A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
47 pág.
Teorias da Personalidade ArqI

Pré-visualização | Página 1 de 2

Personalidade, Valores e Atitudes
Centro Universitário Joaquim Nabuco
Desenvolvimento Pessoal e Trabalhabilidade
Arquivo I
2019.1
Os níveis de Consciência
Níveis de Consciência
Os três níveis de Consciência
Consciente – é o sistema do aparelho psíquico que recebe ao mesmo tempo as informações do mundo exterior e as do mundo interior. Na consciência destaca-se o fenômeno da percepção, principalmente a percepção do mundo exterior, a atenção, o raciocínio, dos sentimentos, pensamentos, lembranças e fantasias do momento.
Os três níveis de Consciência
Pré-consciente – refere-se ao sistema em que permanecem os conteúdos acessíveis à consciência. É aquilo que não está na consciência nesse momento, mas no momento seguinte pode estar.
 conteúdos que podem facilmente chegar à consciência. 
Os três níveis de Consciência
Inconsciente – exprime o conjunto de conteúdos não presentes no campo atual da consciência. É constituído por conteúdos reprimidos, que não têm acesso aos sistemas pré-consciente/consciente, pela ação de censuras internas. Esses conteúdos podem ter sido conscientes em algum momento, ou serem genuinamente inconscientes.
A força do Inconsciente
O termo Inconsciente incorporou-se de tal forma à linguagem corrente, que se torna até difícil imaginar o pensamento e o comportamento sem aceitar sua existência.
Atualmente, atribui-se, com naturalidade, a responsabilidade por determinados atos ao inconsciente.
Modelo estrutural de Personalidade
Entre 1920 e 1923, Freud remodela a teoria do aparelho psíquico e introduz os conceitos de id, ego e superego para referir-se aos três sistemas da personalidade.
 
 
 
Carga Genética
Ambiente
Experiência
Personalidade
Comportamento
 Caráter
Principais aspectos que determinam o comportamento individual
EGO
EGO (palavra latina que significa “eu”): responsável pelo contato do psiquismo com a realidade externa; contém elementos conscientes e inconscientes (Freud, 1974:37).
O ego atua de acordo com o princípio da realidade (Freud, 1974:39). Ele procura unir e conciliar as reivindicações do id e do superego com as do mundo externo, harmonizando seus reclamos e exigências – frequentemente incompatíveis (Freud, 1974:99).
ID
ID – A parte mais primitiva e menos acessível da personalidade, constituída de conteúdos inconscientes, inatos ou adquiridos, que buscam a contínua gratificação
O Id não conhece juízo de valor (bem,moral), busca sempre a satisfação imediata – diz-se que ele atua de acordo com o princípio do prazer (Freud, 1934:39) – e a ele não se aplicam as leis lógicas do pensamento.
 Nele podem habitar conteúdos contrários sem que um anule ou diminua o outro (Fadiman e Frager, 1986:11).
 
