Anestesia local em Odontologia
13 pág.

Anestesia local em Odontologia


DisciplinaOdontopediatria899 materiais8.123 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Anestesia local em Odontologia 
 
Mecanismo de ação: 
Neurônios Sensoriais: recebem os estímulos 
recebidos de fora do corpo e produzidos 
internamente e os transmitem ao Sistema 
Nervoso Central (SNC); 
Neurônios Motores: recebem as informações 
do SNC e as transmitem para os 
músculos e glândulas do corpo; 
Neurônios Integradores: São encontrados no 
SNC e conectam os neurônios, 
interpretando estímulos sensoriais. 
 
 
 
 
 
 
Molécula do anestésico: 
 
 
Porção hidrofílica grupamento amina 
secundaria ou terciária \u2013 permite penetração 
tecidual. 
Cadeia Intermediária ligação química 
entre os 2 agrupamentos \u2013 Base para 
classificação do anestésico (amida ou ésteres) 
\u2013responsável pela alergenicidade, potência e 
metabolismo 
Porção lipofílica porção aromática \u2013 
responsável por difundir a solução pela bainha 
do nervo \u2013 lipossolubilidade. 
 
Ésteres Amidas 
\u2022 Menos estável 
\u2022 Maior 
toxicidade 
(derivados do 
PABA) 
\u2022 Mais estável 
\u2022 Menor 
toxicidade 
\u2022 Mais usado 
atualmente. 
 
Procaína 
Propoxicaina 
Tetracaína 
Benxocaina 
 
Lidocaína* 
Mepivacaina 
Prilocaina 
Bupivacaina 
Etidocaina 
Articaina (híbrido \u2013 
possui grupamento 
éster também) 
 
 
Bloqueio de funções pelos anestésicos por 
ordem: 
Dor a frio a calor a tato a pressão 
*A ordem de recuperação (reversão) é 
diretamente inversa à ordem de ação.
Requisitos da solução anestésica 
\u2713 Baixa toxicidade a depende da 
concentração no sangue e grau da 
dose de dependência \u2013 sendo que 
todo AL afeta SNC, sis. 
Respiratório e circulatório. 
crianças, idosos e debilitados 
sofrem reações toxicas em níveis 
sanguíneos mais baixos. 
 
\u2713 Não irritante aos tecidos 
 
\u2713 Não causar danos permanentes às 
estruturas nervosas 
 
\u2713 Início rápido de ação 
 
\u2713 Duração suficiente a determinada 
pelo grau de ligação proteica: 
quanto + ligações + segura será a 
droga por não se difundir para fora 
do local da injeção. 
 
\u2713 Ação reversível 
 
Como evitar reações tóxicas? 
\u2713 Avaliação criteriosa (anamnese); 
\u2713 Usar solução adequada para cada 
paciente; 
\u2713 Usar dose abaixo da DMR. 
\u2713 Reduzir por 1/3 a DMR em 
crianças debilitadas ou pré-
medicadas. 
\u2713 Usar vasoconstritor (d absorção) 
\u2713 Técnica da aspiração (evitar 
injeção IV) 
\u2713 Injeção lenta (d concentração 
sanguínea). 
Anestésicos mais usados em odontologia: 
Lidocaína 
*padrão ouro em odontologia. 
Ação: rápida 2 a 3 minutos 
Gestantes risco: B 
DMR: 7,7mg/kg ou 500mg total \u2013 13 
tubetes. 
Metabolização: hepática 
Vasodilatação: intermediária (maior que 
mepi e prilocaína) usar com 
vasoconstritor. 
Toxicidade e potência: 2x 
Concentrações: 2% ou 5% para uso tópico 
Mepivacaína 
 
Ação: rápida 1 ½ a 2 minutos. 
Gestantes: risco C 
DMR: 6,6mg/kg ou 400 mg total \u2013 11 
tubetes 
Metabolização: hepática 
Vasodilatação: leve. 
Toxicidade e potência: 
Concentrações: 2% com vaso ou 3% sem 
vasoconstritor. 
 
Prilocaína 
 
Ação: rápida 2 a 4 minutos. 
Gestantes: risco B quando SEM VASO 
DMR:8,0 mg/kg ou 600mg. 
Metabolização: hepática e pulmonar 
Vasodilatação: leve. 
Toxicidade e potência: 2x 
Concentrações: 4% s/ vaso 
Contraindicação: hemoglobinapatias 
(anemia falciforme e outras) 
insuficiência cardíaca ou respiratória 
associada à hipóxia xmetemoglobinemia. 
 
