A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
231 pág.
apostila OAB

Pré-visualização | Página 14 de 50

Causa é toda ação ou omissão sem a qual o resultado não teria 
ocorrido, como ocorreu (art. 13, caput, 2a parte) (Ex. morte por hemorragia provocada em hemofílico; 
morte decorrente de broncopneumonia advinda de ferimentos provocados pelo agente). 
 
TEORIA DA EQUIVALÊNCIA DAS CONDIÇÕES - CONTITIO SINE QUA NON 
 
Quando nos referimos a nexo causal, percebemos que o artigo 13 do Código Penal expressamente 
adota a teoria da equivalência das condições. Segundo esta teoria, qualquer condição que contribua 
para a produção do resultado ilícito deve ser considerado causa. Esta teoria é bastante ampla 
considerando como causa do resultado, por exemplo, a venda da arma de forma lícita para o autor do 
crime de homicídio, pois, segundo o procedimento hipotético de eliminação de Thyrén, "causa é todo 
antecedente que, suprimido mentalmente, impediria a produção do resultado", nas condições que 
ocorreu. No exemplo dado, a vítima não teria morrido com um tiro disparado pela arma vendida 
licitamente, caso a venda não tivesse sido concretizada. 
 
Como disse, esta teoria é bastante ampla abrangendo como causas do resultado eventos lícitos 
anteriores ao evento ilícito. Para não corrermos o perigo da regressão ao infinito, esta teoria sobre 
limitações. Antes de falarmos em imputação do resultado, devemos observar a vontade do agente. 
Será causa do resultado aquela condição anterior ao evento que tenha sido praticada com dolo ou com 
culpa na produção do resultado ilícito. Assim no exemplo acima, se a venda da arma foi realizada de 
forma lícida, sem intenção homicida, ela será retirada da cadeia causal e não poderá ser considerada 
juridicamente causa do resultado. 
 
RELEVÂNCIA NA OMISSÃO 
 
Do ponto de vista da relevância jurídica a omissão apresenta-se sob duas formas: 
 
a) Omissão própria ou pura. É aquela que objetivamente está descrita no tipo penal como uma 
conduta negativa de não fazer o que a lei determina, consistindo a omissão na transgressão da norma 
jurídica e não sendo necessário qualquer resultado naturalístico; 
 
b) Omissão imprópria (crimes comissivos por omissão). É aquela em que somente as pessoas 
referidas no parágrafo 2° do art. 13 do CP podem praticar, uma vez que para elas existe um dever 
especial de proteção. Aqui, é necessário que a omissão dê causa a produção de um resultado 
naturalístico para que o delito se consume. É o caso da mãe (detentora do dever legal de proteção e 
vigilância) que deixa de alimentar seu filho objetivando a sua morte, o que vem de fato a ocorrer. 
Responde por homicídio doloso. Na omissão imprópria encontramos mais uma espécie de adequação 
típica de subordinação indireta, ante a necessidade de utilização da norma de extensão para o devido 
complemento do juízo de tipicidade. Deixando para analise posterior o tipo omissivo próprio, 
passemos a analise da figura da omissão imprópria e sua relevância penal. 
 
São pressupostos fundamentais para a existência do crime omissivo impróprio: 
 
 
Exame de Ordem 
Direito Penal – Parte Geral e Especial 
Profs. Geibson Rezende e Kheyder Loyola 
 
 
 
redejuris.com 
 
32 
PROTEGIDO PELA LEI DOS DIREITOS AUTORAIS – LEI 9.610/98 
a) Poder agir. Assim como nos crimes comissivos, nos crimes comissivos por omissão o agente, 
diante da situação concreta, deve ter poder físico de agir para impedir o resultado. Caso ele não tenha 
esta possibilidade o resultado não lhe pode ser atribuído, mesmo que presentes os requisitos do artigo 
13, parágrafo 2°, do CP. É insuficiente, pois, o dever de agir. 
 
b) Evitabilidade do resultado. Além de poder e dever agir é necessário, para a caracterização do 
crime omissivo impróprio, saber se mesmo tendo agido, o resultado ocorreria ou não. Se chegar-se à 
conclusão de que a atuação do agente não impediria a produção do resultado, deve-se concluir que 
não foi ele quem deu causa ao resultado, não podendo o resultado lhe ser atribuído. 
 
