A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
38 pág.
Aula coleta de exames.pptx

Pré-visualização | Página 1 de 2

COLETA DE EXAMES
PROF. MARIA APARECIDA AIRES
AMOSTRAS BIOLÓGICAS
São consideradas amostras biológicas de material humano para exames laboratoriais: 
sangue urina, fezes, suor, lágrima, linfa (lóbulo do pavilhão auricular, muco nasal e lesão cutânea), escarro, esperma, secreção vaginal, raspado de lesão epidérmico (esfregaço) mucoso oral, raspado de orofaringe, secreção de mucosa nasal (esfregaço), secreção mamilar (esfregaço), secreção uretral (esfregaço), swab anal, coleta por escarificação de lesão seca/swab em lesão úmida e de pêlos e de qualquer outro material humano necessário para exame diagnóstico. 
Os exames biológicos poderão ser coletados por profissionais da saúde devidamente habilitados para fazê-lo.
EPIS necessários: luvas de procedimento e óculos, podendo ser acrescido de outros como: avental e mascara dependendo do exame a ser colhido.
OBS:
Manter cabelos presos e unhas cortadas
Não usar adornos
Atentar a higienização de mãos
Procedimento geral para coleta de material biológico:
Checar a solicitação do exame
Higienizar as mãos
Reunir material necessário (atentar ao tubo especifico para cada exame)
Explicar ao paciente o procedimento e os exames que irão ser colhidos
Se necessário jejum investigar tempo de jejum
Posicionar o paciente para a coleeta
Realizar antissepsia se necessário do local
Proceder a coleta
ACONDICIONAMENTO E TRANSPORTE DE MATERIAL BIOLÓGICO
Objetivo: Garantir o acondicionamento, conservação e transporte do material até a recepção pelo laboratório executor dos exames. 
As amostras de sangue deverão ser acondicionadas em recipientes rígidos, constituídos de materiais apropriados para tal finalidade, dotados de dispositivos pouco flexíveis e impermeáveis para fechamento sob pressão. 
O acondicionamento do material coletado deverá ser tecnicamente apropriado, segundo a natureza de cada material a ser transportado, de forma a impedir a exposição dos profissionais da saúde, assim como dos profissionais da frota que transportam o material. 
Estantes e grades são recipientes de suporte utilizados para acondicionar tubos e frascos coletores contendo amostras biológicas; deverão ser rígidas e resistentes, não quebráveis, que permitam a fixação em posição vertical, com a extremidade de fechamento (TAMPA) voltada para cima e que impeçam o tombamento de material.
Tubete ou Caixa: são recipientes utilizados para acondicionamento de lâminas dotadas internamente de dispositivo de separação (RANHURA) e externamente de dispositivo de fechamento (TAMPA OU FECHO). 
Caixas Térmicas são recipientes de segurança para transporte, destinados à acomodação das estantes e grades com tubos, frascos e tubetes contendo as amostras biológicas.
Estas caixas térmicas devem obrigatoriamente ser rígidas, resistentes e impermeáveis, revestidas internamente com material lisos, duráveis, impermeáveis, laváveis e resistentes às soluções desinfetantes devendo, ainda ser, dotadas externamente de dispositivos de fechamento externo. 
TUBOS PARA COLETAS DE SANGUE
Os tubos de coleta de sangue são estéreis, feitos de vidro ou plástico e alguns possuem vácuo. Comumente utilizados em punções venosas, eles são projetados para a coleta, transporte e processamento das amostras E JAMAIS DEVEM SER REAPROVEITADOS.
O interior destes tubos pode ser revestido com anticoagulantes e as vedações preservam a integridade da amostra até a chegada ao laboratório. Embora não seja necessário ao coletor conhecer todos os detalhes sobre os procedimentos analíticos dos testes hematológicos, é essencial conhecer o tipo de amostra necessária para cada análise.
A amostra deve ser coletada em tubos específicos para cada tipo de análise, sendo de extrema importância conhecê-los para a realização correta do exame. O material colhido em recipiente inadequado será rejeitado e descartado pelo laboratório pois não terá validade para a realização da análise. Todos os tubos devem ser homogeneizados imediatamente após a coleta. Deve-se invertê-los de 5 a 8 vezes, suavemente. Tubos homogeneizados inadequadamente poderão conter pequenos coágulos sanguíneos que diminuem a utilidade do tubo.
