O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO resumo
9 pág.

O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO resumo


DisciplinaDireito Penal I65.526 materiais1.053.142 seguidores
Pré-visualização2 páginas
O ÚLTIMO DIA DE UM CONDENADO
AUTOR: VICTOR HUGO 
APS: DIREITO PENAL
OUTUBRO/2018
O livro conta a história de um condenado à morte e que passou pelo momento do julgamento e foi sentenciado a morte.
A terrível sensação e humilhação que era vivida desde do convívio dentro da cela até a execução da pena de morte.
Fala sobre o despacho do processo, a decisão do seu julgamento, o momento de apelação que foi fracassada e depois a sua ida para a guilhotina.
Na época em que este livro foi publicado, o autor não julgou a propósito dizer então todo o seu pensamento e a sua crítica quanto a decisão e a aplicação da pena de morte.
O que Victor Hugo autor do livro deixa claro e pretendia passar para os leitores era o manifesto pessoal contra a pena de morte e o desprezo por tal ação.
O escritor mostra como a pena de morte não é um castigo imposto apenas para o corpo, mas também para a mente, que afetava completamente o psicológico e emocional de uma pessoa.
É possível sentir na pele ao ler o livro os seus momentos de terror que é vivido.
Não era um castigo imposto apenas para o condenado, mas também para família, que era humilhada e sempre lembrada de que o condenado seria executado em praça pública. Não se importavam com a família do condenado.
Conta-se que o escritor presenciou uma execução e ficou aterrorizado, com tal brutalidade e o ato desumano.
A pena de morte além de ser uma total atrocidade era acima de tudo uma decisão política, onde percebesse que não ajudava em nada naquela época.
As pessoas morriam por diversos crimes, uns por coisas grandes e outros apenas por uma questão de sobrevivência, outros eram totalmente inocentes e morriam por nada.
O livro com a história de um personagem que foi condenado à morte, onde ele escreveu um diário, contando os seus dias que antecedem a guilhotina, a realidade que era presenciada dentro de uma cela e o quão era deplorável e desumano a convivência em cárcere.
Conta as precauções que eram tomadas, nem faca, nem garfo davam para as refeições, que usavam coletes de forças que eram tipo uma espécie de saco de lona para prender os braços.
Descreve a convivência junto com os outros prisioneiros, onde todos os domingos após a missa era permitido um passeio no pátio de apenas uma hora, onde cada prisioneiros contava sua história os golpes que eram aplicados e por que estavam presos, muito ainda se orgulham de tal atos que os levaram a prisão.
O protagonista conta que depois de um certo tempo o colete de força foi retirado e deram mais liberdade para poder ficar uma hora no pátio, assim também recebeu um caderno e lápis e assim foi possível escrever um diário com as sensações os sentimentos que ele sentia.
Expressa o sentimento da dor moral que é viver aquelas emoções e sensações dentro da prisão, onde frisa que a dor moral é muito maior do que uma dor física. E que os responsáveis por condená-lo não podem imagina o quanto é doloroso uma dor moral.
A intenção dele escrever esse diário foi em função de que possa um dia ser útil a outros, que isso faça deter o juiz prestes a julgar e que salve desgraçados, inocentes ou culpados, da agonia de ser condenado a morte.
O moroso tempo para execução da sentença era agonizante, o processo de numeração e registo era esquecido por alguns, porém a guilhotina tem muita gente à espera e cada um deve ir por sua vez.
Além da condenação ele ainda tinha que pagar as custas da guilhotina e estava deixando família como mãe filha e esposa.
Assim o protagonista cita que ao descrever um testamento para deixar sua herança que ainda não tinha certeza se ia conseguir deixar uma vez que tinha que arcar com os custos da prisão e os mesmos eram absurdamente caros.
Não deixou de descrever a cela onde viveu por semanas, uma pequena cela que se alinham em ângulo reto sobre o pavimento de lajes, um degrau acima do nível do corredor externo.
