A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
51 pág.
TCC BALANÇO SOCIAL - PÓS CONTROLADORIA E FINANÇAS SENAC

Pré-visualização | Página 11 de 11

de suas atividades.
Assim a própria sociedade exige que as empresas que cumpram suas obrigações sociais, com o compromisso de que não agredir o meio ambiente e que tratem seus trabalhadores com a dignidade merecida.
Desta forma se demonstra que não é necessária a implantação de um caráter legal e obrigatório, pois a divulgação passa a ser um fator decisivo de sua permanência no mercado. Por isso, sem dúvida, ele deve ser fruto de uma ação espontânea da organização e não da imposição de legislação específica.
A ação desastrosa do governo na condução dos programas sociais que lhe são obrigatórios, não lhes dá moral para que exijam uma atuação por parte da iniciativa privada. O poder público é incoerente, incapaz e não assume seu papel de forma efetiva, o que minimizaria os efeitos nocivos do grande abismo social a que o povo brasileiro se encontra exposto.
Para as empresas realizar a publicação do Balanço Social além de ser um orgulho, vem diferenciando-a de seus concorrentes, além de ser uma tendência mundial de exigir esta atitude. 
Desta forma os profissionais da Contabilidade são importantes para que ocorra esta conscientização no ambiente empresarial, através da sua contribuição para o convencimento dos empresários sobre a importância da divulgação do Balanço Social.
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
ABRASCA. Associação Brasileira de Companhias Abertas. Relatório anual, 2017.
ATHAR, Raimundo. Aben. Demonstração do valor adicionado – DVA. Revista do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, n.º 03, p. 14-15, 1999.
BEGALLI, Glaucos Antonio; PEREZ JÚNIOR, José Hernandez. Elaboração das Demonstrações Contábeis. São Paulo: Altas, 1999.
COHEN, David. Os dilemas da ética. Exame, 14 de maio de 2003, p.35-43.
ERNST e YOUG. Relatório apresentado na XVI Convenção dos Contabilistas do Estado de São Paulo, 1999.
ETHOS VALOR 2002, Prêmio. Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. São Paulo: Fundação Petrópolis, 2002.
FREIRE, Fátima de Souza; BOTELHO, Dulcineli Régis; NUNES, Florisval Mareco. Balanço Social Abrangente: ferramenta contábil eficaz para mensuração do papel social das empresas. Revista Brasileira de Contabilidade n. 130, julho/agosto 2001.
GELBCKE, Ernesto Rubens; IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARTINS, Eliseu. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações. 5. ed. revisada e atualizada. São Paulo: Atlas, 2000.
IOB. Temática Contábil e Balanços. São Paulo, Vol., n. 36, 12/99, p.05., 1999.
KROETZ, César Eduardo Stevens. Balanço Social: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 2000.
MCINTOSH. Malcon. LEIPZIGER, Deborah. JONES, Keith. COLEMAN, Gill. Cidadania corporativa: estratégias bem-sucedidas para empresas responsáveis. Rio de Janeiro: Qualitymark, 2001.
MELO NETO, Francisco Paulo de. Responsabilidade social e cidadania empresarial. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.
NEGRA, Carlos Alberto Serra; CARMO, Rosemeyre Francisca do; TEIXEIRA, Fabrícia Souza. Balanço Social na gestão das instituições de ensino superior. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília, DF, v. 31, n. 138, p. 69-87, nov./dez. 2002.
PACHECO, Vicente. Uma contribuição ao estudo da contabilidade de recursos humanos e seu poder de informação. São Paulo, USPFEA-DCA, 1996.
PEROTTONI, Marco Antônio. Balanço Social. In: VIII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul - Profissão Contábil: o Futuro Hoje, 2001, Gramado, RS, Anais. Gramado: CRCRS, 2001, p. 101-114, v.1.
PEROTTONI, Marco Antonio. Balanço Social: responsabilidade, padronização e obrigatoriedade. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília, DF, v. 31, n. 134, p. 51-59, mar./abr. 2002.
REVISTA EXAME. Balanço Social. Edição 754, jul/2001.
RIBEIRO, Maisa de Souza; LISBOA, Lázaro Plácido. Balanço Social. São Paulo:USP, 1999. 
RODRIGUES, Ana Tércia Lopes. A intermediação no recolhimento de tributos dos clientes. In: VIII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul - Profissão Contábil: o Futuro Hoje, 2001, Gramado, RS, Anais. Gramado: CRCRS, 2001, p. 21-38, v.1.
RAUPP, Elena Hahn. Desenvolvimento sustentável: a Contabilidade num contexto de responsabilidade social de cidadania e de meio ambiente. In: VIII Convenção de Contabilidade do Rio Grande do Sul - Profissão Contábil: o Futuro Hoje, 2001, Gramado, RS, Anais. Gramado: CRCRS, 2001, p. 133-154, v.1.
SILVA, César Augusto Tibúrcio; FREIRE, Fátima de Souza. Balanço Social: teoria e prática. São Paulo: Altas, 2001.
SUCUPIRA, João. A responsabilidade social das empresas. Disponível em: <http://www. balancosocial.org.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm>. Acesso em: 20 set. 2017.
TACHIZAWA, Takeshy. Gestão ambiental e responsabilidade social corporativa: estratégias de negócios focadas na realidade brasileira. São Paulo: Atlas, 2002.
TINOCO, João Eduardo Prudêncio. Balanço Social: uma abordagem da transparência e da responsabilidade pública das organizações. São Paulo: Atlas, 2001.
TINOCO, João Eduardo Prudêncio. Balanço Social: balanço da transparência corporativa e da consertação social. Revista Brasileira de Contabilidade. Brasília, DF, v. 31, n. 135, p. 57-73, mai./jun. 2002.
� Hábito de ausentar-se; falta de assiduidade.
� Turn-over seria a rotatividade de mão-de-obra operacional, técnica ou superior, no quadro de pessoal de uma empresa, e as constantes reposições de vagas com maior velocidade que o normalmente admitido e aceitável, em termos de sedimentação da cultura organizacional.
� O termo “stakeholders” foi criado para designar todas as pessoas ou empresas que, de alguma maneira, são influenciadas pelas ações de uma organização.

Crie agora seu perfil grátis para visualizar sem restrições.