A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
2 pág.
Aap3 - História da Educação

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material Aap3 - História da Educação - página 1
Pre-visualização do material Aap3 - História da Educação - página 2

Aap3 - História da Educação

Aap3 - História da Educação
1)Na década de 1920, houve uma intensificação na reforma da educação a partir do contanto com as ideias da Escola Nova, de John Dewey, sendo correto afirmar que:
Alternativas:
a)O Governo Federal implantou em todos os níveis reformas inspiradas pela Escola Nova.
b)Não houve nenhuma influência prática com a chegada das ideias da Escola Nova.
c)O Governo Federal proibiu as reformas educacionais inspiradas na Escola Nova.
d)Vários estados brasileiros promoveram reformas educacionais.
e)O Governo Federal incentivou financeiramente todas as reformas educacionais nos estados.
2)Com a abolição da escravatura e com a proclamação da República a população negra não teve acesso facilitado à educação formal. O preconceito foi reafirmado por teses higienistas e eugenistas, sendo correto afirmar que:
a)Durante a República Velha a população negra estava proibida de frequentar as escolas públicas no país.
b)A partir da abolição da escravatura, a população negra não teve nenhuma restrição para acessar os variados níveis da educação brasileira.
c)Legalmente alguns estados permitiram as matriculas, mas a desigualdade social e o preconceito faziam com que a educação das crianças negras se desenvolvesse muito mais na vida cotidiana e nas mais variadas formas de luta e de sobrevivência.
d)A partir da abolição da escravatura e da proclamação da República a população negra foi assistida com políticas de reparação e com cotas étnico-raciais para acessar a educação superior.
e)Com a abolição da escravatura à população negra foi permitida legalmente apenas o acesso à educação fundamental.
3)Em 1932, com o lançamento do "Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova", o movimento pela reforma da educação no Brasil foi anunciado, sendo correto afirmar que:
a)Os reformadores da educação defendiam uma educação única, laica, gratuita, obrigatória e a coeducação, a cargo do Estado.
b)Os reformadores da educação defendiam um ensino religioso, a cargo do Estado.
c)Os reformadores da educação defendiam a transformação radical da sociedade capitalista, afirmando que uma nova educação só seria possível numa nova sociedade.
d)Os reformadores da educação defendiam o ensino tradicional.
e)Os reformadores da educação defendiam uma educação libertária, com base nas ideias anarquistas.
4)Ainda que a escolarização tenha sido bastante ampliada, as dificuldades de implantação das medidas indicadas nas Leis Orgânicas de Ensino, em 1942, foram imensas e as propostas governamentais esbarravam na realidade brasileira, sendo correto afirmar que:
Alternativas:
a)O Governo Vargas não tinha interesse em promover reformas educacionais, já que as iniciativas privadas assumiram cada vez mais as funções educacionais no Brasil, seguindo um modelo liberal adotado desde o início de seu governo.
b)A quantidade de professores leigos continuava alta. As escolas normais, de formação de professores, tornaram-se redutos de classes médias e de profissão feminina. Os cursos secundários continuaram como espaços propedêuticos, o dualismo escolar permaneceu e o ensino fundamental foi negligenciado.
c)Os governos estaduais promoveram reformas educacionais, enquanto que o Governo Vargas reformou apenas o Ensino Fundamental, negligenciando o Ensino Técnico e o Superior. Isso foi consequência de sua política de descentralização política e administrativa desde o início de seu governo.
d)Os reformadores da Educação Nova impediram qualquer alteração no sistema educacional brasileiro, pois acreditavam que a educação deveria ser responsabilidade privada de cada família, que buscaria no mercado as melhores opções educacionais oferecidas.
e)Os católicos não permitiram as reformas educacionais do Brasil, pois defendiam uma concepção libertária de educação em que a sociedade, auto-organizada, deveria promover sua própria formação, livre das amarras do Estado.