ALVES 2005 - LCFIS_7859_1276288519
4 pág.

ALVES 2005 - LCFIS_7859_1276288519


Disciplina<strong>artigo</strong>9 materiais2 seguidores
Pré-visualização2 páginas
X V I S I M P Ó S I O N A C I O N A L D E EN S I N O D E F Í S I C A 1 
 
A IMPORTÂNCIA DE AULAS EXPERIMENTAIS NO PROCESSO ENSINO-
APRENDIZAGEM EM FÍSICA: \u201cELETRICIDADE\u201d. 
Vagner Camarini Alvesa [vcalves@unoeste.br] 
Marilei Stachaka [vcalves@apecnt.unoeste.br] 
 
a Universidade do Oeste Paulista \u2013 UNOESTE \u2013 Presidente Prudente / SP 
 
RESUMO 
Neste trabalho é discutido o ensino experimental nas escolas de ensino médio, 
examinando as contribuições teóricas no ensino-aprendizagem de física, o que é a 
própria natureza do conhecimento em Física. A proposta foi aplicada em escolas 
públicas na cidade de Palmas-To, como ferramenta de apoio no ensino experimental de 
Física, na tentativa de despertar o interesse dos alunos do Ensino Médio. Como 
sustentação da proposta foi realizado um levantamento diagnóstico, prévio, para 
determinar o nível de conhecimento espontâneo dos alunos em relação ao conteúdo a 
ser trabalhado. O trabalho se desenvolveu com as turmas do terceiro ano do Ensino 
Médio. O diagnóstico comprovou que os alunos apresentavam deficiências tais como: 
desinteresse, baixo-estima, dificuldades em compreender a Física e relacioná-la com as 
atividades de seu cotidiano. Na tentativa de melhorar esta situação, propôs-se para os 
mesmos, realizarem uma pesquisa em grupo sobre temas de Eletricidade, onde cada 
grupo desenvolveu seu trabalho, fundamentado em atividades experimentais, 
pesquisando em livros, revistas, jornais e, principalmente, nas atividades do seu dia-a-
dia onde achavam que a Física mais estava presente. Além da pesquisa em grupo os 
alunos construíram vários experimentos proporcionando aulas práticas com materiais de 
baixo custo. Com isso encontraram mais facilidade em sanar suas dúvidas e reconhecer 
a física como uma ciência importante e necessária no desenvolvimento científico e 
tecnológico do homem. 
INTRODUÇÃO 
É comum nas escolas de Ensino Médio nos depararmos com professores de física 
enfrentando grandes dificuldades em construir o conhecimento junto com seus alunos de maneira 
prazerosa, contextualizada e funcional. Tradicionalmente a física é vista pelos professores como 
uma disciplina difícil de ser ensinada e com isso os alunos apresentam desinteresse e dificuldades 
de aprendizagem dos conteúdos. A sociedade hoje se nega a aceitar um procedimento com aulas 
exclusivamente expositivas e exigem do professor aulas dinâmicas e criativas que despertem o 
interesse dos educandos. 
O ato de experimentar no ensino de Física é de fundamental importância no processo 
ensino-aprendizagem e tem sido enfatizado por muitos autores. Esta ênfase por um ensino 
experimental adicionam-se importantes contribuições da teoria da aprendizagem em busca da 
contribuição do conhecimento. 
X V I S I M P Ó S I O N A C I O N A L D E EN S I N O D E F Í S I C A 2 
 
