Patologia Aula 5 - Neoplasia - Alterações na proliferação e na diferenciação celular
23 pág.

Patologia Aula 5 - Neoplasia - Alterações na proliferação e na diferenciação celular


DisciplinaFisiopatologia1.821 materiais8.499 seguidores
Pré-visualização2 páginas
Neoplasia
Alterações na Proliferação e na 
Diferenciação Celular
O impacto global do câncer é 
assombroso. É a segunda maior 
causa de morte em todo o mundo, 
ficando atrás apenas das doenças 
cardiovasculares. Cerca de 1,4 milhões de novos casos 
de câncer são diagnosticados, a cada 
ano, nos Estados Unidos
Além disso, 1 em cada 4 mortes 
está relacionada esse mal, 
resultando na morte de 1.500 
pessoas por dia.
Proliferação e diferenciação celulares
\u27a1 A proliferação celular acontece de forma contínua ou em resposta a necessidades do organismo.
\u27a1 Trata-se de um processo controlado por genes responsáveis pelo crescimento, pela morte e por
reparos celulares.
Crescimento
Morte 
Celular
Alteração na regulação 
desse equilíbrio resulta em 
superproliferação e em 
aglomeração de células
Proliferação e diferenciação celulares
\u27a1 A diferenciação é um processo ordenado
relacionado a maturidade, à especificidade e à
funcionalidade das células.
1. Células indiferenciadas (células-tronco), que 
apresentam o potencial de se desenvolver em 
tipos de célula mais específicos.
2. Células mãe, que podem originar células-
filha.
3. Células altamente diferenciadas, que não se 
reproduzem.
Proliferação e diferenciação celulares alteradas
Neoplasia
É o desenvolvimento alterado e irreversível
das células, que resulta na formação dos
Neoplasmas
podem surgir de células ou tecidos parenquimais (células
funcionais dos órgãos) ou estromais (estrutura de suporte).
Células capazes de 
se proliferar
Carcinogênese
\u27a1 Por que o câncer ocorre?
Câncer é o termo usado para a 
descrição de uma neoplasia 
invasiva e destrutiva
Designa a origem, a promoção e o 
desenvolvimento do câncer
são acarretados pelo mau funcionamento dos 
genes que controlam a reprodução, o 
crescimento, a diferenciação e a morte celular
Carcinogênese
Menos de 5% dos cânceres 
são hereditários ou estão 
associados a defeitos 
genéticos herdados. Cerca de 
1% dos casos herdados é 
transmitida por linhagem de 
células germinativas, sendo 
que muitos desses seguem o 
padrão de herança 
mendeliano.
A maioria dos casos se dá por 
meio de mutações adquiridas 
após o nascimento. Esses 
casos são tipicamente 
relacionados à exposição a 
agentes ambientais nocivos, 
que causam danos ao DNA.
F
a
to
re
s
 H
e
re
d
it
á
ri
o
s
F
a
to
re
s
 A
d
q
u
irid
o
s
Carcinogênese
Do 
laboratório
\u27a1Testes genéticos devem ser realizados por indivíduos com 
diagnóstico recente de câncer e pelos que tenham familiares com 
essa doença. Esses testes são constituídos por análise de DNA, 
normalmente de amostras de sangue, para mutações associadas a 
um tipo de câncer. 
\u27a1Um teste genético correto pode determinar se a mutação está 
presente, o que não significa que a doença se desenvolverá.
\u27a1Por exemplo, mulheres com o gene de susceptibilidade ao câncer 
de mama BRCA1 têm 80% de chance de desenvolver câncer de 
mama por volta dos 65 anos. 
Uma mulher da mesma família, que não apresenta BRCA1 positivo 
e desenvolve a doença tema a mesma taxa de risco da população 
em geral.
Carcinogênese
1. Teoria da iniciação-promoção-progressão
\u27a1 Causa uma mutação na célula, podendo ser
identificado, embora, muitas vezes, isso não
aconteça.
\u27a1 É uma expansão do crescimento e da
reprodução da célula mutada. O crescimento
contínuo depende da exposição contínua ao
promotor.
\u27a1 É o conjunto da promoção. Nessa fase, o
crescimento tumoral não depende da
exposição contínua ao promotor, tornando-se
autônomo.
Carcinogênese
2. O papel dos genes
A maioria dos cânceres tem sua origem 
determinada por uma célula mutada.