SUPEREGO
Superego: atua como um censor do ego. Representa, em geral, as exigências da moralidade. Tem a função de formar os ideais, a auto-observação etc. (Freud, 1974:70-71). O superego constitui “ a força moral da personalidade. Ele representa o ideal mais do que o real e busca a perfeição mais do que o prazer” (Hall, Lindzey e Campbell, 2000:55).
Esse componente do psiquismo recompensa o ego por comportamentos aceitáveis e cria sentimentos de culpa para castigá-lo por ações ou pensamentos contrários a princípios morais (Davidoff, 1983:521).
TEORIA DO DESENVOLVIMENTO PSICOSSEXUAL
A Teoria de Freud enfatiza uma seqüência de estágios no desenvolvimento da libido
Os processos psicológicos parecem estar sempre paralelamente aos processos fisiológicos básicos
Dizemos que as teorias psicológicas são anaclíticas (suportadas) ao biológico
Freud fala basicamente em dois processos maturacionais: 
 - O desenvolvimento psicossexual (LIBIDO) - fonte de gratificação sexual em diferentes zonas 
 - Maturação do ego - ego se diferencia da personalidade global do recém–nascido, aumento do princípio da realidade e dos processos secundários, aparecimento dos mecanismos de defesa e compreensão das relações interpessoais.
O desenvolvimento do ego representa maturação cognitiva (Piaget), o desenvolvimento psicossexual representa maturação afetiva
Libido é a energia afetiva original que mobiliza o organismo na perseguição de seus objetivos e que sofrerá progressivas organizações durante o desenvolvimento, cada uma das quais suportada por uma organização biológica emergente no período
A libido é uma energia voltada para a obtenção de prazer 
É definida como uma energia sexual, num sentido amplo, caracterizando cada etapa de desenvolvimento numa fase Psicossexual do Desenvolvimento
O conceito de fase pressupõe a organização da libido em torno de zonas erógenas definidas, dando uma modalidade de relação ao objeto
As fases do desenvolvimento psicossexual organizadas pela libido são: fase oral, fase anal, fase fálica, período de latência e fase genital 
Tendência natural para o desenvolvimento sucessivo das fases, mas se num dado momento a angústia é muito forte, o Ego é obrigado a mobilizar mecanismos para enfrentá-la
Isto cria um Ponto de Fixação, um momento no processo evolutivo no qual paramos, por não poder satisfazer um desejo, e onde também paramos porque aí deixamos energia imobilizada
Na fase adulta isso aparecerá como um processo chamado Regressão – voltar ao desejo que não foi satisfeito (fantasia infantil)
 
FASE ORAL
	
No recém-nascido, a estrutura biológica sensorial mais desenvolvida é a boca
Libido concentra-se na boca e áreas próximas
É pela boca que começará a conhecer o mundo
É pela boca que fará sua primeira e mais importante descoberta afetiva: o seio
Que é o seu primeiro objeto de ligação, depositário de seus amores e ódios
O seio já existe para a criança quando ainda não consegue reconhecer o objeto total: a mãe
A relação da criança com a mãe está relacionada com a relação estabelecida com o seio
A redução da tensão é alcançada pela amamentação, provocando prazer de natureza sexual
Narcisismo primário: não há relação com objetos externos, o mais importante nessa fase é a redução das necessidades do organismo
Incorporação: primeira forma de conhecer o mundo
Primeiro subestágio: oral passivo ou etapa oral de sucção, incorpora o que é dado e visa aprender o mundo (mãe, seio)
Segundo subestágio: oral ativo ou agressivo, ou oral sádico-canibal, coincide com o início da dentição. Posição ambivalente: amar- incorporação, mastigar-destruição.
Fixação na Fase Oral
Problemas de dependência, apego e “ingestão de substâncias;
Morder, chupar, mastigar balas duras;
Tragar cigarro
Ingestão, distúrbios alimentares
FASE ANAL
Início aos dois anos, mais ou menos, a libido passa da área oral para a anal
Maturação psicomotora, andar, falar e o controle dos esfíncteres, movimento de pinça com as mãos
Libido organiza-se sobre a zona erógena anal
Dois processos básicos estão se organizando na evolução psicológica:
Fantasias da criança sobre seus primeiros produtos
E como se relaciona com o mundo através desses produtos (andar, falar e fezes)
Duas modalidades de relação serão estabelecidas: projeção e controle
Os produtos anais são objetos que vêm de dentro do próprio corpo, são de certa forma parte da criança, geram prazer ao serem produzidos
Muitas vezes durante o treino dos esfíncteres, as fezes são dadas como presente aos pais
Quando o desenvolvimento é normal, quando a criança ama e sente que é amada pelos pais, cada elemento que ela produz é sentido como bom e valorizado
O sentimento básico que fica estabelecido e levará para as etapas posteriores é a de que seus produtos são bons, ou seja, um sentimento geral de adequação
Etapas anais:
Anal expulsivo: etapa inicial é biologicamente caracterizada pelo domínio da expulsão das fezes, relacionado com os mecanismos psicológicos da projeção
Anal retentivo: ligado ao controle dos esfíncteres, relacionado aos mecanismos psicológicos de controle
Fixação na fase anal
Apreciar piadas de banheiro;
Gostar