Direito administrativo - agentes públicos

Direito administrativo - agentes públicos


DisciplinaDireito Administrativo II6.551 materiais33.212 seguidores
Pré-visualização3 páginas
Direito Administrativo II
 AGENTES PÚBLICOS
São todas as pessoas que exercem uma atividade estatal, ainda que transitoriamente e sem remuneração. 
Transitoriamente quer dizer que não precisa integrar os quadros do Estado. Os quadros são as carreiras estatais. A remuneração de agente público chama vencimentos, mas quando se aposenta se chama proventos.
Ex: mesário é um exemplo de agente público que não tem carreira e não recebe remuneração.
Dica: O nome "agentes públicos" designa um gênero/categoria ampla que comporta diversas espécies, cada espécie tem regimes jurídicos próprios (regras próprias).
Existem dois detalhes fundamentais:
I) A forma de ingresso (como agente público entra na função): por investidura.
II) Desligamento do serviço público: pode pedir exoneração e sair de qualquer tipo de função, ou seja, o agente sai voluntariamente.
Espécies de agentes:
Agentes militares:
Oficiais das forças armadas;
Policiais militares;
Bombeiros militares. 
A Constituição Federal estabelece proibições:
Decorrem de dois princípios fundamentais que regem as instituições militares: disciplina e hierarquia. 
Estão proibidos de: 
I) Greve;
II) Sindicalização;
III) Filiação partidária (proibido também concorrer a cargos eletivos).
Agentes políticos:
Ingressam mediante eleições. 
Exercem mandatos fixos (fica na função por prazo determinado) (após os quais é desligado automaticamente).
Alta direção do Estado (tomam decisões fundamentais do Estado).
Ex: chefes do executivo. 
Cuidado: nos concursos públicos também são considerados políticos magistrados e membros do ministério público.
Ex: juiz, desembargador, ministros, promotor, procurador de justiça, procurador da República.
Tal enquadramento forçado surgiu para defesa de interesse institucional das duas carreiras 
Contratados temporários:¨
37, xi, cf - realizada sem concurso para situação temporária de excepcional interesse público. 
Art. 37. A administração pública direta e indireta de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios obedecerá aos princípios de legalidade, impessoalidade, moralidade, publicidade e eficiência e, também, ao seguinte:
XI - a remuneração e o subsídio dos ocupantes de cargos, funções e empregos públicos da administração direta, autárquica e fundacional, dos membros de qualquer dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios, dos detentores de mandato eletivo e dos demais agentes políticos e os proventos, pensões ou outra espécie remuneratória, percebidos cumulativamente ou não, incluídas as vantagens pessoais ou de qualquer outra natureza, não poderão exceder o subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, aplicando-se como limite, nos Municípios, o subsídio do Prefeito, e nos Estados e no Distrito Federal, o subsídio mensal do Governador no âmbito do Poder Executivo, o subsídio dos Deputados Estaduais e Distritais no âmbito do Poder Legislativo e o subsídio dos Desembargadores do Tribunal de Justiça, limitado a noventa inteiros e vinte e cinco centésimos por cento do subsídio mensal, em espécie, dos Ministros do Supremo Tribunal Federal, no âmbito do Poder Judiciário, aplicável este limite aos membros do Ministério Público, aos Procuradores e aos Defensores Públicos;
- Regida pela lei 8745/93
Ex: calamidade pública, emergencia ambiental, emergencia de saúde (epidemia), professor estrangeiro em universidade pública e pesquisadores do IBGE.
*Pesquisadores do IBGE se chamam recenseadores - censo, pesquisa.
Atenção: contratação temporária não exige concurso público, sendo feita por processo seletivo simplificado (nos casos de calamidade ou emergência o processo seletivo é dispensado).
Particulares em colaboração com a administração/agentes honoríficos.
Comissionados (art. 37, incisos II e V da CF): 
ocupantes de cargos de confiança. Tem o cargo em comissão e a função de confiança (para exercer chefia de uma carreira).
II - a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;
V - as funções de confiança, exercidas exclusivamente por servidores ocupantes de cargo efetivo, e os cargos em comissão, a serem preenchidos por servidores de carreira nos casos, condições e percentuais mínimos previstos em lei, destinam-se apenas às atribuições de direção, chefia e assessoramento; 
Atenção: no trigésimo exame da ordem os examinadores perguntaram sobre o caso em que o comissionado foi exonerado, mas a autoridade relatou motivo falso. Pela teoria dos motivos determinantes, sendo falso o motivo a exoneração é nula e o servidor tem o direito de ser. 
Os comissionados só podem exercer 3 tarefas: chefia, direção e assessoramento (cargo em comissão - pode ser ocupado por particular).
Empregados públicos (os celetistas):
Ingressam mediante Concurso Público.
Onde? Pessoa jurídica de direito privado da administração direta.
São contratados mediante concurso público. O período e experiência é de 90 dias. O vínculo contratual é regido pela CLT (celetistas). As pessoas jurídicas de direito privado (empresas públicas e sociedades de economia mista). 
Ex: correios, CEF, BB, metro.
Atenção: recente mudança na lei dos consórcios públicos (lei 11107/05) determina que todos os consórcios públicos, incluindo os de direito público, devem contratar em regime celetista (essa norma é inconstitucional e viola jurisprudência do STF).
Cuidado: o TST entende que empregados públicos podem ser despedidos sem justa causa e sem processo. Porém, o STF e a doutrina exigem obrigatória motivação, justa causa, e processo que garanta contraditório e ampla defesa.  
Servidores públicos estatutários:
Ingressam por concurso, posse por estágio probatório de 3 anos.
Lei 8112/90 (estatuto do servidor público federal - servidor da União).
São contratados mediante concurso público. Assim que aprovado e nomeado ele entra para o estágio probatório de 3 anos ou 36 meses, Vencendo o estágio probatório o servidor o vence e tem a estabilidade (estabilidade é uma dificuldade para perda do cargo). 
Existem 4 formas de perder o cargo estável:
I) sentença judicial transitada em julgado.
II) processo administrativo disciplinar (PAD)*.
*Importante: processo disciplinar tramita dentro do próprio órgão onde trabalha o servidor, para apurar infrações funcionais (dentro da repartição) previstas no estatuto. As infrações funcionais são tipos abertos que permitem uma ampla liberdade para a comissão enquadrar a conduta como infracional ou não.
Ex: aceitar presente; manifestação de apreço ou desapreço dentro da repartição. 
III) avaliação negativa de desempenho.
IV) reduçao de gastos. 
Cuidado: existem no Brasil apenas 3 cargos vitalícios:
Magistrado;
Promotor (estadual), procurador da República (federal);
Membros dos Tribunais de Contas (os ministros - União) (conselheiros - os demais).
Estágio probatório de 2 anos e depois disso atinge a vitaliciedade. Quem é vitalício só pode perder o cargo mediante sentença judicial. 
4) Particulares em colaboração com a administração (agentes honoríficos): 
Eles não integram os quadros permanentes do Estado (é alguém que exerce uma função pública em caráter transitório). 
Ex: mesários, jurados, conscritos (homens obrigados a integrar o exército), concessionários/permissionários de serviço público (eles necessitam de uma delegação formal do Estado - não posso colocar um carro anunciando que eu transporto pessoas, não posso ser taxista só pela minha vontade), notários e registradores, gestor de negócios públicos.
Notários e registradores (art. 236 da CF):
Art. 236. Os serviços notariais e de registro são exercidos em caráter privado, por delegação do Poder Público. 
§ 1º  Lei