FICHAMENTO paulo freire
10 pág.

FICHAMENTO paulo freire


DisciplinaPsicologia, Educação e Direitos Humanos39 materiais84 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Fichamento livro Pedagogia da Autonomia- Paulo Freire
	No livro Pedagogia da Autonomia de Paulo Freire destacar a importancia do educando ter autonomia, possuir habilidade de ensinar com etica, a necessidadedo professor respeitar seus alunos e alem disso deixar claro que o ensinamento não depende só do euducador, asim como a apredizaguem não depende só do aluno.
Capitulo 1 - Prática docente: primeira reflexâo
"É posssivel, sobretudo, e aí já vai um destes saberes indispensáveis, que o formando, desde o principio mesmo de sua experiencia formadora, assumindo-se como sujeito também da produção do saber, seconvença definitivamente de que ensinar não é trasferir conhecimento, mas criar as possibilidades prara a sua produção ou sua construção."( pag. 24)
"Aprenderprecedeu ensinar ou, em outras palavras, ensinarse diluía na experiencia realmente fudante de aprender." (pag. 26)
	Para Freire o educando, mesmo com uma ampla bagagem de conhecimentos, ele vai ter que se submeter aprender algo novo a cada momento com seus alunos pois apartir dai o estudante vai ter confiaça em si mesmo e construir seu proprio conhecimento baseado nas ações do seu docente.
	Na frase [...]não há docência sem discência[..] (pag-25) Paulo Freire explicaque os dois substantivos completa um a outro poisquem ensina aprende ao ensinar e quem aprende ensina apreder, ja em outo momento do livro o autor afirma [...] que não há ensino sem pesquisa e nem pesquisa sem ensino[...] (pag-30)nesta afirmaçao ele afirma que o professor precisa se dedicar a pesquisar determinado assustos e conteudos paraservir de mediador no processo de apredizaguem e outro ponto que se destaca é que é sempre sempre necessario se questionar,saber pensar sobre a relidade, para assim desenvolver a auto-critica dos seu alunos.
	1-1 Ensinar exige rigorosidade metódica
" O educador democrático não pode negar-se o dever de, na sua pratica docente, reforçara capacidade crítica do educando, sua curiosidade, sua isubmissão''(pag-28) 
" Pelo contrário nas condições, nas condições de verdadeira aprendizagem os educandos vãose transformando em reais sujeitos da construção e da reconstrução do saber ensinado, ao lado do euducador, igualmente sujeito do processo." (pag-28)
" Só na verdade,quem pensa certo, mesmo que, ás vezes, pense errado é quem pode ensinar a pensar certo." (pag-29)
	1-3 ENSINAR EXIGE RESPEITO AOS SABERES DOS EUDUCANDOS
" Por que não aproveitar a experiência que têm os alunos de viver em áreas da cidade descuidadas pelo poder poder públicos para dicutir, por exemplo,a poluição dos riachos e dos córregos e os baixos níveis de bem-estar daspopulaçoes, os lixões e os riscos que oferecem asaúde das gentes" (pag-32)
" Por que não discutir com os alunos a realidade concreta a que se deva associar a disciplina cujo o conteudo se ensina,a realidade agressiva em que a violência é constante" (pag-32)
	1-4 Ensinar exige criticidade 
" Não haveria criatividade sem curiosidade que nos move e quenos põe pacientemente impacientes diante do mundo que não fizemos,acrecentando a ele algo que fazemos." (pag-33)
	1-5Ensinar exirge estética e ética
'' A prática educativa tem de ser,em si, um testemunho rigoroso de decência e de pureza." (pag -34) 
" Uma critica permanente aos devios fáceis com que somos tentados ás vezes ou quase sempre, a deixar as dificuldades que os caminhos verdadeiros podem nos colocar".(pag-34)
	1-7 Ensinar exirge risco, aceitaçâo dono e reijeiçâo a qualquer forma de descriminaçâo
	''A tarefa coerente do educador que pensa certoé, exércendo como ser humano a irrecusável prática de inteligir, desafiar o educando com quem se comunica, a quem comunica, a produzir sua compreensão do que vem sendo comunicado.''(pag-39)
	1-8Ensinar exige reflexão crítica sobre a prática
