Buscar

MEDRESUMOS Vacinas e Soros

Prévia do material em texto

Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● IMUNOLOGIA 
1 
 
www.medresumos.com.br 
 
 
VACINAS E SOROS 
 
 Os mecanismos de imunidade podem ser de dois tipos: (1) resistência natural (inata, ou seja, geneticamente 
herdada – como por meio do leite materno ou placenta – e sua função protetora não é específica); (2) imunidade 
adquirida (induzida e específica). 
 Porém, a imunidade pode ser naturalmente adquirida de duas formas: ativa e passiva. Na imunidade ativa, as 
células do indivíduo são ativadas pelos microrganismos, ocorrendo proliferação de clones específicos de linfócitos T e B, 
que são mantidos no organismo, durante anos, como células de memória. Na imunidade passiva, as células do 
indivíduo não são ativadas, mas os produtos da ativação dos LB, ou seja, os anticorpos são recebidos prontos. 
 A aquisição da imunidade passiva ocorre apenas na fase inicial da vida, quando os anticorpos da classe IgG 
passam pela placenta e os da classe IgA, pelo leite materno. A criança tem apenas capacidade de, ativamente, produzir 
IgM (sendo que este não apresenta ainda capacidade de alterar seu isotipo). 
 Tendo em vista esses dois conceitos de imunidade ativa e passiva, podemos induzi-las de duas formas: 
 Ativa, pelo uso de vacinas, que são formas modificadas, menos virulentas, do agente causador da infecção, o 
que faz com que o nosso sistema imune, de maneira ativa, crie seu próprio mecanismo de defesa (como a 
produção de células de memória para uma futura resposta mais veloz e eficaz); 
 Passiva, pelo uso de soros ou imunoglobulinas, específicos ou não. 
 
 
VACINAS 
 Por meio das vacinas, aplica-se o patógeno atenuado em um paciente sadio, o qual ativará seu sistema 
imunológico, passando a produzir células de memória que vão prevenir uma futura infecção desse patógeno. Baseia-se, 
portanto, em um mecanismo de prevenção. 
 As vacinas (cujo nome advém de vaccinia, o agente infeccioso da varíola bovina, que, quando é injectado no 
organismo humano, proporciona imunidade à varíola no ser humano) são substâncias, como proteínas, toxinas, partes 
de bactérias ou vírus, ou mesmo vírus e bactérias inteiros, atenuados ou mortos, que ao serem introduzidas no 
organismo de um animal, suscitam uma reação do sistema imunológico semelhante à que ocorreria no caso de uma 
infecção por um determinado agente patogênico, desencadeando a produção de anticorpos que acabam por tornar o 
organismo imune ou, ao menos mais resitente, a esse agente (e às doenças por ele provocadas). 
 São, geralmente, produzidas a partir de agentes patogênicos (vírus ou bactérias), ou ainda de toxinas, 
previamente enfraquecidos. Ao inserir no organismo esse tipo de substâncias, fazemos com que o corpo combata o 
agente levando à estimulação a síntese de anticorpos, que protegem o nosso organismo, além de desenvolver a 
chamada memória imunológica, tornando mais fácil o reconhecimento do agente patogênico em futuras infecções e 
aumentando a eficiência do sistema imune em combatê-lo. Quando o corpo é atacado por algum agente patogénico o 
organismo encontra-se protegido. 
 
HISTÓRICO 
 430 a.C.: o historiador Tucídides observou que as pessoas recuperadas da “praga de Atenas” (peste bubônica, 
causada por Yersina pestis) ficavam protegidas de uma segunda infecção fatal. 
 2 mil anos depois, no final do século XVII: a ideia da imunização artificial começou a se delinear, resultando 
numa das maiores conquistas da imunologia: a vacina. 
 1720 – Variolação: prevenção da varíola em indivíduos por meio do uso de secreções oriundas das pústulas de 
pacientes acometidos pela doença, porém de maneira branda. 
 1721: na Inglaterra, usava-se clinicamente a variolação pelo contato com o material proveniente de indivíduos 
com uma forma mais branda da doença. 
 1796: O médico inglês Edward Jenner, observando ordenhadeiras, após o contato com a varíola bovina 
(cowpox-vacínia), ficavam protegidas da varíola humana (smallpox), iniciando uma prática que um século mais 
tarde viria ser chamada vacinação, por Louis Pasteur. O criador da primeira vacina, contra a varíola, foi, de fato, 
Edward Jenner. Em 1796 Jenner observou que as vacas tinham nas tetas feridas iguais às provocadas pela 
varíola no corpo de humanos. Os animais tinham uma versão mais leve da doença, a varíola bovina. Ao observar 
que as moças responsáveis pela ordenha, que comumente acabavam infectadas pela doença bovina, quando 
expostas ao vírus humano tinham uma versão mais suave da doença, ele recolheu o líquido que saía destas 
feridas e o passou em cima de arranhões que ele provocou no braço de um garoto. O menino teve um pouco de 
febre e algumas lesões leves, tendo uma recuperação rápida. 
 Os trabalhos de Pasteur apresentaram uma lógica similar à de Jenner, mas fundamentada em trabalho 
laboratorial. Ele observou que bacilos da cólera aviária (Pasteurella septica) tornavam-se menos virulentos por 
envelhecimento ou aumento de temperatura e induziam a uma resposta protetora diante de uma infecção 
Arlindo Ugulino Netto. 
IMUNOLOGIA 2016 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● IMUNOLOGIA 
2 
 
