Logo Passei Direto

A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
Novembroplano de negócios UNIASSELVI PAPER (1)

Pré-visualização | Página 1 de 2

�PAGE \* MERGEFORMAT�5�
PLANO DE NEGÓCIOS
Ester Gomes F. de Almeida
Tatiane Cordeiro Alvarenga Vago
Profª Michele Amorim de Souza
Centro Universitário Leonardo da Vinci – UNIASSELVI
Gestão Comercial 
11/11/2017
1 INTRODUÇÃO
Este paper discute uma temática importante no contexto da administração e da iniciativa de empreender um negócio no mercado, ou seja, o Plano de Negócios. O empreendedorismo não é uma questão ou tema novo no mercado e isso possibilita a existência de muitas definições. Um dos conceitos mais antigos foi formulado por Joseph Schumpeter, que considera o empreendedor aquele que cria novos negócios e também tem condições e capacidade de inovar dentro de empresas já constituídas. Com uma definição mais abrangente (FILION, DOLABELA,2000).
O empreendedor tem visão de oportunidade e a partir dela cria um negócio que permita todo um processo de capitalização sobre ela. De acordo com pode-se apresentar como aspectos ligados ao empreendedorismo: iniciativa de criação de um novo negócio; utilização criativa dos recursos disponíveis visando transforma o ambiente social e econômico; aceitação de riscos e a possibilidade de fracassar (DRUCKER, 2001).
Empreender envolve funções, atividades e ações relacionadas com a criação de novas empresa, por isso a proposta de inserção de uma nova empresa no mercado requer a elaboração de um plano de negócios. Na definição de Salim, Hochman, Ramal e Ramal (2001, p. 4) o plano de negócios “é um documento que contém a caracterização do negócio, sua forma de operar, suas estratégias, seu plano para conquistar uma fatia do mercado e as projeções de despesas, receitas e resultados financeiros”.
Considerando que empreender requer um plano de negócios, o desenvolvimento deste paper pretende apresentar as características principais do empreendedorismo e do plano de negócios, partindo das concepções teóricas de Filion e Dolabela (2000), Drucker (2001), Salim, Hochman, Ramal e Ramal (2005).
O objetivo deste paper consiste em verificar e descrever as principais etapas de um plano de negócio.
A proposta de desenvolvimento ocorre dentro da seguinte estatura: empreendedorismo, conceito, objetivos, finalidades, propósitos e as características do empreendedor; plano de negócios focando os principais aspectos de suas etapas sumário executivo, análise de mercado, plano de marketing, plano operacional e plano financeiro. 
2 MATERIAIS E MÉTODOS
A metodologia utilizada é a pesquisa bibliográfica que segundo Gil (2010) tem como característica fontes já publicadas em artigos, teses, dissertações e livros permitindo, assim, o acesso mais amplo a informações sobre os temas e subtemas discutidos nesta proposta.
3 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
3.1 EMPREENDEDORISMO E CARACTERÍSTICAS DO EMPREENDEDOR
No Brasil, o empreendedorismo chegou a partir de 1990 com a criação do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas e da Sociedade brasileira para exportação de Software. Até esse período, não se falava em empreendedorismo e nem em criar pequenas empresas em função da conjuntura política e econômica ser desfavoráveis e as informações não auxiliavam ações empreendedoras (FILION, DOLABELA,2000). 
Uma definição ampla de empreendedorismo é apresentada por Filion e Dolabela (2000, p. 38),
O empreendedorismo é um campo de pesquisa emergente, onde ainda não existe uma teoria estabelecida. A categoria empreendedorismo pode ser definida como aquele saber que estuda os empreendedores. Em outras palavras, examina suas atividades, características, efeitos sociais e econômicos e os métodos de suporte usados para facilitar a expressão da atividade empreendedora.
