A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
58 pág.
Resumo Sistema Nervoso

Pré-visualização | Página 13 de 29

mediano na comissura branca, ganham o funículo lateral onde fletem cranialmente para constituir o trato espino-talâmico lateral. 
o Constitui a principal via através da qual os impulsos de temperatura e dor chegam ao cérebro. 
o Junto destas seguem as fibras reticuloespinhal que também conduzem impulsos de dor. 
o Fazem sinapse na formação reticular do tronco encefálico  via reticulo-talâmica-espinhal. 
 Trato Espinocerebelar Posterior – formados a partir de neurônios cordonais de projeção situados no núcleo torácico da coluna 
posterior que emitem axônios que ganham o funículo lateral do mesmo lado, e fletem-se cranialmente.. 
o Penetram no cerebelo pelo pedúnculo cerebelar inferior. 
o Levam impulsos de propriocepção inconsciente originados em fusos neuromusculares e órgãos neurotendinosos. 
 Trato Espinocerebelar Anterior – neurônios cordonais de projeção situados na coluna posterior e na substância cinzenta intermédia 
emitem axônios que ganham o funículo lateral do mesmo lado ou do lado oposto, fletindo-se cranialmente para formar o trato espino-
cerebelar anterior. 
o Penetram no cerebelo principalmente pelo pedúnculo cerebelar superior. 
o Informam eventos que ocorrem dentro da própria medula relacionados com a atividade elétrica do trato corticoespinhal. 
o O cerebelo é informado de quando os impulsos motores chegam na medula espinhal e qual sua intensidade  controle de 
motricidade somática. 
 
SNA SIMPÁTICO: 
 Maior porção do SNA inervando coração, pulmão, vasos sangüíneos, glândulas e vísceras. 
 A função do SNA Simpático é a de preparar o corpo para uma emergência (situação de "luta ou fuga"), quando o mesmo encontra-se 
ameaçado. 
 Há taquicardia, vasodilatação muscular esquelética, midríase, aumento da pressão arterial, broncodilatação, cianose, sudorese (fria) e 
salivação espessa (boca seca). 
 
EFERÊNCIA SIMPÁTICA: 
 A coluna vertebral possui em sua porção tóracolombar (T1-L3) uma cadeia paravertebral de gânglios (tronco simpático). 
 Os axônios mielinizados partem da medula pelas raízes anteriores passando por meio dos ramos comunicantes brancos (mielinizados) 
até os gânglios paravertebrais do tronco simpático. 
 Após penetrarem o gânglio os axônios fazem sinapse colinérgica (ACh) com o neurônio ali presente. 
 O axônio que parte do gânglio é amielínico passando para os nervos espinhais cervicais, torácicos, lombares e sacrais como o ramo 
comunicante cinzento. 
 As fibras pré-ganglionares podem atravessar o tronco simpático sem que haja sinapse: estas fibras partem do tronco simpático como 
nervos esplâncnicos maiores e menores. 
 O nervo esplâncnico maior faz sinapse com os gânglios do plexo celíaco, do plexo renal e da medula da supra-renal. O nervo 
esplâncnico menor faz sinapse com a porção inferior do plexo celíaco. 
 Algumas fibras pré-ganglionares fazem sinapse diretamente com a medula da supra-renal, sendo que estas células medulares são 
consideradas neurônios simpáticos excitatórios, secretores de noradrenalina e adrenalina. 
 
AFERÊNCIA SIMPÁTICA: 
 As fibras simpáticas cursam desde as vísceras pelos gânglios sem fazer sinapses. 
 Passam para os nervos espinhais por meio dos ramos comunicantes brancos atingindo suas raízes posteriores, em seguida, entram na 
medula espinhal podendo formar o componente aferente do arco reflexo local ou podem ascender para os centros superiores. 
 Tronco Simpático. São dois troncos nervosos ganglionares que se estendem em cada lado da coluna vertebral. No pescoço cada 
tronco possui 3 gânglios, no tórax 11 a 12 gânglios, na região lombar 4 ou 5 e na pelve também 4 a 5 gânglios. 
 
SNA PARASSIMPÁTICO: 
 A porção parassimpática do SNA esta, anatomicamente localizada, na porção crânio-sacral da medula espinhal. 
 O SNA parassimpático esta relacionado, com exceções, ao antagonismo simpático: bradicardia, miose, suor difuso, secreção salivar 
abundante, aumento do peristaltismo e da atividade glandular. 
 