www.medresumos.com.br 
virulenta; baseado nessas observações, ele começou a cultivar diferentes agentes infecciosos atenuados com a 
finalidade de produzir vacinas. 
 
OBS
1
: Datas de Introdução das vacinas mais comuns: 1798 Varíola; 1885 Raiva; 1923 Difteria; 1927 Tuberculose; 1927 
Tétano; 1935 Febre amarela; 1955 Polio injectavel (VIP); 1962 Polio oral (VAP); 1964 Sarampo; 1970 Rubéola; 1981 
Hepatite B. 
 
 
 
TIPOS DE VACINA 
 As primeiras vacinas produzidas por Jenner e Pasteur foram provenientes de microrganismos vivos 
atenuados. Além dessas, há atualmente vacinas que utilizam microrganismos mortos ou inativados. Ambos os tipos 
apresenta vantagens e desvantagens. 
 Vacinas com microrganismos atenuados: podem ser produzidas por meio de diversas técnicas. Este tipo de 
vacina é produzida com microrganismos de baixa virulência, indutores de reação cruzada (por meio de um vírus 
que apresenta determinantes antigênicos semelhantes ao vírus que se deseja prevenir, o que leva à ativação de 
clones de linfócitos T e B que propiciam uma reação cruzada). Ex: vacina contra febre tifoide; bem como podem 
ser produzidas com microrganismos virulentos atenuados em cultura (consiste na atenuação do agente 
infeccioso por passagens sucessivas em meios de cultura); Ex: BCG (vacina contra a tuberculose). Em resumo, 
podemos destacar duas técnicas distintas: 
o Método de Pasteur: o objetivo deste método seria atenuar em cultura para que haja a perda da 
patogenicidade e a ativação do sistema imune, no intuito de evitar a infecção. A técnica se baseia no tipo 
de agente a ser inoculado: (1) bactérias: passagens sucessivas do meio de cultura com o micro-organismo 
por um longo período; (2) vírus: manutenção em células não-humanas, fazendo com que ele perca a sua 
patogenicidade. 
o Método de Jenner (reação cruzada): uso de micro-organismos de espécies diferentes (e 
preferencialmente, não patogênica) que compartilham determinantes antigênicos dos patogênicos, o que 
gera uma reação cruzada no organismo que, ao mesmo tempo que fabrica anticorpos para lutar contra um 
peptídeo não patogênico, produz meios de defesa contra peptídeos semelhantes, mas patogênicos. Ex de 
vacinas virais: sarampo, rubéola, caxumba, poliomielite, febre amarela. Ex de vacinas bacterianas: 
tuberculose. 
 
 Vacinas produzidas com peptídeos sintéticos: por meio da identificação e isolamento dos determinantes 
antigênicos de um agente infeccioso, fazendo uso da tecnologia do DNA recombinante, tem-se propiciado que 
peptídeos sintéticos sejam produzidos em grande quantidade. Para que um peptídeo sintético seja produzido, o 
seu gene precisa ser clonado e inserido em células de inseto ou bactérias para que estas secretem grande 
quantidade desses antígenos. Esses peptídeos sintéticos são, em geral, compostos de 10 a 20 aminoácidos e 
quando são inoculados, se não forem degradados totalmentedentro das APCs, é muito pouco provável que um 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● IMUNOLOGIA 
3 
 
www.medresumos.com.br 
número suficiente de moléculas se acople diretamente a molécula do MHC-II. Para superar este problema, os 
peptídeos são associados a moléculas carreadoras proteicas (lipossomos) e administrados com adjuvantes 
(como citocinas), que aumentam a resposta inflamatória por estimular o sistema imune. 
 