c) Dever de impedir o resultado. Além de poder agir e que o resultado seja evitável, para a 
configuração do crime omissivo impróprio, é necessário que o agente tenha o dever especial de agir, 
nos termos previstos no artigo 13, parágrafo 2°, do CP. Nos seguintes termos: 
 
1) Tenha por lei obrigação de cuidado, proteção ou vigilância - Dever de proteção e assistência 
para com os filhos (obrigação resultante da lei civil - CC e ECA) - ex.: pai que intencionalmente deixa 
de alimentar seu filho recém-nascido, causando sua morte, responde por “homicídio doloso”;; 
 
2) De outra forma, assumiu a responsabilidade de impedir o resultado - Pode resultar de relação 
contratual, profissão ou quando, por qualquer outra forma, assumiu a pessoa a posição de garantidora 
de que o resultado não ocorreria; o dever jurídico não decorre da lei, mas de uma situação fática ou 
contratual - ex.: salva-vidas que zela pela segurança dos banhistas de um clube; 
 
3) Com seu comportamento anterior, criou risco da ocorrência do resultado- ex.: aquele que, por 
brincadeira, joga uma pessoa na piscina e, posteriormente, percebe que esta não sabe nadar, tem o 
dever de salvá-la; se não o fizer, responde pelo crime. 
 
Importante ressaltar que o nexo de causalidade nos crimes omissivos impróprios não é natural uma 
vez que da omissão nada surge. O nexo causal aqui é presumido ou normativo. Há uma presunção de 
que o agente causa ao resultado por sua omissão. Na omissão, assim como na comissão (ação), a 
voluntariedade e consciência também são características exigidas para que a conduta seja penalmente 
válida. 
 
Nos crimes omissivos impróprios o nexo causal não existe; não há ligação natural entre o 
comportamento omissivo do agente e o resultado produzido. Este nexo é presumido pela lei, por isso 
normativo. Assim, nos crime omissivos, o Código Penal não adotou a teoria da conditio sine qua non 
e sim uma teoria normativa. 
 
17.2.3. Resultado de que trata o caput do artigo 13 do CP 
 
Quando o caput do artigo 13 do CP inicia a sua redação dizendo que o “resultado, de que depende a 
existência do crime”, quer se referir ao resultado naturalístico, e não somente ao resultado jurídico. 
Crimes existem que não produzem modificação no mundo exterior perceptível aos sentidos. Estes 
crimes não possuem resultado naturalístico, somente resultado jurídico. Estes delitos não possuem 
nexo de causalidade, em que pese entendimento em contrário esposado por Luis Flávio Gomes, 
segundo o qual a norma insculpida no caput do artigo 13 é direcionada a todos os delitos, inclusive 
os que possuem apenas resultados jurídicos. 
 
 
Exame de Ordem 
Direito Penal – Parte Geral e Especial 
Profs. Geibson Rezende e Kheyder Loyola 
 
 
 
redejuris.com 
 
33 
PROTEGIDO PELA LEI DOS DIREITOS AUTORAIS – LEI 9.610/98 
17.2.4. Em quais crimes podemos falar em nexo causal? 
 
a) Materiais. O tipo penal exige, para a sua caracterização, a produção de um resultado que cause a 
modificação no mundo exterior, perceptível pelos sentidos. Exemplos: Homicídio (art. 121); furto 
(art. 155); e dano (art. 163); 
b) Omissivos impróprios. O artigo 13, parágrafo 2°, do CP exige a produção de um resultado 
naturalístico para que o agente possa ser responsabilizado. Ex. o salva-vidas que, de forma negligente, 
permite que o banhista se afogue, comete o crime de homicídio culposo (art. 121, parágrafo 3°, do 
CP); 
 
17.2.5. Onde eles não ocorrem? 
 
a) Formais. Delitos em que o legislador resolveu antecipar a sua consumação antes mesmo da 
ocorrência do resultado naturalístico, considerando-se este último, caso venha a acontecer, como 
mero exaurimento. Ex. extorsão mediante seqüestro. 
b) De mera

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.