A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
15 pág.
Escola como Sistema Social e Estrutura e Funcionamento de uma Escola Moçambicana

Pré-visualização | Página 1 de 3

(3º Grupo)
Carlos Chuva Carlos
Edgar Domingos Manuel Cumpeu
Eugénia Wisque Provera
Ivone Carlos
Júlia Inácio Matimbe
Leila Luís Jasse
 
Milton Bacachesa (5º Ano)
Pedro Couve Afonso
Rui Monjane
Escola como Sistema Social
Estrutura e Funcionamento de uma Escola
Licenciatura em Ensino 
Básico
4º Ano
Universidade Pú
n
guè
Tete
2019
(3º Grupo)
Carlos Chuva Carlos
Edgar Domingos Manuel Cumpeu
Eugénia Wisque Provera
Ivone Carlos
Júlia Inácio Matimbe
Leila Luís Jasse
 
Milton Bacachesa (5º Ano)
Pedro Couve Afonso
Rui Monjane
Escola como Sistema Social
Estrutura e Funcionamento de uma Escola
Trabalho de pesquisa a ser apresentado no Departamento de Ciências de Educação e Psicologia, na cadeira de Organização e Gestão Escolar como requisito avaliativo, sob orientação do docente.
O Docente:
Mestre
 Rosário Dobiala
Universidade Púnguè
Tete
2019
CAPÍTULO I. INTRODUÇÃO
O fato de que criamos e vivemos em uma sociedade que se caracteriza fundamentalmente pela função social, em especial, a função social da escola, apesar das transformações sofridas no decorrer da história, a escola representa uma Instituição que a humanidade elegeu para socializar o saber.
Muito se discute a importância da educação no país, pode parecer algo simples de questionamento, mas, é algo complexo de se imaginar, devemos analisar a escola como um todo, ou seja, um processo que envolver todas as partes que integram a sociedade, cada um com a sua determinada função.
Diante desse cenário humanista, pretende-se com este trabalho pesquisar e analisar a Escola como Sistema Social, bem como a Estrutura e Funcionamento de uma Escola.
Portanto, a Escola é tida como uma entidade de longas tradições e continuará a desempenhar a sua função social, que é de transmitir os devidos conhecimentos, para que o homem actual entenda as razões das coisas que ele venha a transformar, inclusive o saber da sua existência.
3
1.1. Objectivos
1.1.1. Objectivo Geral
Conhecer os aspectos - chave que tornam a escola um sistema social; 
Identificar as unidades e respectivos papéis do sistema social escolar.
1.1.2. Objectivos Específicos
Descrever a estrutura e o funcionamento de uma escola;
Analisar o funcionamento da escola;
Compreender a estrutura dos organogramas;
Desenhar o organograma de uma escola.
Explicar as funções dos elementos da direcção de uma escola.
Analisar a escola como uma organização social;
Descrever as unidades do sistema escolar e os seus respectivos papéis.
1.2. Metodologias
Para efectivação desta pesquisa recorremos basicamente a pesquisa bibliográfica em artigos e livros disponíveis nas bibliotecas, sobretudo disponíveis na internt. 
Mencionamos como vantagem da pesquisa bibliográfica a sua disponibilidade imediata. Obtê-los é quase sempre mais rápido e menos caro.
4
CAPÍTULO II. ESCOLA COMO SISTEMA SOCIAL
2.1. Conceito de Sistema
Segundo Martins (1999), Sistema é um conjunto de elementos, partes ou órgãos dinamicamente relacionados e interdependentes, desenvolvendo uma actividade ou função para atingir certos objectivos.
O sistema funciona como um todo organizado logicamente e integrado.
De acordo com Teixeira (1998), o funcionamento de um sistema pressupõe a existência de:
Entradas – recursos que vão permitir o funcionamento do sistema.
No sistema escolar as entradas são constituídas pelos ingressos dos alunos, as influências da comunidade, o material didáctico, os recursos financeiros,os professores, etc.
Processamento – transformação das entradas para obtenção do produto desejado, de acordo com os objectivos desejados. No sistema escolar o processamento dá-se através do ensino-aprendizagem.
Saídas, resultados ou outputs - produto final. No caso da escola, é o aluno formado ou graduado.
