2015 Apostila de Estetica e Historia da Arte
14 pág.

2015 Apostila de Estetica e Historia da Arte


DisciplinaEstética e História da Arte I652 materiais27.422 seguidores
Pré-visualização14 páginas
templos, a arte representou uma teologia da imagem. Na parte interna, a arte pode ser concretizada através de pinturas, mosaicos e esculturas. A imagem bizantina foi um aumento do tempo do dogma e o progresso doutrinal através da doutrina da arte.

	Elementos se fundiram para originar a arte bizantina atuante neste período com ênfase nas criações arquitetônicas, já que pouco restou da pintura, da escultura e dos mosaicos da época. Postado por Gaby e Nati.

Período Justiniano (527-565)

	
	Corresponde a determinação dos importantes traços dessa arte imperial. Os projetos arquiteturais diversificaram-se: planta retangular de naves variável e coberta com uma cúpula. Santa de Constantinopla, concedida a Artêmios de Talles e Isidoro de Mileto, é o mais destacado templo dessa época juntamente com as Igrejas de Ravena e Santa Catarina do Sinais. A crise do iconoclasmo, caracterizado pelo desprezo da imagem do divino, favoreceu o monaquismo e o surgimento da escola capadociana.
Período Macedoniano

	
	Também nomeada a 2ª fase áurea bizantina o período inicia-se com Basílio I (867-886) e o ápice é atingido no reinado de Constantino VII Porfirogênito (945-959) aos meados do século X, a decoração das igrejas era de forma hierárquica: cúpulas, altar-mor e partes superiores, todos destinados às figuras celestes (Cristo, a Virgem Maria e os Santos).As partes intermediárias, como áreas de sustentação, às cenas da vida de Cristo, as partes inferiores, à evocação de patriarcas, profetas, apóstolos e mártires eram figuras expressas dentro dos templos.
A tendência, cor e aspecto das diferentes cenas variam de modo sutil, para formar a impressão de espaço e reverter tensão dinâmica à superfície achatada e estática das figuras.

Período Comeneniano

	Há uma independência maior da tradição, o que destaca-se basicamente é a religiosidade, que mais tarde servirá de modelo à arte bizantina dos Balcãs e da Rússia, que coloca em prática nos ícones e pinturas as expressões mais elevadas.
Período Paleologuiano (1258-1460)

	O realismo e decoração narrativa tenderam a propagar-se. As imagens estão cheias de personagens; os afrescos se multiplicaram. Os mais importantes centros de arte sacra bizantina são tessalônicas, Trebizonda e Mistra.
	Apesar do desaparecimento do império, a arte bizantina manteve-se com sua marca nas regiões mais variadas, como o monte Atos, a Iugoslávia, a Bulgária, a Romênia e a Rússia, onde continuaria a desenvolver notáveis ícones.
Período ítalo-bizantino

	
	Parte da Itália foi ocupada pelos bizantinos, gerando o Estilo Ìtalo- Bizantino, expandindo-se por Veneza, Siena, Pisa, Roma e na Itália meridional.Seguido do ícone, pintores de gênero, formaram os objetivos fundamentais da pintura italiana.A influência da arte-bizantina ainda no século XIV repercutiu principalmente nos primeiros expoentes da pintura veneziana.

 A ARTE ROMÂNICA \u2013 (1000 - 1100)
	
	Com a conversão de boa parte da Europa ao cristianismo, a partir do século 4, a honorável arte clássica, tida como pagã, foi abandonada com a vitória da nova crença pregada pelos Apóstolos de Jesus. Muitos dos templos religiosos e prédios públicos dos romanos e dos gregos foram destruídos, abandonados ou reaproveitados pelos cristãos. Lentamente, das ruínas do passado mundo pagão, um novo estilo começou a ser forjado, uma linha artística e estética que melhor expressou o sentimento religioso dos povos convertidos à Cruz.
	

	

	Num primeiro momento, no tempo da Alta Idade Média, denominou-se a expressão artística daquela época de estilo românico, num período posterior, durante a Baixa Idade Média, foi chamado de estilo gótico. O cristianismo oriental, por sua vez, cuja capital espiritual era Constantinopla (Bizâncio), e que somente sucumbiu mil anos depois da queda de Roma, manteve uma identidade estética própria, conhecida como Estilo Bizantino, que muito influenciou a arte medieval ocidental.