Atualmente, o ensino é visto como um objeto abstrato, longe da realidade dos alunos, o qual 
gera um desinteresse total pelo trabalho escolar. Os alunos preocupam-se apenas com a nota e com 
a promoção, os assuntos estudados são logo esquecidos e aumentam os problemas de disciplina. 
Isso agrava também aos professores refletindo-se diretamente no aumento da problemática que se 
enfrenta no ensino médio. Alunos cada vez mais desinteressados estão bloqueados, o raciocínio 
lógico não foi desenvolvido de uma maneira satisfatória, e aí o problema se agrava. 
O presente trabalho trata-se de uma proposta, procura experimentos que despertem o 
interesse e a atenção ao fenômeno e a explanação do professor, para minimizar os problemas 
enfrentados nas escolas de ensino médio, por professores e alunos no processo ensino-
aprendizagem de Física. 
TEORIAS DA APRENDIZAGEM E A EXPERIMENTAÇÃO 
 O desenvolvimento intelectual da criança e seus estágios da construção do conhecimento e 
da aprendizagem definidos por Piaget (1982), tornaram-se conhecido no ensino de física não 
estrutura a diferença entre as operações concretas e operações formais, e a importância da teoria de 
Piaget no processo ensino-aprendizagem em Física. 
Diante disto, justifica-se a experimentação no ensino de Física como ferramenta auxiliar ao 
processo ensino-aprendizagem ou como sendo o próprio processo da construção do conhecimento 
científico, na contribuição positiva no processo de formação do cidadão. 
A experimentação em si, dissociada de uma estratégia de ensino mais abrangente, não é 
suficiente que o aluno apenas manipule \u201ccoisas\u201d, isto seria uma apenas contribuição ao seu 
desenvolvimento intelectual. Por outro lado, tais contribuições não devem ser superestimadas e nem 
subestimada demasiadamente e sim associada a uma boa didática, antes da construção do 
conhecimento científico, propiciando que os alunos aprofundem seus conhecimentos em física e 
estimulem a buscar soluções. 
Como nem sempre os experimentos confirmam uma hipótese na forma de generalização ou 
lei, em muitas escolas não existem laboratórios específicos para o ensino de Física, o que aumentam 
as possibilidades de um experimento não atingir seus objetivos, então, cabe ao professor encontrar 
atividades que limitam a demostrar aos alunos, fenômenos com a finalidade de motiva-los e ilustrar 
sua exposição e buscar alternativas para desenvolver as habilidades e competências. 
PROPOSTA 
Com uma pesquisa realizada durante um ano letivo observou-se que a carência maior era nas 
duas turmas da terceira série do ensino médio do período noturno, onde o percentual de reprovação 
chegava a noventa e três pôr cento (93 %) em cada turma. Viram-se daí a urgência de realizar um 
trabalho diferenciado nas duas séries com a finalidade de resgatar o interesse e a motivação dos 
alunos em aprender física. 
X V I S I M P Ó S I O N A C I O N A L D E EN S I N O D E F Í S I C A 3 
 
Em virtude das grandes dificuldades apresentadas pelos alunos nas duas turmas de terceiro 
ano do ensino médio, desenvolveu-se um trabalho diferenciado para com as turmas. 
Acreditando-se que a física tem grande ligação aos procedimentos e práticas experimentais, 
procurou-se desenvolver com os alunos um trabalho envolvendo experimentos de física ligados ao 
cotidiano de cada aluno. O trabalho desenvolveu-se em três etapas no decorrer dos quatro 
bimestres: pesquisa feita com os alunos em forma de questionários, pesquisas e experimentos feitos 
pelos grupos de alunos, explanação das pesquisas e experimentos realizados pelos alunos. 
É importante que o professor insista na idéia de que a ciência é muito mais que mera 
descrição dos fenômenos observados. É uma tentativa de descobrir a ordem e a relação entre os 
diversos fenômenos. O estudante deve estar ciente de que o progresso do conhecimento científico 
depende da organização das informações e da procura das regularidades ocorridas. 
No primeiro momento aplicou-se nos alunos uma pesquisa a fim de fazer uma análise 
melhor do grau de deficiência que eles apresentavam e também para se fazer uma comparação da 
situação ates e depois do trabalho. 
Em seguida, no decorrer de cada bimestre foram selecionadas algumas questões do conteúdo 
programático de física do terceiro ano e levando-os para a sala de aula fez-se uma breve introdução 
sobre o que cada tema se tratava. As aulas decorriam fazendo-se uma discussão sobre cada questão, 
sem comentar as fórmulas \u2013 que era o \u201cterror\u201d dos alunos. Ao final de cada aula, as quais eram duas 
aulas geminadas por semana os alunos levavam para suas casas questões sobre um determinado 
conteúdo para pesquisarem onde o conteúdo estava presente em suas atividades diárias. As 
pesquisas eram trazidas, demonstradas e discutidas com todos os alunos na aula seguinte. 
RESULTADOS E DISCUSSÕES 
No decorrer do primeiro bimestre já pode-se observar uma pequena, porém significativa 
mudança de comportamento com relação a maioria dos alunos, a baixa freqüência se