A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
10 pág.
RESUMO - CONTROLE DE MICRO-ORGANISMOS

Pré-visualização | Página 1 de 3

CONTROLE DE MICRO-ORGANISMOS POR AGENTES FÍSICOS E QUÍMICOS
	O bem estar da humanidade depende em grande parte da capacidade do homem em controlar a população dos microrganismos, visando:
- Prevenir a transmissão de doenças. 
- Evitar a decomposição de alimentos. 
- Evitar a contaminação da água e do ambiente. 
    Esse controle de microrganismos é possível pela ação de agentes físicos e químicos, que possuem propriedades de matar a célula microbiana, ou de impedir a sua reprodução (crescimento).
	O controle dos microrganismos pode ser realizado com agentes físicos e químicos, que por ventura podem ser aplicados na pele humana (impedindo contaminações e infecções), em superfícies inanimadas, objetos (material cirúrgico, por exemplo), alimentos e meio ambiente – como em uma estação de tratamento de água e esgoto.
Termos importantes:
Microbiocida: mata as bactérias (fungicida, viricida)
Microbiostático: inibem o crescimento (fungistático, virustático, etc).
CURVA DE CRESCIMENTO MICROBIANO
Agentes bacteriostáticos = A contagem e viabilidade celular continuam as mesmas, porém não ocorre um aumento do número de células, ocorre interrupção no processo de multiplicação celular. Muitos agentes antimicrobianos possuem essa característica, principalmente antifúngicos. Onde a eliminação do micro-organismo se dá por ação do sistema imune do hospedeiro.
Agentes bactericidas = Contagem celular não diminui, porém a viabilidade sim. Ou seja, as células estão mortas.
Agentes bacteriolíticos = Contagem e viabilidade celular diminuem, pois as células sofrem lise, ou seja, as células dos micro-organismos são de fato destruídas.
	Fonte: Trabulsi e Atherton, 2015.
Relembrando:
Os endósporos são estruturas formadas por algumas espécies de bactérias Gram-positivas, sobretudo dos gêneros Clostridium e Bacillus, quando as mesmas são expostas a condições desfavoráveis a sobrevivência. Ocorre o isolamento de uma pequena porção do citoplasma, com crescimento de membranas, camadas de peptideoglicano e capa protetora protéica. Então o esporo formado sofre desidratação, paralisando quase a totalidade das reações metabólicas. O esporo contém apenas DNA, RNA, alguns ribossomos e moléculas pequenas e importantes. Pode sobreviver durante anos em condições extremas, voltando a se desenvolver quando o ambiente se torna favorável. 
Fatores que influenciam na efetividade dos tratamentos antimicrobiano:
-Contagem de micro-organismos;
-Influências ambientais;
-Tempo de exposição;
-Caracterísicas microbianas.
DENTRE OS MÉTODOS DE CONTROLE DE MICRO-ORGANISMOS, TEMOS OS AGENTES FÍSICOS E OS AGENTES QUÍMICOS
Físicos: Calor, Frio, radiação, filtração, dessecação e pressão osmótica;
Químicos: Produtos químicos.
Eficiência depende do tipo e número de micro-organismos, estado fisiológico das células e tempo de exposição.
MÉTODOS FÍSICO:
CALOR
método mais empregado para matar micro-organismos é o calor, por ser eficaz, barato e prático. Os micro-organismos morrem pela desnaturação de proteínas e fluidificação dos lipídeos na presença de calor úmido e por oxidação, quando se trata de calor seco, e há variações de resistência de organismo para organismo.
Calor úmido: 
Fervura - mata todas as formas vegetativas dos patógenos, muitos vírus, fungos e seus esporos em até 15 minutos. Alguns endósporos bacterianos e alguns vírus, entretanto, não são destruídos tão rapidamente. Um dos tipos de vírus da hepatite, por exemplo, sobrevive até 30 minutos de fervura e alguns endósporos bacterianos resistem até 20 horas. A fervura não é um método de esterilização, mas, sendo submetida a uma fervura de 15 minutos, a maioria dos patógenos será morta e isto faz com que este processo seja empregado de forma eficiente para tornar alimentos e água seguros para serem ingeridos.
