétreas
Vedações constitucionais. Art 19 CF
Nenhum ente federativo pode se separar
Vedações constitucionais
Art. 19. 
É vedado à União, aos Estados, ao Distrito Federal e aos Municípios:
I - estabelecer cultos religiosos ou igrejas, subvencioná-los, embaraçar-lhes o funcionamento ou manter com eles ou seus representantes relações de dependência ou aliança, ressalvada, na forma da lei, a colaboração de interesse público;
II - recusar fé aos documentos públicos;
III - criar distinções entre brasileiros ou preferências entre si
Art. 18
A organização político-administrativa da República Federativa do Brasil compreende a União, os Estados, o Distrito Federal e os Municípios, todos autônomos, nos termos desta Constituição.
§ 1º Brasília é a Capital Federal.
§ 2º Os Territórios Federais integram a União, e sua criação, transformação em Estado ou reintegração ao Estado de origem serão reguladas em lei complementar.
§ 3º Os Estados podem incorporar-se entre si, subdividir-se ou desmembrar-se para se anexarem a outros, ou formarem novos Estados ou Territórios Federais, mediante aprovação da população diretamente interessada, através de plebiscito, e do Congresso Nacional, por lei complementar.
§ 4º A criação, a incorporação, a fusão e o desmembramento de Municípios, far-se-ão por lei estadual, dentro do período determinado por Lei Complementar Federal, e dependerão de consulta prévia, mediante plebiscito, às populações dos Municípios envolvidos, após divulgação dos Estudos de Viabilidade Municipal, apresentados e publicados na forma da lei. (Redação dada pela Emenda Constitucional nº 15, de 1996) Vide art. 96 - ADCT
RÉPUBLICA FEDERATIVA BRASILEIRA (OLHAR DE FORA)
PJDPE
PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO EXTERNO
ENTE SOBERANO
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA TEM FUNÇÃO DE CHEFE DE ESTADO
REPUBLIXA FEDERATIVA BRASILEIRA (ÚNICO ENTE SOBERANO)
UNIÃO (OLHAR DE DENTRO)
PJDPI
PESSOA JURÍDICA DE DIREITO PÚBLICO INTERNO
ENTE AUTÔNOMO (ELEMENTO DA FEDERAÇÃO, MAIS UM ENTE COM AUTÔNOMO)
O PRESIDENTE DA REPÚBLICA TEM FUNÇÃO DE CHEFE DE GOVERNO
PRINCIÍPIOS FUNDAMENTAIS