EFERÊNCIA PARASSIMPÁTICA: 
 Como comentado, as fibras partem das porções crânio-sacrais da medula espinhal. 
 As células nervosas situadas na porção cranial (tronco encefálico) formam núcleos dos seguintes nervos cranianos: 
o III par (oculomotor - núcleo parassimpático de Edinger-Westphal); 
o VII par (facial - núcleo salivatório superior e núcleo lacrimal); 
o IX par (glossofaríngeo - núcleo salivatório inferior); 
o X par (vago - núcleo dorsal do vago). 
 Os axônios destes nervos são mielinizados. 
 A porção sacral (S2, S3 e S4) emite neurônios mielinizados a partir do corno anterior medular formando os nervos esplâncnicos 
pélvicos. 
26 
 
SISTEMA NERVOSO MARCUS N. OTTONI 
 As fibras mielinizadas crânio-sacrais são mielinizadas fazendo sinapses com os gânglios periféricos (presentes na parede da víscera), 
próximo ao seu destino final, logo as fibras pré-ganglionares são longas enquanto que as fibras pós-ganglionares (amielinizadas) são 
curtas, oposto ao SNA Simpático. 
 Novamente a sinapse no interior do gânglio é feita pela acetilcolina (colinérgica), igual ao SNA Simpático e sua sinapse terminal é feita 
também pela ACh, diferente do SNA Simpático. 
 Os gânglios parassimpáticos cranianos são: ciliar, ptérigo-palatino, submandibular e ótico. 
 Em algumas regiões estas células ganglionares ficam próximas aos plexos nervosos como o plexo cardíaco, pulmonar, mioentérico 
(Auerbach) e mucoso (Meissner). 
 Tanto o plexo mioentérico como o plexo submucoso estão presentes no trato gastrointestinal. Os nervos esplâncnicos fazem sinapses 
no plexo hipogástrico. 
 
AFERÊNCIA PARASSIMPÁTICA: 
 Os estímulos viscerais passam para seus corpos celulares situados nos gânglios sensoriais dos nervos cranianos ou para os gânglios 
das raízes posteriores dos nervos espinhais sacrais. 
 Novamente, semelhante ao SNA Simpático, as fibras fazem seus arcos reflexos locais ou ascendem para os centros superiores. 
 
ARCO REFLEXO: 
 É uma resposta do Sistema Nervoso a um estímulo, qualitativamente invariável, involuntária, de importância fundamental para a 
postura e locomoção do animal e para examinar clinicamente o Sistema Nervoso. 
 É a unidade Fisiológica do Sistema Nervoso. 
 
 COMPONENTES BASICOS - Todos os arcos reflexos contem 5 componentes básicos necessários para sua função normal. 
(1) RECEPTOR - captam alguma energia ambiental e a transformam em Potencial de Ação (EX: luz na retina, calor, frio e 
pressão na pele; estiramento pelos receptores do fuso muscular). 
(2) NERVO SENSORIAL - Conduz o P.A. do receptor até a sinápse no SNC entrando na medula pela raiz dorsal. 
(3) SINAPSE - podendo ser monossinaptica ou polissinaptica. 
(4) NERVO MOTOR - conduz o P.A. do SNC para o órgão efetuador saindo da medula pela raiz ventral. Transforma um impulso 
elétrico em ação mecânica. 
 
1) REFLEXO MONOSSINÁPTICO: 
 Chamado Reflexo de Estiramento – inicia com o estiramento do músculo, e a resposta é a contração do músculo que é estirado. 
 Órgão sensorial: fuso muscular. 
 Os impulsos que originam no fuso são transmitidos ao SNC por fibras sensitivas rápidas que contatam diretamente os motoneurônios 
que invervam esse mesmo músculo (neurotransmissores da sinapse central: glutamato). 
 Ex: percussão do tendão patelar produz o reflexo patelar – reflexo de estiramento do músculo quadríceps femoral, uma vez que a 
percussão do tendão estira o músculo. 
 
2) REFLEXO POLISSINÁPTICO: 
 Ramificam-se de maneira complexa. 
 Número de sinapses em cada ramo é variável. 
 Reflexo de Retirada – reflexo tipicamente polissináptico que ocorre em resposta à estimulação nociva e normalmente