Autoclavação – Esterilização requer temperaturas acima de 100°C, tais temperaturas são atingidas na autoclave, que emprega pressão, o que acarreta no alcance de maiores temperaturas. O calor úmido (121°C), a pressão de 15 libras/polegada quadrada, matará todos os organismos, incluindo os endósporos, em cerca de 15 minutos. Quanto maior a pressão, maior será a temperatura alcançada. A autoclavação é empregada para esterilizar meios de cultura, instrumentos cirúrgicos, seringas de vidro, soluções e numerosos outros materiais que suportam altas temperaturas e pressão. Os materiais devem ser previamente lavados, secos e embalados em embalagens próprias para autoclavação ou em papel craft.
Pasteurização – Criado por Pasteur em 1864, para aumentar a durabilidade do vinho. Consiste em aquecer o produto a uma dada temperatura, num dado tempo, e a seguir resfriar bruscamente. Até alguns anos atrás, para o leite, a temperatura empregada era 63º C e o tempo, 30 minutos. Atualmente, a pasteurização do leite emprega temperaturas mais elevadas (72º C) e menor tempo (15 segundos). É importante salientar que a pasteurização, por qualquer que seja o tempo e a temperatura empregados, reduz o número de micro-organismos presentes, mas não assegura uma esterilização, daí a necessidade de manter o leite em baixas temperaturas. O leite pode ser esterilizado e, para isso, são empregados processos que elevam a temperatura para 74º C. A seguir, o leite é aquecido de forma super-rápida a 140º C durante alguns segundos e imediatamente resfriado. 
CALOR SECO
Flambagem - Amplamente utilizada em laboratórios de microbiologia. Forma mais simples e empregada de esterilização por calor seco, consiste em submeter um determinado objeto (como alças bacteriológicas ou bastões de vidro) diretamente na chama, até que a coloração do mesmo se torne avermelhada. Causa a combustão de todos os micro-organismos presentes.
Incineração – Empregada principalmente em ambientes hospitalares e laboratoriais. É a combustão completa de materiais descartáveis ou carcaças de animais contaminados.
Estufas e fornos – Consistem em submeter os materiais a altas temperaturas. Indicado para materiais que não podem ser submetidos a calor úmido, como por ex. materiais metálicos que sofrem oxidação. As temperaturas são normalmente de 170° a 205°C por 120 minutos
Micro-ondas: Os fornos de micro-ondas têm sido cada vez mais utilizados em laboratórios e as radiações emitidas não afetam diretamente os micro-organismos, mas geram calor. É possível até esterilizar materiais, meios de cultura, mas são escassos os trabalhos mostrando tempo e potência do forno necessários. Há que deixar claro que o calor gerado é o responsável pela morte dos micro-organismos.
FRIO
Método de controle de crescimento empregado principalmente para conservação de alimentos, células ou micro-organismos de experimentação laboratorial. Geralmente não causa morte, mas a parada das atividades metabólicas das células, impedindo o crescimento microbiano. Contudo quando o material é submetido a choque térmico em baxissimas temperaturas, a pressão osmótica formada pelos cristais de gelo causa lise na membrana e morte dos micro-organismos. Por isso, para a conservação de micro-organismos em laboratórios, é utilizado glicerol ou DMSO, que impedem a formação de cristais de gelo no interior das células. 
FILTRAÇÃO
A filtração pode ser usada para esterilizar gases e líquidos que são sensíveis ao calor. Os filtros são compostos por grande variedade de matérias sintéticos podendo ser filtros de celulose, acetado, amianto, policarbonato, teflon ou outro material sintético com poros de 0,2-0,25m. Impedem a passagem de bactérias menos Mycoplasma sp. Entretanto, existem diferentes tamanhos de poros de acordo com o tipo de filtragem que se deseja. O uso da filtração é recomendado para materiais termolábeis em solução e na descontaminação do ar, em fluxos laminares e sistemas de ventilação nos quais o controle microrganismo é especialmente importante como salas de cirurgias e enfermarias de tubérculos e unidades de queimados. Ex. filtros HEPA, filtros de membrana.
RADIAÇÃO
As radiações têm seus efeitos dependentes do comprimento de onda, da intensidade,