 Vacinas de DNA recombinantes inserido em vetores de baixa virulência: os genes indutores da expressão 
de peptídeos antigênicos devem ser reconhecidos e clonados. Esses genes são então introduzidos em 
microrganismos de baixa virulência natural, como o BCG e o vírus da vacina. Esses microrganismos nos quais o 
gene é introduzido são chamados de quiméricos, pois expressam determinantes antigênicos não normalmente 
presentes em sua estrutura. Os microrganismos quiméricos são inoculados e fagocitados, processados e 
apresentados pelas moléculas de MHC. Dessa forma, esse tipo de vacina reproduz vias naturais de infecção e 
propiciam que as respostas celulares (MHC-I apresentam aos LT citotóxicos) e humorais (MHC-II apresentam 
aos LT auxiliares). 
 
 Vacinas baseadas em toxoides (vacinas com antígenos purificados): as toxinas também podem ser 
inativadas tornando-se formas atóxicas (perde sua antigenicidade, mas ainda preserva sua imunogenicidade) 
denominadas toxoides ou anatoxinas, como no caso das vacinas antitetânica e antidiftérica. Faz-se uso das 
toxinas inativas de microrganismos patogênicos cujo mecanismo de patogenicidade se dá por essas toxinas. E 
esta forma como é elaborada, faz com que o organismo crie mecanismos imunes para atenuar estas toxinas. Ex: 
vacina contra difteria e tétano. 
 
 Vacinas de DNA: faz-se uso de plasmídeos contendo cDNA codificando proteínas importantes na indução à 
imunidade. Genes de citocinas e de moléculas co-estimuladoras podem ser associados ao DNA, aumentando a 
resposta imune. 
 
 Vacinas com microrganismos inativados: microrganismos podem ser inativados pelo calor, por agentes 
químicos (formaldeído, fenol) ou pela radiação. Mesmo com o microrganismo atenuado, seus determinantes 
antigênicos continuam capaz de desencadear uma resposta imune. Ex de vacinas virais: poliomielite, raiva, 
hepatite A, influenza. 
 
VANTAGENS E DESVANTAGENS 
 Microsganismos vivos atenuados: 
o Vantagens: são administrados por meio de 
uma única e forte dose (mas, dependendo do 
paciente, pode haver a necessidade de novas 
doses); ativam uma resposta imune tanto 
humoral quanto a celular. 
o Desvantagens: pode haver reações 
Inflamatórias locais e sistêmicas; pode haver 
mutação do micro-organismo e este se tornar 
mais virulento. 
o Ex: BCG; VORH; VOP; Febre amarela; Tríplice 
viral; Tetra viral. 
 Microsganismos Inativados 
o Vantagens: por desencadear uma fraca 
resposta imune humoral e celular, é 
praticamente ausente a incidências de reações 
inflamatórias. 
o Desvantagens: necessidade maior de repetição 
de doses. 
o Ex: Hepatite B; Pentavalente (DTP-HiB-
Hepatite B); Pnm-10; MnC; VIP; Hepatite A; 
HPV. 
 
 
FATORES IMPORTANTES NA ADMINISTRAÇÃO DA VACINA 
 Doses da vacina: dependendo de como a vacina foi produzida e de sua capacidade de produzir respostas 
imunes, a vacina pode ser administrada em uma única dose ou em doses reforçadas. Uma única dose de vacina 
é suficiente no caso de microrganismos vivos atenuados. Já no caso da administração de poliovíruos, caso 
ocorra infecção enteroviral intercorrente ou a administração de três tipos de vírus, devem ser repetidas as 
imunizações, pela redução na atividade da vacina. Em relação ao intervalo entre a primeira e as doses de 
reforço, este depende tanto de considerações teóricas quanto de observações clínicas. 
 
 Vias de administração: quando os antígenos presentes na vacina são vivos atenuados e a infecção natural 
ocorre pela mucosa, estes podem ser administrados pela via oral. As vacinas com vírus e bactérias que 
infectam as vias respiratórias podem ser administradas via intranasal ou por aerossol, estimulando o sistema 
imune das mucosas das vias aéreas. As vacinas com adjuvantes, como o hidróxido de alumínio, devem ser 
administradas por via intramuscular profunda (de preferência, na porção anterolateral da parte superior da 
coxa) e não pela via subcutânea, porque podem causar necrose tecidual. 
 