" Por isso, é funadamental que, na prática da formação docente, o aprendiz de educador assuma que o indispensável pensr certo não é presentedos deuses nem se acha nos guiar deprofessores que iluminados intelectuais escrevem desde o centro do poder mas pelo contrario, o pensar certo que supera o ingênuo temqueser produzido pelo próprio aprendiz em comunhão com o professor formador." (pag-39)
	1.9 Ensinar exige o reconhecimento e a assunção da identidade cultural 
	" Uma das tarefas mais importantes da prática educativo-crítica é propiciar as condições em que os educandos em suas relações uns com os outros e todos com o professor ou a professora ensaiam a experiência profunda de assumir-se. Assumir-se como ser social e histórico, como ser pensante, comunicante,transformador,criador,realizador de sonhos, capaz de ter raiva porque capaz de amar." (pag-42)
	 "Às vezes, mal se imagina o que pode passar a representar na vida de um aluno um simples gesto do professor. O que pode um gesto aparentemente insignificante valer como força formadora ou como contribuição à do educando por si mesmo."(pag-43)
Capitulo 2 - Ensinar não é transferir conhecimento
	" Saber que ensinar não é transferir conhecimento, mas criar as possibilidades para a sua própria produção ou a sua construção."(pag-47)
	2-1 Ensinar exige consciência do inacabamento
	"Só os seres que se tornaram éticos podem romper com a ética." (pag-51)
	2-2 Ensinar exige o reconhecimento de ser condicionado 
	"É na inconclusão do ser, que se sabe como tal, que se funda a educação como processo permanente. Mulheres e homens se tornaram educáveis na medida em que se reconheceram inacabados. Não foi a educação que fez mulheres e homens educáveis, mas a consciência de sua inconclusão é que gerou sua educabilidade." (pag-57)
	"Este é um saber fundante da nossa prática educativa, da formação docente, o da nossa inconclusão assumida. O ideal é que, na experiência educativa, educandos, educadoras e educadores, juntos, \u201cconvivam\u201d de tal maneira com este como com outros saberes de que falarei que eles vão virando sabedoria." (pag-57)
	2-3 Ensinar exige respeito à autonomia do ser do educando
	''Do educando criança, jovem ou adulto. Como educador, devo estar constantemente advertido com relação a este respeito que implica igualmente o que devo ter por mim mesmo. Não faz mal repetir afirmação várias vezes feita neste texto\u2013o inacabamento de que nos tornamos conscientes nos fez seres éticos."(pag-58)
	2-4 Ensinar exige bom senso
	''Saber que devo respeito à autonomia, à dignidade e à identidade do educando e, na prática, procurar a coerência com este saber, me leva inapelavelmente à criação de algumas virtudes ou qualidades sem as quais aquele saber vira inautêntico, palavreado vazio e inoperante.** De nada serve, a não ser para irritar o educando e desmoralizar o discurso hipócrita do educador, falar em democracia e liberdade mas impor ao educando a vontade arrogante do mestre." (pag-61)
	"Não é possível respeito aos educandos, à sua dignidade, a seu ser formando-se, à sua identidade fazendose, se não se levam em consideração as condições em que eles vêm existindo, se não se reconhece a importância dos \u201cconhecimentos de experiência feitos\u201d com que chegam à escola. O respeito devido à dignidade do educando não me permite subestimar, pior ainda, zombar do saber que ele traz consigo para a escola." (pag-62)
	''Daí a importância do exemplo que o professor ofereça de sua lucidez e de seu engajamento na peleja em defesa de seus direitos, bem como na exigência das condições para o exercício de seus deveres."(pag-64)
	2-5 Ensinar exige humildade, tolerância e luta em defesa dos direitos dos educadores
	"O combate em favor da dignidade da prática docente é tão parte dela mesma quanto dela faz parte o respeito que o professor deve ter à identidade do educando, à sua pessoa, a seu direito de ser. Um dos piores males que o poder público vem fazendo a nós, no Brasil, historicamente, desde que a sociedade brasileira foi criada, é o de fazer muitos de nós correr o risco de, a custo de tanto descaso pela educação pública, existencialmente cansados, cair no indiferentismo fatalistamente cínico