Os aspectos associados ao empreendedorismo são a iniciativa de criação de um novo negócio; utilização criativa dos recursos disponíveis visando transforma o ambiente social e econômico; aceitação de riscos e a possibilidade de fracassar. Nesse sentido, a sociedade empreendedora é mais um evento cultural e psicológico do que econômico ou tecnológico. Empreender envolve funções, atividades e ações relacionadas com a criação de novas empresas, por isso, está associado: a algo novo, de valor; ao comprometimento de tempo, devoção e esforço para possibilitar o crescimento da empresa e na ousadia em assumir riscos calculados, tomar decisões críticas e não desanimar diante das falhas e erros (DRUCKER, 2001).
Em se tratando do perfil e características do empreendedor são a ambição de realizar alguma coisa na vida, empenho e energia na inovação e crescimento (querer fazer mais por menos), necessidades, valores, habilidades e conhecimentos. As necessidades aliadas às oportunidades de realização (competência) é que motiva (querer fazer) o ser humano e a busca do conhecimento se efetiva por meio do desenvolvimento das habilidades, um processo que se impulsiona ou se bloqueia pelos valores, além de autoconfiança, o calculismo, capacidade de persuasão, negociação, otimismo e persistência (FILION, DOLABELA, 2000).
O empreendedorismo também é entendido como o equilíbrio criado a partir de uma posição clara e positiva em um ambiente de caos e turbulência. Nesse aspecto, Drucker (2001, p.19) “os eventos que explicam porque o espírito empreendedor se torna eficaz, provavelmente, não são, em si, eventos econômicos. As causas, possivelmente, estariam nas mudanças em valores, percepções, atitudes [...]”.
A globalização mudou o cenário organizacional e faz com que as empresas novas ou não sintam necessidade de adotar novas práticas de recursos humanos, fundamentadas em políticas e estratégias que possibilitem alcançar os objetivos organizacionais. Empreender envolve funções, atividades e ações relacionadas com a criação de novas empresas, por isso, está associado: a algo novo, de valor; ao comprometimento de tempo, devoção e esforço para possibilitar o crescimento da empresa e na ousadia em assumir riscos calculados, tomar decisões críticas e não desanimar diante das falhas e erros (FILION, DOLABELA, 2000).
3.2 PLANO DE NEGÓCIOS
Um plano de negócios é um mecanismo, ferramenta administrativa ou na abertura de um novo empreendimento, um documento que segundo o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (2013) possibilita a identificação e restrição de erros no papel, ao contrário de cometê-los na prática, ou seja, na atuação no mercado. 
Complementando, Dornelas (2011, p.79) afirma que “um negócio bem planejado terá mais chances de sucesso do que aquele sem planejamento, na mesma igualdade de condições”.
Na definição de Salim, Hochman, Ramal e Ramal (2005, p.19), Plano de Negócios é um “documento que contém a caracterização e a forma como vai operar e suas principais estratégias são conquistar uma determinada fatia do mercado e a projeção das despesas envolvidas no desafio, bem como as receitas e os resultados financeiros”.
A definição contemporânea de um plano de negócios é apresentada por Deutscher (2010, p. 12) ao afirmar que se trata de uma “ferramenta que suporta a gestão da inovação, responsável pelo planejamento e pela comunicação da empresa com os públicos interno e externo. 
Complementando, Salim, Hochman, Ramal e Ramal (2005) destacam que mesmo com diferentes concepções teórica, um fator importante é a importância da utilização do plano de negócio, haja vista que no cenário brasileiro seu uso ainda é incipiente, pois muitas empresas funcionam, durante um significativo tempo, sem um plano.
A Figura 1 representa a síntese de um plano de negócios.
Figura 1 – Síntese do plano de negócios
Fonte: Wordpress (2016)
3.3 ETAPAS DE UM PLANO DE NEGÓCIO E SUAS CARACTERÍSTICAS
Um plano de negócio é constituído por etapas específicas: sumário executivo, análise de mercado (ambiente), plano de marketing, plano operacional e plano financeiro, conforme destacam Salim, Hochman, Ramal e Ramal (2005):
- o sumário executivo: apresentação da empresa, segmento de mercado, público alvo, localização, objetivo, quadro de funcionários e atividades, documentação
Página12