Uma vez mutada, a célula neoplásica 
ignora controles rigorosos sobre 
reprodução, crescimento, 
diferenciação e morte celular
O processo de apoptose reduzida pode 
ser responsável pela superproliferação de 
células tumorais.
Origem monoclonal
Carcinogênese
2. O papel dos genes
Existem três principais categorias 
de genes que, ao serem 
alterados, podem ocasionar uma 
transformação cancerosa
Genes de reparo
Reparam o DNA 
mutado e protegem 
o genoma
Oncogenes
Codificam as 
proteínas 
relacionadas ao 
crescimento e à 
regulação celular. 
Genes supressores 
de tumores
Não permitem a 
superprolferação das 
células e regulam a 
apoptose
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Genes de Reparo
O reparo do DNA é essencial devido 
aos constantes danos causados por 
fatores internos e ambientais.
Por meio de inativação dos genes de reparo, o 
ambiente torna-se propício ao desenvolvimento de 
uma neoplasia, pois as mutações não são reparadas,
2. O papel dos genes \u2013 Oncogenes
A conversão de um gene \u201cnormal\u201d para um gene 
que induza à neoplasia depende da captura e da 
mutação ou alteração dos proto-oncogenes.
Estes últimos são genes \u201cnormais\u201d do corpo, que 
apresentam um papel vital na regulação das 
funções celulares.
Modo 
de ação
Fatores de 
crescimento 
que induzem 
a mitose
Codificação 
de proteínas 
nucleares 
para alterar o 
ciclo celular
Distúrbio nos 
receptores 
de superfície 
celular
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Oncogenes
Os oncogenes promovem o 
crescimento e o desenvolvimento 
celular desregulados, podendo 
inibir a morte celular.
Permite o 
crescimento 
irrestrito
Restringir a 
apoptose e interferir 
na diferenciação da 
célula
1. Mutação pontual
2. Translocação
3. Amplificação gênica
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Origens dos Oncogenes
1. Mutação pontual
2. Translocação
3. Amplificação gênica
A T G G T C A
T A C C A G T
5\u2019
5\u20193\u2019
3\u2019
5\u2019
A T G T T C A
T A C A A G T
5\u20193\u2019
3\u2019
PONTO
5\u2019 3\u2019
A T G G A T C
T A C C T A G
5\u20193\u2019
A
T
INSERÇÃO
A T G G C A
T A C C G T
5\u2019
5\u20193\u2019
3\u2019
DELEÇÃO
A T G A C C A
T A C T G G T
5\u2019
5\u20193\u2019
3\u2019
INVERSÃO
Invertida
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Origens dos Oncogenes
1. Mutação pontual
2. Translocação
3. Amplificação gênica
LEBRE-SE, translocação cromossômica são defeitos 
de transferência, nos quais parte de um cromossomo é 
quebrada religando-se a um cromossomo diferente.
Alguns tipos comuns de 
câncer, ocasionado por 
translocação cromossômica
\u2022 Leucemia, linfomas e 
alguns tumores sólidos.
Nesse caso ocorre o excesso de 
expressão da proteína e a célula se 
desvia dos ciclos de crescimento, 
diferenciação e morte esperados.
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Origens dos Oncogenes
1. Mutação pontual
2. Translocação
3. Amplificação gênica
SAIBA, amplificação gênica é a alteração de 
cromossomos pela alteração da replicação e do 
número de cópias de um gene.
Alguns tipos comuns de 
câncer, ocasionado por 
amplificação gênica
\u2022 Muitos tumores sólidos 
como câncer de mama 
e o neuroblastoma
Carcinogênese
2. O papel dos genes \u2013 Genes supressores de tumores
Impedem a 
superproliferação
de células.
Seu principal mecanismo é por 
meio do controle da apoptose
Pare e pense
?
?
?
?
\u27a1Por que uma pessoa com síndrome de Down
(trissomia do 21) tem maior risco de desenvolver
leucemia?
\u27a1O que poderia acontecer a um indivíduo com uma
mutação germinativa no p53?
Características dos neoplasmas
\u27a1 As células cancerosas costumam ser identificadas
por novos antígenos presentes na superfície da
célula.
\u2022 inibição do contato celular,
\u2022 perda de coesão e adesão, 
\u2022 aumento da mobilidade, 
\u2022 desenvolvimento da angiogênese,
\u2022 aumento de alterações no núcleo,
\u2022 mudança em enzimas da superfície