	

Frontal de Esquius - Barcelona
	A arte românica foi a arte cristã do Ocidente europeu desenvolvida entre os séculos XI e XII. Ela marcou a ruptura com o período clássico da Era Greco-Romana e serviu como ponte para o estilo seguinte, quando então evoluiu para formas arquitetônicas ditas góticas ou ogivais.Tornou-se a expressão artística dos tempos dos cruzados, das lutas dos mouros contra os cristãos, da proliferação das Ordens Religiosas, das constantes refregas travadas entre o imperador e o papa, e entre os reis e os barões feudais que tanto empobreceram a Europa.
	A construção da época foi fundamentalmente religiosa, pois somente a Igreja cristã e as ordens religiosas possuíam fundos suficientes ou pelo menos a organização eficiente para arrecadá-los e financiar o erguimento de capelas, de igrejas e de mosteiros.Expressão de um tempo belicoso e inseguro, pobre em atividades comerciais e mercantis, os edifícios da época do românico, além de toscos, assemelham-se à fortalezas. Era uma estética da pedra bruta, de paredes expostas quase sem reboco, com um diminuto número de janelas e interiores geralmente sombrios.
	A arte românica não é fruto do gosto refinado da nobreza nem das ideias desenvolvidas nos centros urbanos. Trata-se de um estilo totalmente clerical. A igreja tornou-se a única fonte de encomendas de trabalhos artísticos.
	A escultura ficava concentrada no tímpano. Está inteiramente subordinada à arquitetura e à religião, são esculpidos relevos e estátuas colunas que ornamentam as paredes externas das construções românicas,mostram cenas do Antigo e Novo Testamento, o juízo final, figuras de animais fantasiosos e demônios.Tanto a escultura como a pintura Românica retratavam temas religiosos, pois numa época em que havia pouquíssimos letrados, a Igreja recorria à arte para transmitir os ensinamentos religiosos.

	
	Cenas da ascensão de Cristo eram freqüentes, assim como os sombrios dioramas do Juízo Final em que demônios agarram almas desesperadas e diabos horríveis estrangulam e cospem nos corpos nus dos condenados.

	Na pintura a deformação: o artista interpretava de modo místico a realidade e retratava seus sentimentos religiosos nas figuras de forma desproporcional. Cores vivas e planas. Perfis bem marcados.

	

	A pintura também aparece nos manuscritos sob a forma de iluminuras, ou seja, ilustrações de textos com cores vivas, ornamentadas com ouro e prata.

	
	A arte românica predominou até o início do séc. XVII, quando surgiram as primeiras mudanças que mais tarde resultariam numa revolução na arquitetura. De modo depreciativo, essa nova arquitetura foi chamada de Gótica pelos estudiosos do renascimento. Eles relacionaram esse novo estilo aos \u201cgodos\u201d (povo bárbaro de origem germânica que invadiu o império Romano). Com o passar do tempo, o nome Gótico ficou definitivamente relacionado à arquitetura de arcos ogivais.
O GÓTICO \u2013 (1100 - 1300 d.C)
	São Francisco de Assis inicia uma nova situação para as representações, ao dizer que animais e plantas são criações divinas. Uma inovação nas obras é a representação de sentimentos e emoções das personagens representadas.
	O estilo gótico tem ênfase na leveza estrutural na iluminação das naves do interior do edifício, e surgiu em contraposição à massividade e à deficiente iluminação interior das igrejas românicas.
	Paredes são substituídas por grandes bem mais leves possibilitando melhor iluminação que ainda permite representar passagens e figuras do catolicismo. Além da pintura onde os artistas não estavam muito preocupados com o realismo, e sim em passar mensagens religiosas, a tapeçaria foi a mais importante forma de arte. A mais famosa tapeçaria medieval é A Senhora e o Unicórnio.

	

	Música medieval é o termo dado a música típica do período da idade media da música ocidental européia. Cantochão: É um tipo de música muito simples: sem acompanhamento na sua primeira fase, apenas uma melodia,