teoria familiar sistêmica correto
5 pág.

teoria familiar sistêmica correto


DisciplinaPsicoterapia Familiar Sistêmica16 materiais236 seguidores
Pré-visualização1 página
Raquel Silva Faria
Terapia familiar sistêmica
Lauro de Freitas \u2013 BA
2018
Teoria Familiar Sistêmica 
A Teoria Sistêmica tem suas origens na física quântica, a partir da mudança na visão de mundo, onde passou-se da concepção linear-mecanicista de Descartes e Newton para uma visão holística e ecológica. O termo holístico, do grego \u201cholos\u201d, totalidade, refere-se a uma compreensão da realidade em função de totalidades integradas, cujas propriedades não podem ser reduzidas a unidades menores. Vivemos hoje num mundo globalmente interligado, no qual fenômenos biológicos, psicológicos, sociais e ambientais são todos interdependentes, intimamente interligados, sistêmicos.
Pode se dizer que Bateson, antropólogo e Jackson, psiquiatra, foram os primeiros a desenvolver conceitos sistêmicos, em relação ao comportamento humano, com a assistência e colaboração de Haley e Weakland. (fonte: https://bit.ly/2m4dCvs). 
Trabalhos pioneiros sobre o pensamento sistêmico, entre as décadas de 1950 e 1970, traziam raízes teóricas em comum, assim como a visão sobre o papel do terapeuta. O terapeuta era entendido como um observador externo ao sistema, e sua tarefa principal era detectar padrões disfuncionais na família para prescrever modificações nas sequências interracionais e/ou nos padrões de hierarquia e organizacionais da família. 
Gregory Bateson separou-se do grupo de pesquisa no final dos anos 1960 e Jackson fundou o Mental Research Institute (MRI), na mesma cidade de Palo Alto, que se tornaria internacionalmente famoso por seus trabalhos com famílias. Ao mesmo tempo, em outros lugares dos EUA, diferentes profissionais, em alguns momentos desconhecendo o trabalho de seus colegas, também começaram a atender famílias dentro dos referenciais que, atualmente, chamamos de sistêmicos.
Destacam-se 3 tipos de terapias, terapia familiar estratégica, terapia familiar estrutural, terapêutica de Milão.
 	
