A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
14 pág.
Relatório Estágio II Serviço Social

Pré-visualização | Página 2 de 3

expandindo assim para o resgate, o fortalecimento de vínculo familiar. 
Mostrar a importância da participação na família ao trabalho desenvolvido na 
Instituição, que reflete no crescimento e desenvolvimento das crianças e 
adolescentes. 
Optamos pelo Projeto “Pão em Família GAVIA”, ou seja, em um projeto atender 
duas demandas, necessárias para o crescimento pessoal, profissional, e familiar. 
O exercício da profissão do Assistente Social, é substancialmente interventivo, 
exigindo que o profissional tenha sempre atitudes investigativas em seus 
compromissos com as demandas sociais. O papel do profissional dentro de uma 
organização não governamental, é de extrema importância, pois atua diretamente 
com os usuários. 
Trabalhando de acordo com os Art.3 e Art.4 do estatuto da Criança e Adolescente, 
assegurados por lei, a garantia dos direitos básicos, facilitando o seu 
desenvolvimento em condições de liberdade e dignidade, sendo dever da família, 
sociedade, comunidade e o poder público assegurar esses direitos reservados. 
Ofertando um espaço de convivência, formação para a cidadania, desenvolvimento 
do protagonismo e da autonomia das crianças e adolescentes, a partir dos 
interesses, demandas e potencialidades dessa faixa etária. 
O presente relatório apresenta e esclarece a definição do Estágio Curricular 
Supervisionado II do Curso de Serviço Social à Distância da Universidade 
Anhanguera Uniderp 6º Semestre. 
Após a identificação da instituição em que foi realizado o Estágio Supervisionado I, 
Projeto de Pesquisa. 
 
Demonstra também o alcance social dos projetos, programas e serviços 
encontrados na organização, onde são atendidas em média 103 crianças e 
adolescentes, em situação de vulnerabilidade socioeconômica. 
 O interesse pela problemática trabalhada surgiu a partir das demandas 
apresentadas, durante os atendimentos da equipe técnica da instituição e os 
objetivos do projeto concretizaram na perspectiva de aumentar a Capacitação 
familiar, e fortalecer os vínculos familiares. 
A metodologia do presente Projeto será pautada na metodologia da participação, na 
demanda de trabalho para Capacitação, e Educação na área específica da culinária 
a Panificação Artesanal. Desenvolvida em conjunto participativo da Família ou 
Responsáveis, visando Fortalecer, Resgatar o Vínculo Familiar dessas crianças e 
adolescentes. 
Uma Oficina que possibilite Educação, Capacitação, e ao mesmo tempo a prática ao 
exercício da cidadania, convivência em grupo e família. Contribuindo para o 
desenvolvimento artesanal, cultural, educacional dos atendidos. 
Dentro desse contexto, dividimos a Oficina em Dois Módulos: Teórica e Prática em 
duas aulas cada, com duração total de 12hrs. 
No primeiro momento foi desenvolvido uma pesquisa cunho bibliográfico com cujo 
objetivo de fazer uma fundamentação teórica que servirá de base para a 
compreensão e explicação da relação e intervenção que envolve o profissional de 
Serviço Social com a política de Atendimento a Crianças e Adolescentes. 
Em seguida realizamos reuniões para Planejamento do Projeto de Intervenção com 
a Equipe da Ong Gavia, reunião com os pais e responsáveis, Equipe Técnica do 
Fundo de Solidariedade de Limeira e Ceprosom, que ministraram as aulas, para 
ajustes como cronograma da Oficina e etc. 
E assim seguimos o Cronograma: a entrega dos Ofícios para os Parceiros 
Financeiros, impressão dos Certificados e Ficha de Pesquisa/Questionários. 
Dentro do objetivo, do Projeto de Intervenção, trabalhamos com a pesquisa-ação, 
que consiste na produção do conhecimento guiada pela prática, com a modificação 
de uma dada realidade ocorrendo como parte do processo de pesquisa, uma 
metodologia que visa à transformação. 
A promulgação da Constituição Federal de 1988 traz uma nova concepção para a 
Política de Assistência Social, situando-a no campo dos direitos dos cidadãos que 
dela necessitarem e como dever do Estado, compõe o tripé da Seguridade Social, 
 
