A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
48 pág.
2 - sociologia

Pré-visualização | Página 1 de 19

Sumario
A conquista e a exploração da América Espanhola ................................................................... 7
1.Os fundamentos da colonização: Mercantilismo e Absolutismo ........................................ 7
A Era da colonização ........................................................................................................................ 7
2.A conquista espanhola da América ............................................................................................8
1.A conquista espanhola da América .......................................................................................... 12
Sumário do Volume
Sociologia
5. Cultura ou cultura? ........................................................................................................5
5.1 Cultura como resultado da produção humana .....................................................................5
5.2 Classifi cação de cultura(s) ........................................................................................................ 8
6. Movimentos e manifestações culturais .....................................................................15
6.1 Cultura de massa .......................................................................................................................15
6.2 Contracultura (http://cnec.lk/05wp) .....................................................................................18
7. Ciência dos homens e ciência da diferença .............................................................. 24
7.1 A noção de cultura e a ciência antropológica .................................................................... 24
7.2 Desenvolvimentos da Antropologia ...................................................................................... 34
8. Diferenças culturais.................................................................................................... 39
8.1 Diferença e desigualdade ........................................................................................................ 39
Sumário Completo
Volume 1
1. Sociologia: o estudo da sociedade?
2. Contexto histórico de surgimento da Sociologia
3. O processo de socialização
4. Relação indivíduo/sociedade
Volume 2
5. Cultura ou culturas
6. Movimentos e manifestações culturais
7. Ciência dos homens e ciência da diferença
8. Diferenças culturais
Volume 3
9. Trabalho como categoria sociológica propriamente humana
10. Trabalho e relações de produção ao longo da história
11. Trabalho nas sociedades modernas (Taylorismo, Fordismo e Toyotismo)
12. O mundo do trabalho nos dias atuais
51ª Série do Ensino Médio - Vol. 2
5. Cultura ou cultura?
Fig.5.1
Fig.5.8
Fig.5.2 Fig.5.3 Fig.5.4 Fig.5.5 Fig.5.6
Fig.5.7 Fig.5.9
Fig.5.10 Fig.5.11 Fig.5.12
5.1 Cultura como resultado da produção humana
Problemática do capítulo: Discutir a ideia de cultura como produção humana ao longo da 
história e como resultante da necessidade
A montagem das fotos – abertura do capítulo – mostra a diversidade alimentar, hegemônica em cada continente ou país, retratando como diferentes agrupamentos humanos, por 
distintos motivos – sociais, geográficos, históricos, entre outros –, foram, ao longo de milênios, 
construindo padrões; nesse caso, alimentares, a fim de garantir a satisfação de necessidades – 
Sociologia
Sociologia
6 1ª série do Ensino Médio
obter nutrientes. Evidentemente, esses padrões compuseram-se de forma lenta, passando por 
contínuas modifi cações. Podemos notar que as mudanças “mais rápidas” se deram instrumental 
e tecnicamente. Quer dizer, os seres humanos tendem a aperfeiçoar as técnicas para obterem 
comida. Há ainda outras técnicas, como, por exemplo, de produção de conhecimento, 
instituições da sociedade (justiça) e organização social, que também vão sendo aprimoradas. 
Há as tecnologias e todo o aparato industrial e mecânico que se desenvolvem cada dia mais 
rapidamente, e há costumes que demoram muito mais para mudar.
 Sob esse primeiro aspecto, há uma produção técnica e tecnológica que distingue os 
seres humanos dos outros animais. Os homens inventam mecanismos para melhor viverem 
no mundo e desfrutarem dele, satisfazendo suas necessidades biológicas e sociais. Estes são 
os únicos mecanismos passíveis de serem determinados como melhores, uns em relação aos 
outros, ou em termos de custo, benefício e efi ciência.
 A cultura material, como se vê, é mais tecnológica. E as instituições sociais? De modo simples, 
elas para regular e melhorar o convívio em sociedade. Desde Aristóteles1, sabe-se que o “homem 
é um animal político”, no sentido de que vive na pólis, isto é, na cidade, em grupo. O problema de 
viver em sociedade é a difi culdade de se respeitar o espaço alheio – sujeitar-se a regras comuns. 
Algumas dessas regras são explícitas – por exemplo, as leis – ao passo que outras são tácitas, 
implícitas – como os costumes, os hábitos, as crenças, as ideias, os valores que, como as leis, 
servem para organizar a vida social, embora muitas vezes as pessoas não “parem para pensar” 
a respeito do porquê fazem algo de um jeito e não de outro. Veja: não basta se alimentar, é 
preciso comer arroz, feijão e mais uma mistura. E não basta esses alimentos estarem reunidos, 
cada um deles é preparado de modo específi co e existe mais de uma maneira de prepará-los; 
inclusive, em ocasiões especiais são preferidos alimentos mais sofi sticados, evitando-se aqueles 
mais corriqueiros.
 De acordo com esse segundo ponto de vista, as técnicas são apropriadas pelas pessoas no 
seu dia a dia para satisfazerem suas necessidades orgânicas e sociais. É possível afi rmar, ainda, 
que as necessidades sociais englobam as biológicas, transformando-as, humanizando-as – os 
animais comem carne crua, já os humanos, cozida. Sobre esses mecanismos tácitos, as regras 
de convivência e o sentido, que faz executar uma ação de uma maneira e não de outra, não é 
possível dizer qual é melhor ou se há certo e errado. Quer dizer, para uma sociedade, existe o 
certo e o errado, para outra há outros valores. Por motivos sócio-históricos, as sociedades são 
diferentes, sem serem menos humanas por isso.
 Há exemplos concretos disso, como o fato de umas sociedades serem nômades e outras, 
sedentárias, devido a fatores de ordem geográfi ca e não a um “atraso” no desenvolvimento social. 
O fato de uns povos cultivarem rebanhos bovinos e alimentarem-se da carne deles e outros 
não, por julgarem que o bovino é sagrado, deve-se a razões de ordem sociológica e histórica, 
e não a crendices “pré-científi cas” ou “pré-racionais”. Aliás, a teoria cultural mais recente e mais 
importante para a Antropologia está sendo desenvolvida na Índia, ex-colônia da Inglaterra, e 
afi rma, entre outras coisas, que a cultura europeia/ocidental não é “moderna” porque é só mais 
uma cultura dentre milhares de outras, no sentido de que a Europa é apenas mais um bairro de 
uma cidade (e não o centro do mundo). O mesmo vale para a ciência desenvolvida na Europa/
Ocidente, que é encarada como apenas mais uma forma de conhecimento frente a outras – 
inclusive, a despeito dos notáveis avanços da ciência ocidental, os povos ocidentais costumam 
buscar nas culturas orientais milenares (chinesa e hindu) técnicas e conhecimentos alternativos 
(tratamentos naturopáticos, por exemplo).
 Já estudamos que uma pessoa se humaniza por intermédio do processo de socialização. Há 
numerosos “mecanismos” que tornam o ser humano apto para viver como tal. Em Ciências 
Sociais, mais particularmente na Antropologia, esses mecanismos de controle são defi nidos 
conceitualmente como cultura, que, no fundo, nada mais é do que o processo de socialização 
e seu resultado, desde a produção material até o mais imperceptível e refi nado comportamento. 
Esta é uma defi nição generalista, pode ser inferida a qualquer conceito de cultura. Contudo cada 
corrente