Bupivacaína: 
Ação: lenta 6 a 10 minutos 
Duração: \u2265 90 min. Pulpar e até 12 horas 
em tecido mole. 
Gestantes: não indicado por seu efeito 
muito prolongado. 
DMR: 2 mg/kg ou 90mg \u2013 10 tubetes 
máx. 
Metabolização: hepática 
Vasodilatação: alta \u2013 usar sempre com 
vasoconstritor. 
Toxicidade e potência: alta potência e 
baixa toxicidade 
Concentrações: 0,5% 
Benzocaína 
Uso tópico a 20% 
Único anestésico do grupo éster usado 
hoje. 
Não provoca absorção sistêmica. 
Produz anestesia com profundidade de 2 
a 3 mm em mucosa (seca) após aplicação 
de no mínimo 1 minuto (ideal que seja 3 
minutos). 
É preferível o uso de anestésicos tópicos 
em gel/pomada já que os sprays não 
ficam limitados à área de aplicação, 
podendo ser deglutidos pelo paciente. 
Aplicado com algodão ou cotonete. 
 
Articaína 
Estrutura química híbrida por possuir 
grupamento éster na sua região 
hidrofílica + anel tiofeno na região 
hidrofóbica maior difusão tecidual + 
rápida e ampla e menor meia-vida-
plasmática. 
Ação: rápida 1 a 2 minutos. 
Gestantes: risco C 
DMR: 7,0mg/kg ou 500mg máximo 
Metabolização: hepática e sanguínea 
Vasodilatação: intermediária. 
Toxicidade e potência: potência 1,5 x maior 
que a lido e toxicidade igual a lidocaína 
Concentrações: 4% com vaso. 
Duração: 50-60 minutos dentes 
superiores, 90-100 minutos inferiores e 3 
a 4 horas tecido mole. 
Particularidades: considerado AL padrão 
ouro para implantodontia. 
Altos índices de parestesia após BNAI. 
Pode causar metemoglobinemia em doses 
altas (não odontológicas). 
Vasoconstritores 
Efeito: constrição arteriolar local 
Vantagens dos anestésicos com vaso.: 
Menor toxicidade 
Menor quantidade necessária 
Maior duração e efetividade 
Hemostasia transoperatória 
 
 
Drogas sintéticas que imitam o efeito das 
catecolaminas endógenas \u2013 hormônio 
produzido pelas suprarrenais quando o 
SNC é ativado \u2013 mecanismo de defesa, 
também desencadeado por estresse. 
*Contém sulfitos 
Adrenalina, noradrenalina, fenilefrina, 
levonordrefina. 
Adrenalina /Epinefrina : 
Capacidade de se ligar aos receptores \u3b1 e \u3b2 
dos órgãos inervados pelo simpático 
\u201creação de alarme\u201d 
Contraindicações: 
Hipertieoidismo não controlado porque 
nesses pacientes o excesso do hormônio da 
tireoide causa uma exacerbação dos 
efeitos do sistema nervoso simpático, 
causando aceleração de vários sistemas 
corporais e sintomas que se parecem com 
sobredose de epinefrina (adrenalina); 
Cardiopatias descompensadas por 
aumentar a frequência cardíaca e pressão 
arterial. 
 Em pacientes compensados 
(tratados) pode ser usado, já que seus 
benefícios sobressaem ao risco, uma vez 
que a quantidade de adrenalina 
endógena excretada durante o estresse 
causado pela dor do procedimento alcança 
níveis muito mais altos e perigosos ao 
paciente. 
 
 
Noradrenalina/Norepinefrina 
Aumenta a pressão arterial 
não interfere na frequência cardíaca 
causa uma maior vasoconstrição podendo 
causar dano tecidual 
em doses altas pode causar escaras nos 
tecidos 
contraindicada em hipertireoidismo e 
cardiopatas descompensados 
Felinefrina 
Não provoca estimulo cardíaco direto mas 
provoca aumento grande de PA pelo 
Reflexo vagal = queda da frequência 
cardíaca 
 Interação medicamentosa com inibidores 
da MAO e antidepressivos tricíclicos 
Levonordefrina 
Semelhante à adrenalina Menos potente 
Maior quantidade de vasoconstritor (5x) 
é necessária para a obtenção do mesmo 
efeito anestésico. Potencializa o efeito de 
antidepressivos tricíclicos (NÃO utilizar 
nestes pacientes). 
 
 
 
Análogo sintético da vasopressina \u2013 
hormônio diurético (ADH) 
 
Felipressina / octapressin 
Sem efeito direto sobre o sistema 
cardiocirculatório (miocárdio). 
Mas é potente vasoconstritor coronário \u2013 
em altas doses pode causar crise de 
angina com isquemia miocárdica em 
paciente com deficiência na circulação 
coronária. 
 
Contra-indicações: 
Gestantes: Contração uterina 
Metahemoglobulinemia