Administrativo 2 2018.2
6 pág.

Administrativo 2 2018.2


Disciplina<strong>direitoempresaria</strong> <strong>ii</strong>3 materiais4 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Simulado: CCJ0011_SM_AV1_201401121683 V.1 
Aluno(a): FRANCISCO ANISIO ROCHA JUNIOR Matrícula: 201401121683 
Acertos: 2,0 de 2,0 Data: 28/08/2018 09:53:37 (Finalizada) 
 
 
1a Questão (Ref.:201401775643) Acerto: 0,2 / 0,2 
O Poder Público Municipal lançou mão, urgente e transitoriamente, de um prédio de quatro 
andares, pertencentes a João da Costa, empresário do ramo de equipamentos de 
informática, para atender demanda de perigo iminente. Nesse caso, ele o fez, corretamente, 
por meio de: 
 
 Limitação administrativa 
 Servidão administrativa 
 Requisição 
 Desapropriação indireta 
 Tombamento 
 
 
 
2a Questão (Ref.:201401217080) Acerto: 0,2 / 0,2 
(OAB/CESPE) - A promotora M.B. da Vara de Execuções Penais, pediu à justiça novo 
mandado de prisão contra C.E.T.L., de 18 anos de idade, um dos cinco supostos envolvidos 
detidos pela morte do menino. Ela solicitou a regressão do regime semi-aberto do suspeito, 
que era condenado pelos crimes de roubo,furto e tentativa de furto. Se o pedido for aceito, 
ele voltará a cumprir pena em regime fechado. Como justificativa para o pedido, a 
promotora argumentou que C.E.T.L. estava foragido na noite em que supostamente dirigia o 
carro roubado que arrastou a vítima, presa a um cinto de segurança, pelas ruas da Zona 
Norte do Rio. Desde o dia 28 de dezembro do ano passado, o suspeito estava foragido 
porque não havia passado a noite na Casa do Albergado. Fluminense online.internet: (com 
adaptações). Tendo em vista a responsabilidade civil do Estado, assinale a opção correta a 
propósito do caso descrito no texto acima. 
 
 Haveria responsabilidade civil do estado do Rio de Janeiro mesmo se, sem a 
colaboração do citado fugitivo, o evento ocorresse da forma como ocorreu. 
 Há responsabilidade objetiva do estado do Rio de Janeiro, diante da falta de 
fiscalização do cumprimento da pena em regime semi-aberto. 
 Conforme consta do texto apresentado, para que haja a responsabilização civil do 
estado do Rio de Janeiro, há de se provar culpa. 
 Para o STF, na hipótese de um dos possíveis responsáveis pelo crime ser policial 
militar, utilizando-se ilegalmente de arma de fogo da corporação anteriormente 
furtada por terceiros, haveria a responsabilidade objetiva do estado do Rio de 
Janeiro, mesmo que o referido policial estivesse de folga. 
 
 
 
3a Questão (Ref.:201401705332) Acerto: 0,2 / 0,2 
Genivaldo, ingressou em um ônibus de uma concessionária prestadora de serviço de 
transporte coletivo urbano com a finalidade de chegar em tempo em seu trabalho. No meio 
do percurso, o condutor foi obrigado a aplicar frenagem brusca, pois chovia bastante e fortes 
ventos causaram a queda de uma mangueira em frente ao veículo. Com a frenagem, 
Genivaldo sofreu fratura de fêmur e entorse no tornozelo, sendo necessário o atendimento 
emergencial em hospital particular, que estava mais próximo do local do acidente, obrigando 
a vítima a desembolsar quantia considerável pelo atendimento. Inconformado com o 
acidente e com a necessidade de gastar seu dinheiro com atendimento de saúde, Genivaldo 
ingressou com ação de reparação de danos contra a concessionária. Com base no relato 
anterior assinale a alternativa correta. 
 
 A concessionária será responsabilizada de forma objetiva com fundamento na Teoria 
do Risco Integral. 
 A concessionária e o condutor responderão subjetivamente, havendo a necessidade 
de comprovação de dolo ou culpa de ambos. 
 O condutor será acionado pela concessionária para recompor os gastos com a 
indenização, pois, a comprovação do dolo e da culpa é desnecessária para a 
responsabilização objetiva do agente. 
 A concessionária responde objetivamente, porém, em sua defesa poderá alegar caso 
de força maior com base na Teoria do Risco Administrativo. 
 