Quando o paciente possui mais de um exame solicitado e estes exames necessitam de materiais diferentes que devem ser coletados em recipientes diferentes, deve-se obedecer uma sequência para coleta dos materiais para que não haja contaminação dos aditivos de um tubo para outro, o que ocasiona alterações em parâmetros analíticos.
 A sequência para a coleta de sangue é tubo com citrato de sódio (tampa azul), tubo sem anticoagulante (tampa vermelha ou tampa amarela), tubo com heparina (tampa verde), tubo com EDTA (tampa roxa) e tubo com fluoreto de sódio (tampa cinza).
Quando o paciente tiver apenas exames de coagulação, deverá ser coletado primeiro um tubo de descarte. Isso é devido ao fato de o primeiro fluxo de sangue coletado conter os fatores de coagulação, principalmente a protrombina, que altera os resultados.
Análises de Coagulação
Quando se pretende fazer análise de coagulação, deverá ser colhida uma amostra de plasma (CITRATO DE SÓDIO). Esta será obtida através da coleta em tubo de citrato de tampa azul. Este tubo contém Citrato de Sódio, o sangue colhido com anticoagulante deve ser cuidadosamente homogeneizado por inversão de 5 a 8 vezes para evitar hemólise e a coagulação do sangue.
Análises Bioquímicas e Sorológicas
Quando se pretende fazer análise bioquímica ou sorológica, deverá ser colhida uma amostra de soro. Esta será obtida através da coleta em tubo sem anticoagulante para que ocorra o processo de coagulação. Portanto, a coleta deve ser feita no tubo de tampa vermelha sem gel ou no tubo de tampa amarela com gel.
 Estes tubos contêm ativador de coágulo e deve-se, imediatamente após a coleta, homogeneizá-los por inversão de 5 a 8 vezes para evitar hemólise, manter em repouso na posição vertical por 30 minutos para retrair o coágulo e seguir a centrifugação a 3.000 rpm durante 10 minutos.
Análises Bioquímicas
Quando se pretende fazer análise bioquímica, gasometria ou outros exames, deverá ser colhida uma amostra de plasma (HEPARINA). Está será obtida através da coleta em tubo de heparina de tampa verde. Este tubo contém Heparina, o sangue colhido com anticoagulante deve ser cuidadosamente homogeneizado por inversão de 8 a 10 vezes para evitar hemólise e a coagulação do sangue.
Análises Hematológicas
Quando se pretende fazer análise hematológica, deverá ser colhida uma amostra de sangue total (EDTA). Esta será obtida através da coleta em tubo de EDTA de tampa roxa. Este tubo contém anticoagulante específico para evitar a coagulação. O sangue colhido com anticoagulante deve ser cuidadosamente homogeneizado por inversão de 5 a 8 vezes para evitar hemólise e a coagulação do sangue.
Análises Glicêmicas
Quando se pretende fazer análise de glicemia, deverá ser colhida uma amostra de plasma (FLUORETO DE SÓDIO). Esta será obtida através da coleta em tubo de tampa cinza. Este tubo contém fluoreto de sódio com EDTA, o sangue colhido com anticoagulante deve ser cuidadosamente homogeneizado por inversão de 5 a 8 vezes para evitar hemólise e a coagulação do sangue
Urina
Urina tipo1: avalia as características físicas e químicas e os sedimentos urinários;
Primeiro jato: investigação do trato urinário baixo (urina mais concentrada).
Jato médio: colhe-se o jato médio da urina porque a primeira parte da uretra é colonizada pela flora normal, que pode interferir nos resultados (urina menos concentrada).
Jato final: útil na investigação de sangramentos.
Urina 24horas: avaliação da função renal.
Neste exame a urina é coleta durante o período de 24 horas, ou seja, todas às vezes que o paciente urinar durante este período a urina deverá ser coletada e armazenada em frascos próprios. 
No final das 24 horas o volume total coletado é encaminhado ao laboratório para o processamento do exame. A urina deverá ser coletada