Retroacção ou “feedback” – tem em vista controlar o funcionamento do próprio sistema, informando se os objectivos estão ou não a ser cumpridos. No sistema escolar a avaliação, a inspecção e a supervisão é que nos dão o “feedback”.
Entropia – tendência de desintegração, desorganização ou deterioração.
2.2- Tipos de Sistemas
Segundo Hatch (1997), os sistemas podem ser abertos ou fechados.
Os sistemas são fechados, quando têm poucas entradas e saídas. Ex: sistemas mecânicos. Ou abertos, quando têm muitas entradas e saídas. Ex: Escolas, Empresas, etc.
Cada sistema é constituído por vários subsistemas e é parte integrante de um sistema maior. A escola, por exemplo, é um sistema com vários subsistemas, sectores e faz parte 
5
de outro sistema, a comunidade que a integra.
2.3. Sistema Social Escolar
De acordo com Martínez e Lahore (1981), a escola é considerada como um sistema social pelas seguintes razões:
1ª Nela existe um processo de interacção entre os indivíduos;
2ª Existem regras ou normas que regem a conduta dos sujeitos intervenientes na escola;
3ª As regras ou normas estão adequadas aos papéis que cada sujeito interveniente na escola deve desempenhar; e
4ª Tais regras referem-se aos objectivos que se pretendem na escola.
Por outras palavras, num sistema social as relações que se mantêm entre as partes estão sujeitas a normas, tais normas definem o comportamento adequado para cada um dos papéis ou ‘roles’ em cada situação. Se o indivíduo não cumpre ou viola essas regras é sancionado. No sistema social escolar o aluno deve acompanhar as aulas e prestar provas de avaliação (com resultado positivo); se isto não acontecer, o aluno reprova.
2.4. Unidades do Sistema Social
A relação entre os diferentes actores de um sistema social estabelece-se através dos papéis desempenhados por cada um deles. Por exemplo, na escola temos um indivíduo a quem cabe a responsabilidade de transmitir conhecimentos, esclarecer qualquer dúvida, avaliar. Este indivíduo, perante a escola e a sociedade, age a partir do papel de professor, e é julgado segundo a eficácia do seu desempenho, de acordo com as normas.
Por seu turno, existem os alunos que são um grupo de indivíduos que têm como obrigação acompanhar as aulas, apresentar suas dúvidas, prestar provas de avaliação, etc.
Portanto, existe uma série de comportamentos que se esperam tanto do professor, como do aluno. Os termos estatuto e papel descrevem esse tipo de comportamento que é esperado do indivíduo. O estatuto é a posição que ocupamos na hierarquia de prestígio da sociedade. O estatuto cria uma obrigação de agir da maneira que a sociedade espera. E papel é o comportamento que se espera de nós devido ao estatuto particular que temos.
6
2.5. Os Papéis na Instituição Escolar
Num sistema social os indivíduos desempenham papéis sujeitos a regras, portanto, têm deveres e obrigações, e podem ser sancionados segundo sua maior ou menor eficácia ao executá-los.
O desempenho de certo papel chega a exigir vários papéis complementares. Na escola, para o processo de ensino e aprendizagem necessitamos de um professor e de alunos, mas estes para desempenharem perfeitamente os seus papéis, é necessária a existência de outros papéis, como o papel do Director da escola, do Adjunto- Pedagógico, do pessoal de apoio, etc. Esses papéis devem estar claramente designados e diferenciados (Martínez e Lahore, 1981).
7
CAPÍTULO III - ESTRUTURA E FUNCIONAMENTO DE UMA ESCOLA
O funcionamento de uma organização escolar é fruto de um compromisso entre a estrutura formal e as interacções que se produzem no seu seio, nomeadamente, entre grupos com interesses distintos.
Os estudos centrados nas características organizacionais das escolas tendem a construir-se com base em três grandes áreas: estrutura física da escola, estrutura administrativa e a estrutura social da escola.
A Estrutura Física da escola - Dimensão da escola, recursos materiais, número de turmas, edifício escolar, organização dos espaços, etc.
A Estrutura Administrativa da Escola - Gestão, direcção,

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.