À direita da porta, para quem entra, há uma espécie de buraco, a que eles querem dar o nome de alcova. Nesse lugar se deita um feixe de palha, onde se julga, que o preso descansa e dorme, vestido com umas calças de linho, uma camisola de riscado, e isto tanto de inverno, como de verão.
Não haviam janelas, nem respiradouro. A porta da entrada era de madeira, toda chapeada de ferro com uma abertura de nove polegadas quadradas.
Por fora tinha um corredor muito comprido, iluminado e arejado por meio de respiradouros estreitos praticados no alto dos muros e dividido em
compartimentos de pedra e cal, cada um destes compartimentos serve como de antecâmara às prisões e nelas se encerram os forçados condenados a penas disciplinares pelo diretor da prisão. Os três primeiros quartos eram reservados para os condenados à morte, era mais próximos da casa do carcereiro.
Conta como eram as prisões do antigo castelo de Bicêtre, tal qual foi edificado no século quinze pelo cardeal de Winchester, o mesmo que mandou queimar Joana d'Arc.
Eis que num momento de insônia e vendo que não tinha o que se fazer, começou a observar as paredes da sala que vivia e as muitas mensagens que eram deixadas pelos condenados anteriores.
Ali na cela que ele vivia já tinha passado diversos outros nomes, que tinha cometido crimes aterrorizantes.
O livro cita as seis semanas que o prisioneiro está na cadeia até ele ser levado para guilhotina.
Há um padre que acompanha os condenados e tenta consola-los, porém o padre já não se comove mais com a pena de morte, devido a presencia-la várias vezes por dia, vai se acostumando com isso e essa é só uma das várias reflexões que livro me traz.
Uma delas e a horrível sangrenta e implacável idéia de que a morte é um espetáculo como algo extremamente banal.
O protagonista mostra por exemplo em vários momentos do seu desprezo profundo pelas pessoas que gostam de ficar assistindo a desgraça alheia e saber agora que ele próprio seria uma vítima dessa mesma multidão era algo extremamente humilhante ao que parece uma das principais preocupações.
A tortura psicológica por trás da pena capital, uma coisa é você saber que vai morrer, outra é porque a vida tem um fim, porém a pior é você sabe antecipadamente o momento exato de sua própria morte, sendo assim o autor tenta mostrar os leitores as diferentes posturas que uma pessoa pode ter ao lidar com a circunstância.
Em certos momentos ele entender que a vida nem era tão boa assim, então nem tem porque ele ficar se lamentando.
Ele já não via mais saída para a reversão da pena aplicada, as probabilidades eram nulas, porque tudo estava em regra!
As testemunhas depuseram, os advogados advogaram, como lhes cumpria, e os juízes julgaram bem. Com coisa nenhuma poderia contar.
O recurso era como uma corda, que tem suspenso um homem sobre um abismo e que se ouve estalar a cada instante e que se quebra. As sensações eram diversas e uma delas era se sentir como se estivesse no cutelo da guilhotina e esse levasse seis semanas para cair.
Em nenhum momento o protagonista perde a esperança de ser absolvido de sua pena.
Porém ele começa a pensar na filha, na família e entra em desespero quase que de mediato, em muitos momentos ele lembra da sua família, da sua infância do seu primeiro amor, mas nada disso diminui a sua angústia as boas lembranças não causavam conforto, muito pelo contrário elas provocaram uma verdadeira dor de saber que outras coisas boas não teriam a possibilidade de se repetir e acontecer novamente.
Victor Hugo escreveu esse livro, como uma crítica na verdade a pena de morte que era realizada e o que ele pensa sobre esse ato.
Por fim o livro O último dia de um condenado temos um convite do autor para refletir sobre os impactos que a pena de morte pode provocar.
A pena de morte é um assunto muito polêmico. Minha oposição quanto a pena de morte é que essa ação não se ensina nada ao condenado e depois da execução quem fica com a dor da perda é a família, o alivio é apenas para quem recebeu a justiça.
A controvérsia é se devemos manter um indivíduo em convívio
Adriana
Adriana fez um comentário
salvo
0 aprovações
Francisco
Francisco fez um comentário
Salvou
0 aprovações
Carregar mais