 
 
4a Questão (Ref.:201401217098) Acerto: 0,2 / 0,2 
(Procurador do Distrito Federal/2009) Assinale a sentença correta. 
 
 O agente público é, sempre, responsável pelos danos que nessa qualidade vier causar 
a terceiros. 
 Os danos causados a terceiros, na execução de serviços públicos, devem ser 
indenizados pelos beneficiários de tais serviços. 
 O Estado responde pelos danos causados por seus agentes, na execução de serviços 
públicos, descontando destes, automaticamente, os valores que despender no 
pagamento de indenizações. 
 O Estado e as pessoas jurídicas de direito privado, prestadoras de serviços públicos, 
respondem pelos danos causados a terceiros por seus agentes, no exercício de suas 
funções, assegurado o direito de regresso, em caso de dolo ou culpa. 
 O agente público não responde, em qualquer hipótese, pelos danos que, no ex cicio 
de sua função, causar a terceiros. 
 
 
 
5a Questão (Ref.:201401354226) Acerto: 0,2 / 0,2 
(OAB/FGV) No que concerne à intervenção do Estado sobre a propriedade privada, é correto 
afirmar que 
 
 a requisição de bens móveis e fungíveis impõe obrigações de caráter geral a 
proprietários indeterminados, em benefício do interesse geral, não afetando o caráter 
perpétuo e irrevogável do direito de propriedade. 
 o tombamento implica a instituição de direito real de natureza pública, impondo ao 
proprietário a obrigação de suportar um ônus parcial sobre o imóvel de sua 
propriedade, em beneficio de serviços de interesse coletivo. 
 as limitações administrativas constituem medidas previstas em lei com fundamento 
no poder de polícia do Estado, gerando para os proprietários obrigações positivas ou 
negativas, com o fim de condicionar o exercício do direito de propriedade ao bem-
estar social. 
 a servidão administrativa afeta o caráter absoluto do direito de propriedade, 
implicando limitação perpétua do mesmo ern benefício do interesse coletivo. 
 
 
 
6a Questão (Ref.:201401324620) Acerto: 0,2 / 0,2 
VI Exame de Ordem Unificado 
Ambulância do Corpo de Bombeiros envolveu-se em acidente de trânsito com automóvel 
dirigido por particular, que trafegava na mão contrária de direção. No acidente, o motorista 
do automóvel sofreu grave lesão, comprometendo a mobilidade de um dos membros 
superiores. Nesse caso, é correto afirmar que 
 
 está plenamente caracterizada a responsabilidade civil do Estado, que se fundamenta 
na teoria do risco integral. 
 não se cogita de responsabilidade objetiva do Estado porque não houve a chamada 
culpa ou falha do serviço. E, de todo modo, a indenização do particular, se cabível, 
ficaria restrita aos danos materiais, pois o Estado não responde por danos morais. 
 não haverá o dever de indenizar se ficar configurada a culpa exclusiva da vítima, que 
dirigia na contramão, excluindo a responsabilidade do Estado. 
 existe responsabilidade objetiva do Estado em decorrência da prática de ato ilícito, 
pois há nexo causal entre o dano sofrido pelo particular e a conduta do agente 
público. 
 
 
 
7a Questão (Ref.:201401354222) Acerto: 0,2 / 0,2 
(OAB/Exame Unificado-2010.3) Um policial militar, de nome Norberto, no dia de folga, 
quando estava na frente da sua casa, de bermuda e sem camisa, discute com um transeunte 
e acaba desferindo tiros de uma arma antiga, que seu avô lhe dera. Com base no relatado 
acima, é correto afirmar que o Estado 
 
 será responsabilizado, com base na teoria do risco integral. 
 somente será responsabilizado de forma subsidiária, ou seja, caso Norberto não 
tenha condições financeiras. 
 será responsabilizado, pois Norberto é agente público pertencente a seus quadros. 
 não será responsabilizado, pois Norberto, apesar de ser agente público, não atuou 
nessa qualidade; sua conduta não pode, pois, ser imputada ao ente público 
 
 
 
8a Questão (Ref.:201401237182) Acerto: