contestação
16 pág.

contestação


DisciplinaAção Civil Pública6 materiais18 seguidores
Pré-visualização5 páginas
Prefeitura Municipal de Cerejeiras
CNPJ/MF: 04.914.925/0001-07
Avenida das Nações, 1919 \u2013 Centro \u2013 CEP: 76.997-000
Cerejeiras \u2013 Rondônia
	
EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA 2ª VARA GENÉRICA DA COMARCA DE CEREJEIRAS \u2013 RO
Autos n. 7000665-05.2019.822.0013
Pedido com Urgência.
		O MUNICIPIO DE CEREJEIRAS \u2013 RO, pessoa jurídica de direito público, inscrita no CNPJ sob o nº 04.914.925/0001-07, situado a Avenida das Nações, nº 1919, bairro centro, Cerejeiras \u2013 RO, CEP 76997000, neste ato representado pela Prefeita Municipal, LISETE MARTH, brasileira, casada, portadora da Célula de Identidade RG sob nº. 3.198.751-2 SSP/RO, inscrita no CPF/MF sob nº. 526.178.310-00, residente e domiciliado na Rua Sergipe, nº.989, bairro centro, nesta cidade de cerejeiras/RO, CEP 76997000 por meio de seu procurador instituído pela Portaria n. 119/2018, segue em anexo, pessoa jurídica de direito público interno, vem, tempestivamente, perante Vossa Excelência apresentar CONTESTAÇÃO à Ação Civil Pública em epígrafe, por todos os propósitos factuais e jurídicos doravante aduzidos:
		
1 \u2013 BREVE RELATÓRIO DO NECESSÁRIO
			O autor, em sua petição inicial, alega:
Que o Município de Cerejeiras não observou os procedimentos previstos na Lei 8.666/93, que dispõe sobre alienação de bens públicos. Violação ao disposto no Art. 37, inciso XXI da CF/88 e lesão ao contido no Art. 17, I, c, da Lei 8.666/93.
Que as permutas oriundas dos processos administrativos n. 2048/2016 e 3189/2017, autorizados pelas Leis Municipais n. 2535/2016 e 2767/2018, estão revestidas de interesse privado.
Que desde a aprovação da Lei n. 2535/2016, \u201cpassados mais de dois anos\u201d a prefeitura não realizou a instalação da farmácia popular no prédio permutado.
Que a segunda permuta, processo administrativo n. 3189/2018, por se tratar de imóveis sem construções, terras nuas, era necessário prévia licitação, visando \u201campla concorrência\u201d.
Que as avaliações imobiliárias foram executadas de forma deficiente, sem observância das normas da ABNT NBR 14653-1 e 14653-2.
Que todas as permutas realizadas não atendem o interesse público, revelando assim, atos administrativos \u201cmaterialmente inconstitucionais\u201d.
O Ministério público na inicial requereu a concessão da tutela de urgência para que as rés abstenham-se de prosseguir com qualquer obra nos imóveis permutados;
Também requereu a suspensão dos efeitos dos atos administrativos, suspendendo as permutas realizadas através dos processos administrativos de n. 2048/2016 e 3189/2017, e requereu a constrição judicial dos imóveis sub judice.
No mérito, o Ministério Público, requereu que seja a ação civil pública julgada totalmente procedente, confirmando-se a tutela de urgência concedida e declarando-a estável.
No fim, A cota ministerial, requer que seja decretado a anulação dos atos administrativos inerentes às permutas dos imóveis referentes aos processos administrativos nº 2048/2016 e 3189/10/2017, determinando o desfazimento de todos os atos registrais a elas inerentes;
 A condenação do Município de Cerejeiras, sob pena de multa diária, no valor de R$ 1.000,00, a recair sobre o prefeito, na obrigação de não fazer, consistente em abster-se de realizar novas permutas, dispensando-se os procedimentos previstos nas normas de regências e desatenção ao princípio da supremacia do interesse público.
Todavia, a pretensão que em juízo se deduz, não merece nenhuma acolhida, como se demostra a seguir:
2 \u2013 DO MÉRITO
2.1 \u2013 DA EXISTÊNCIA DE INTERESSE PÚBLICO
		Conforme mencionado o Ministério Público alega na sua inicial, que a Prefeitura Municipal de Cerejeiras, não demostrou o interesse público, necessário para realização das permutas. Afirma veementemente que as intenções das permutas realizadas eram de favorecer os interesses privados da ACIC e SICOOB.
		Vossa Excelência, as duas permutas realizadas não apresentam mácula de inconstitucionalidade ou de qualquer ilegalidade, tampouco, é subsidiada pelo interesse privado.
		Todos os dois processos administrativos foram feitos em observância aos requisitos legais para alienação de que trata o caput e o inciso I, alínea c, do Art. 17 da Lei de Licitações. Quais sejam: a existência de interesse público expressamente justificado, realização de avaliação prévia do respectivo bem, e autorização legislativa. 
		O interesse público se exterioriza em toda atividade administrativa que busca o interesse geral, coletivo, diversamente, pois, do que ocorre com o interesse do particular, que está voltado à própria satisfação.
		