 Adjuvantes: são formulações diversas que permitem a liberação lenta dos antígenos, o que propicia maior 
migração celular e resposta imune mais eficiente. Alguns tipos de adjuvantes também apresentam a capacidade 
de ativar os macrófagos induzindo à produção de citocinas pró-inflamatórias, o que aumenta a resposta imune. 
Entre os adjuvantes de depósito usa-se hidróxido de alumínio, fosfato de alumínio, sulfatos duplos de potássio e 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● IMUNOLOGIA 
4 
 
www.medresumos.com.br 
de alumínio (alúmen), fosfato de cálcio e tartaratos de alumínio e de potássio. O complexo formado entre a 
adjuvante+antígeno apresenta as seguintes funções: 
 Fazer com que o antígeno seja liberado de forma lenta e, quanto mais tempo o antígeno permanece 
exposto ao organismo, favorecendo uma efetiva resposta imune. 
 Ativa macrófagos; 
 Induz citocinas pró-inflamatórias 
 Resposta Imune mais eficiente 
 
 
 Estado de saúde do paciente: a ocorrência de efeitos adversos após a administração de vacinas é muito rara 
na maioria das pessoas com sistema imune saudável. Podem ocorrer problemas no caso de reações alérgicas a 
componentes antigênicos, os adjuvantes e conservantes, a proteínas da gema de ovo (sarampo, caxumba, 
influenza e febre amarela) ou aos antibióticos presentes nas vacinas. Como efeitos adversos mais comuns, 
relatam-se: 
 Reações alérgicas com componentes da vacina (conservantes, adjuvantes, antibióticos) 
 DPT: febre, irritabilidade, edema, dor local 
 SABIN: paralisia (quando o antígeno sofre mutação: forma avirulenta  forma virulenta) 
 
DIFICULDADE DA PRODUÇAO DE NOVAS VACINAS 
 Existência de reservatórios animais: o fato de um microrganismo apresentar como reservatório natural um 
animal, dificulta bastante a produção de vacinas; 
 Alta infectividade; 
 Complexos ciclos de vida do micro-organismo; 
 Variabilidade Antigênica: quanto maior o número de determinantes antigênicos, maior a dificuldade na produção. 
 Custo financeiro 
 
 
SORO 
 O soro é uma forma de imunização passiva de efeito rápido, em que se administra diretamente o anticorpo ao 
paciente doente no intuito de inativar o patógeno, obtendo como resultado a recuperação da infecção. Baseia-se, 
portanto, em um mecanismo de tratamento. 
 A imunização passiva é usada em casos de imunodeficiências primárias de linfócitos B, e quando o paciente 
apresenta quadro de infecção por não ter sido vacinado. 
 Esse tipo de imunização pode ser realizado com imunoglobulina humana normal (gamaglobulina normal ou 
comercial), com imunoglobulinas humanas específicas e com soros específicos. As imunoglobulinas podem ser 
administradas por via intramuscular ou endovenosa. 
 
IMUNOGLOBULINAS 
 A imunoglobulina humana normal (IHN) é obtida de plasma de doadores de sangue em geral. A tecnologia 
empregada para a purificação das Ig propicia a precipitação de IgG, que consiste em 85% das imunoglobulinas; as 
Arlindo Ugulino Netto ● MEDRESUMOS 2016 ● IMUNOLOGIA 
5 
 
www.medresumos.com.br 
concentrações menores são de IgM (10%) e de IgA (5%). A via de escolha é intramuscular ou endovenosa e a 
concentração de imunoglobulinas depende da qualidade do doador. Os inconvenientes da administração são: dor no 
local, mal-estar, febre, reações anafiláticas. Esse tipo de imunoglobulina pode ser usado na profilaxia da hepatite A e B, 
rubéola, sarampo, varicela. 
 As imunoglobulinas específicas são obtidas de plasma de doadores selecionados: pessoas submetidas 
recentemente à vacinação contra determinado microrganismo ou convalescentes da doença que se quer evitar.Faz uso 
da Técnica de Purificação e purificação Ig específica e escolha da via intramuscular ou endovenosa. Esse tipo de 
imunoglobulina é usado nos casos de Hepatite B, raiva, tétano, varicela. 
 
SOROS ESPECÍFICOS 
 Os soros utilizados de forma terapêutica na espécie humana são produzidos, na maior parte das vezes, em 
cavalos e por isso são soros heterólogos. Esses soros, por apresentarem moléculas diferentes em relação às 
humanas, podem induzir à resposta imune e causar choque anafilático ou hipersensibilidade do complexo imune em 
casos de administrações consecutivas. 
 A técnica utilizada é a transferência do soro (pool de anticorpos) para um animal de outra espécie (como de um 
cavalo para o homem), sendo tratados previamente com enzimas proteolíticas. 
 Desvantagens: Choque Anafilático, Imunocomplexos (inflamação). 
 Uso: Antidiftérica, antirrábica, antitetânica.

Continue navegando

Outros materiais