Terapia Familiar Estratégica:
Minuchin é o principal teórico da Escola Estrutural e para ele a família é um sistema que se define em função dos limites de uma organização hierárquica. O sistema familiar diferencia-se e executa suas funções através de seus subsistemas.
A estrutura não é, para Minuchin (1974), uma entidade imediatamente acessível ao observador. É no processo de união com a família que o terapeuta obtém os dados. A medida em que a terapia evolui, o terapeuta coloca questões, identifica os padrões transacionais e as fronteiras, levanta hipóteses sobre os padrões disfuncionais e obtém assim um mapa familiar.
O terapeuta deve ajudar a transformação do sistema familiar, e para isto ele se une à família desempenhando o papel de líder, identifica e avalia a estrutura familiar, e cria circunstâncias que permitam a transformação da estrutura. As mudanças terapêuticas são alcançadas através das operações reestruturadoras, tais como: a delimitação de fronteiras, a distribuição de tarefas, o escalonamento do stress e a utilização dos sintomas. A terapia estrutural é uma terapia de ação, e o sintoma é visto como um recurso do sistema para manter uma determinada estrutura.
 Terapia com foco no sintoma que é trazido como problema pela família (mesmo que observe outros comportamentos que poderiam ser traduzidos como problema pela equipe, estes não serão, a princípio, objetos de abordagem).
Tradução do sintoma em termos de comportamentos (se uma família diz que o filho é hiperativo, os terapeutas procuram descobrir quais são as ações deste filho que o levaram a essa definição: \u201cele não para quieto\u201d, \u201cconversa com os colegas o tempo todo\u201d, \u201cnão presta atenção em nada\u201d, \u201cnão deixa espaço para os demais\u201d).
Terapia Familiar Estrutural :
Para Haley (1976) o que caracteriza o sistema familiar é a luta pelo poder. Ele utiliza o termo estratégico para descrever qualquer terapia em que o terapeuta realiza ativamente intervenções para resolver problemas. A visão estratégica define o sintoma como expressão metafórica ou analógica de um problema representando, ao mesmo tempo, uma forma de solução insatisfatória para os membros do sistema em questão.
A resolução dos problemas requer a substituição dos padrões interacionais. A abordagem terapêutica é pragmática: trabalham-se as interações e evitam-se os porquês. O principal objetivo é mudar o comportamento manifesto do paciente. São utilizadas instruções paradoxais que consistem em prescrever comportamentos que, aparentemente, estão em oposição aos objetivos estabelecidos, mas que visam a mudanças em direção a eles. A instrução paradoxal é mais freqüentemente utilizada sob a forma de prescrição de sintoma, isto é, encorajando-se aparentemente o comportamento sintomático. 
 Identificar e tipificar as fronteiras entre os subsistemas: existentes, inexistentes, existentes e definidas, permeáveis ou impermeáveis.
Reorganizar a localização espacial da família durante as sessões, proporcionando uma experiência que \u201cperturba\u201d a estruturação com que estão acostumados, buscando um rearranjo que continue após a terapia.
Redefinir as regras de funcionamento e poder dentro do sistema familiar.
Fortalecer o subsistema conjugal e parental.
Terapêutica de Milão:
A principal representante deste grupo é Mara Selvini Palazzoli que, juntamente com Boscolo, Ceccin e Prata, fundou em 1967 o Centro para o Estudo da Família. Partindo dos mesmos pressupostos teóricos da Escola Estratégica, Palazzoli et al (1980) consideram que os problemas que emergem quando os mapas familiares não são mais adequados, ou seja, os padrões de comportamento desenvolvidos não são mais úteis nas situações atuais. Dada a tendência à homeóstase, os problemas surgem quando as regras que governam o sistema são tão rígidas que possibilitam padrões de interação repetitivos, homeostáticos e vistos como "pontos nodais" do sistema.
Um princípio terapêutico fundamental para o grupo de Milão é a conotação positiva dos comportamentos apresentados pela família. Quando se qualificam como positivos os comportamentos sintomáticos, motivados pela tendência homeostática do sistema e não os comportamentos. Outro tipo de intervenção utilizada pelo grupo de Milão é o ritual familiar, ou seja, uma ação ou uma série de ações das quais todos os membros da família são levados a participar. A prescrição de um ritual visa evitar o comentário verbal sobre as normas que perpetuam o jogo em ação. No ritual familiar novas regras substituem tacitamente as regras precedentes. Para elaborar um ritual o terapeuta deve ser bastante observador e criativo. O ritual é rigorosamente específico a uma determinada família.
Atendendo famílias com pacientes esquizofrênicos, descobriram um padrão de interação que denominaram de paradoxo, inspirados da Teoria do Duplo Vínculo de Bateson (elas buscavam tratamento, mas queriam manter sua homeostase, a qual, por sua vez, fazia parte da gênese do problema).
Era uma terapia breve, em média 10 sessões quinzenais ou mensais.
Trabalham em grupo (time): o terapeuta \u2013 ou uma dupla, de preferência mista, um homem e uma mulher \u2013 atendiam a família, e o resto do grupo observava atrás do espelho unidirecional.
Depois de um tempo, o(s) terapeuta(s) saia(m) da sala e discutia(m) o caso com o restante da equipe, criava(m) hipóteses sobre a família e estabelecia(m) as diretrizes a serem passadas para a família. O(s) terapeuta(s) retornava(m) à sala de terapia e comunicava(m) à família as ideias do grupo, e prescrições a serem seguidas.
Não viam os sintomas como patologias isoladas, mas como algo importante para que a família mantivesse sua homeostase.
	
Referências:
http://www.scilo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98931996000100007 
https://avaeduc.com.br/mod/url/view.php?id=368436
http://www.scielo.br/pdf/pcp/v16n1/07.pdf