		O interesse público deve, portanto, observar dentre outros princípios, o da economicidade, relacionado à obtenção da melhor proposta para a administração, evitando-se, destarte, medidas administrativas que se apresentem antieconômicas ao erário.
				
		O prefeito da época, Senhor Airton Gomes, apresentou documento administrativo \u201cDA JUSTIFICATIVA DO INTERESSE PÚBLICO NA PERMUTA DE IMÓVEL PÚBLICO MUNICIPAL COM IMÓVEL DE PARTICULAR (ACIC)\u201d (segue em anexo. DOC. 00), onde ali está apresentado e comprovado todo o interesse público necessário para realização da permuta.
		Não houve qualquer demonstração de que as permutas dos imóveis tenham acarretado prejuízo material ao erário, notadamente, que se considerarem as avaliações imobiliárias realizadas, o valor do imóvel do particular referente à primeira permuta é de R$ 580.000,00, e o valor do imóvel da prefeitura municipal, terra \u201ccrua\u201d é de R$ 390.000,00. Não houve desembolso aos cofres públicos.
		Sobre a primeira permuta, processo administrativo n. 2048/2016, o interesse público se concretiza visto a vantagem econômica, uma vez que o imóvel publico não possuía edificação, e o imóvel do particular/ACIC, é edificado e se encontra no centro da cidade, local ideal para implantação da farmácia básica municipal, condicionada assim, ao serviço público essencial. 
		Na inicial, o parquet menciona que \u201cpassados mais de dois anos desde a edição da referida lei, n. 2535/2016, a prefeitura não procedeu com a mudança das instalações da referida farmácia para o prédio permutado\u201d.
		Indaga ainda \u201co interesse público, justificativa que ensejou aquisição do imóvel em que está instalada a ACIC, somente será atendido quando a entidade inaugurar sua nova sede, permitindo que o Município de Cerejeiras inicie a reforma do espaço para instalar a farmácia municipal?\u201d.
		A ACIC encaminhou ofício de n. 026/2017, solicitando autorização para permanecer em parte do imóvel permutado, colocando a disposição à outra parte do imóvel para o Município instalar a farmácia básica.
		
		A morosidade em face da instalação da farmácia básica no local ora permutado é devida a vários fatores inerentes a Administração Pública, tais como: problemas orçamentários, lavraturas da escritura pública do imóvel, confecção do projeto de engenharia para reforma do espaço destinado a farmácia básica, implantação de divisórias, atendimento as normas do Conselho Federal de Farmácia no Brasil, e alguns outros casos de força maior.
		Segue abaixo cronograma sobre os acontecimentos inerentes ao prédio permutado para farmácia básica, segue em anexo documentos de comprovação dos fatos expostos abaixo:
CRONOLOGIA DOS FATOS
	DATA
	DESCRIÇÃO DO FATO
	21/07/2016
	Memorando 049/2016/GAB \u2013 Solicitando parecer quanto à legalidade de realizar uma permuta de imóveis entre o Município e a Associação Empresarial de Cerejeiras - ACIC e Informando que no \u201ccafé da manhã empresarial\u201d da ACIC foi abordado o assunto de que a mesma havia realizado uma parceria com a SICOOB Credisul para construção de uma nova sede no local do prédio da Associação e que para isso precisaria demolir o imóvel ali existente, diante disso o Presidente da Câmara sugeriu que o município adquirisse o imóvel da ACIC, pois o prédio ali construído seria de grande utilidade para o poder público, como o município não tinha recursos disponíveis e a ACIC também não tinha o interesse de vender,