A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
29 pág.
Anatomia da Pelve

Pré-visualização | Página 1 de 1

Anatomia pélvica
Fisioterapia Urogenital
Renata Lima
E-mail - @renata.lima.fisio 
◤
Anatomia pélvica
O assoalho pélvico é um conjunto de partes moles que fecham a pelve, sendo 
formados por:
● Músculos;
● Ligamentos;
● Fascias.
Suas funções são:
● Sustentação e suspensão dos órgãos pélvicos e abdominais (uretra, bexiga, 
útero, reto, intestino);
● Continência urinária e fecal (mecanismo de continência);
● Função sexual.
Moore et al., 2012; Palma et al., 2014
◤
◤
◤
◤
◤
É um osso plano, chato, irregular, par
e constituído pela fusão de 3 ossos:
Ílio, Ísquio e Púbis. Articula com três
ossos: sacro, fêmur e o ilíaco do lado
oposto, através da sínfise púbica.
● Ílio - Forma os 2/3 superiores do Ilíaco;
● Ísquio - Forma o 1/3 inferior e posterior
● (mais resistente) do Ilíaco;
● Púbis - Forma o 1/3 inferior e anterior
● do Ilíaco.
◤
● Pelve falsa: é a região superior da pelve. 
Não consta o suporte dos órgãos pélvicos -
Pelve maior (espinhas ilíacas)
● Pelve verdadeira: região delimitada pelos 
ísquios e pubis - contém os órgão pélvicos 
“verdadeiros” - Pelve menor
◤
Os tipos de pelve são classificados de acordo com o formato da abertura superior da 
pelve.
● Andróide: Formato de coração/triangular (comum em homens);
● Ginecóide: Formato arredondado (comum em mulheres);
● Antropóide: Formato oval (comum em primatas);
● Platipelóide: Formato achatado/rasa (largo lateralmente e curto ante-post.).
Tipos de pelve
◤
Movimentos da pelve
◤
Movimentos da pelve
Nutação: Deslocamento do promontório pra frente e para baixo, o 
cóccix se desloca para cima e para trás, as cristas ilíacas se deslocam 
para dentro (em direção ao eixo sagital) e os ísquios se deslocam 
para fora do eixo. 
Contra-nutação: Deslocamento do promontório para trás e para 
cima, o cóccix se desloca para baixo e para frente, as cristas ilíacas se 
deslocam para fora do eixo sagital e os ísquios se deslocam para 
dentro do eixo sagital.
◤
◤
Promontório
Promontório é o ponto mais 
projetado anteriormente da 
articulação lombossacral. Ele 
pode estar situado na borda 
inferior de L5 ou na borda 
superior de S1. É um ponto de 
referência importante no toque 
vaginal no período gestacional.
◤
◤
Músculos da pelve e períneo
Períneo: superfície abaixo da pelve (sínfise púbica, cóccix e 
tuberosidade isquiática).
Região superficial do períneo: Pele - músculos e membrana:
● M. Isquio-cavernoso: Ramos isquiático até os corpos cavernosos 
(Função de contração do corpo cavernoso para manutenção da ereção masc. e 
fem.);
● M. Bulbo-esponjoso: Corpos cavernosos (estreita o canal vaginal e 
auxilia na manutenção da ereção);
● M. Transveso superficial do períneo: Tuberosidades isquiáticas 
(auxilia na sustentação dos órgãos).
◤
◤
◤
Centro tendíneo do períneo: é composto por tecido conjuntivo 
fibroso - função de estabilização dos músculos do períneo e 
sustentação dos órgãos do períneo;
Quando lesionado pode ocasionar em prolapsos.
◤
Trígono urogenital e anal
◤
◤
◤
Diafragma urogenital:
M. Transverso profundo do períneo
M. Esfíncter externo da uretra
M. Esfíncter externo do ânus
Diafragma pélvico:
M. Levantador do ânus
M. Coccígeo
◤
Diafragma pélvico
● M. Levantador do ânus 
○ M. puborretal
○ M. pubococcígeo
○ M. iliococcígeo
● M. Coccígeo (isquiococcígeo): Auxilia na sustentação das vísceras e no 
reforço durante o aumento da pressão intra- abdominal e a principal 
função é o deslocamento do cóccix durante a defecação e o trabalho de 
parto - para facilitar a passagem. (Traciona posteriormente o cóccix)
● Sustentação da vísceras pélvicas;
● Reforço no aumento da pressão intra-
abdominal;
● Contração vaginal e retal.
◤
◤
◤
◤
Referências
● MOORE, K. L.; DALLEY, A. F. Anatomia orientada para a clínica. 7ª Ed. Rio de 
Janeiro: Guanabara Koogan, 2014. 
● NETTER, F.H. Atlas de anatomia humana. 6ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2015. 
(611 N387at R); (611N387a R)
● BARACHO, E. Fisioterapia Aplicada à Saúde da Mulher. 5 ed. Rio de Janeiro: 
Guanabara Koogan, 2012.
● FERREIRA, C.H.J. (Org.). Fisioterapia na Saúde da Mulher: Teoria e Prática. Rio 
de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.
● MORENO, A. Fisioterapia em Uroginecologia. 2 ed. São Paulo: Manole, 2009.
Renata Lima
E-mail renata.lima@ibmr.br - @renata.lima.fisio
Obrigada!