de caráter não contributiva, cuja organização está configurada de forma 
descentralizada e hierarquizada em níveis de complexidade. 
Neste serviço há grupos específicos para o desenvolvimento do trabalho: Serviço 
para crianças de até 6 anos, Crianças e adolescentes de 6 a 15 anos, em situação 
de vulnerabilidade social.. Segundo a Tipificação Nacional dos Serviços 
Sócioassistenciais (2009, Pág. 11) trata-se de um Serviço realizado a partir da 
organização de grupos, voltado ao desenvolvimento de atividades com crianças, as 
famílias e a comunidade visando o fortalecimento de vínculos e a prevenção da 
ocorrência de situações de risco, como exclusão social, trabalho infantil e as 
diversas formas de violência intrafamiliar. O Serviço supracitado se encontra 
norteado no reconhecimento da criança enquanto pessoa em condição peculiar de 
desenvolvimento, na condição de sujeito de direitos, abrangendo como meios de 
promoção da proteção social deste ciclo de vida as experiências lúdicas e vivências 
artísticas e culturais. 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 4– CONSIDERAÇÕES FINAIS 
 
O Estágio Supervisionado II, traz ao acadêmico do curso de Serviço Social a 
iniciação do exercício profissional a partir do diagnóstico da realidade organizacional 
praticada no Estágio I, conforme as necessidades que envolveram o trabalho 
pertencente à área do Serviço Social. 
É inerente ao Estágio II o uso, pelos acadêmicos, dos instrumentais técnico-
operativo, teórico-metodológico e ético político a serem empregados de acordo com 
o código de ética do profissional de serviço social. 
O Estágio Supervisionado II nos comtempla: 
• Ênfase na elaboração do projeto de intervenção a partir do diagnóstico sócio-
institucional (Estágio I); 
• Aprofundamento da articulação teórico-prática; 
• Planejamento de processos de trabalho típicos do serviço social; 
• Elaboração do projeto de intervenção na área escolhida. 
O assistente social opera e gestiona os serviços apensos às políticas públicas e 
sociais, identificando demandas de atendimento, construindo diagnóstico, 
estabelecendo propostas analíticas e interventivas. Essa profissão fundamenta-se 
na realidade social, ou seja, é da competência do assistente social: 
Explicar e compreender como, na particularidade prático-social de cada profissão, se traduz o 
impacto das transformações societárias [...] consiste em determinar as mediações que 
conectam as profissões particulares àquelas transformações (NETTO, 1996, p. 89). 
 
 
O Estágio Supervisionado II em destaque ao Projeto de Intervenção foi realizado, 
onde foram desenvolvidas atividades, tais como Encaminhamentos, 
Acompanhamentos, Requerimento de Benefícios Assistenciais, Cadastros sócio-
econômico, Visitas domiciliares e Escolares, Campanhas sócio- educativas, 
Dinâmica em grupo, Reuniões, Projetos, Parecer social, Preenchimento de 
Formulário, da Programação Semanal e do Relatório Mensal. 
A disciplina de estágio curricular é um espaço privilegiado, onde o acadêmico 
adquire conhecimentos relativos à sua área de formação, desenvolvendo 
habilidades de trabalhar em equipe multidisciplinar e interdisciplinar, conhecimentos 
necessários para a realização de intervenções sociais, pesquisas, elaboração, 
apresentação de registros e relatórios, colocar em prática o que aprendeu na teoria 
 
e tomar as atividades do estágio como um processo contínuo de exame sobre o 
desenvolvimento e a construção da própria profissão. 
Essa interação configura-se também como um aprendizado orientado, onde exercita 
as dimensões teórico-metodológicas, adquiridas no processo da sua formação 
acadêmica, numa