A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
22 pág.
5a_relacao_familia_escola_e_def (4)

Pré-visualização | Página 1 de 5

CAPÍTULO 5
Deficiência intelectual, escola e o 
MercaDo De trabalho
A partir da perspectiva do saber fazer, neste capítulo você terá os seguintes 
objetivos de aprendizagem:
 3 Compreender como está o mercado e trabalho para o sujeito com deficiência 
intelectual. 
 3 Refletir sobre como a escola prepara o deficiente intelectual para o mercado 
de trabalho. 
 3 Entender que tipos de atividades a escola pode desenvolver para ajudar o 
sujeito com deficiência intelectual a estar apto ao trabalho. 
86
 A Relação Família, Escola e Deficiência Intelectual
87
Deficiência intelectual, escola e o MercaDo De trabalho Capítulo 5 
contextualização
As empresas, algum tempo atrás, não tinham entre seus colaboradores 
pessoas com deficiência, no entanto as Declarações deflagradas pelo mundo 
fizeram com que a sociedade repensasse a presença desses sujeitos em 
todos os âmbitos, inclusive no mercado de trabalho, é essa perspectiva que 
estudaremos nesse capítulo.
A sociedade absorveu em sua subjetividade que a pessoa com deficiência 
intelectual, não podia fazer parte do mercado de trabalho e não tinha 
capacidade de assumir cargos e responsabilidades. No entanto, com o advento 
da inclusão para todos, esses conceitos de incapacidade foram derrubados, 
pois estudos comprovaram que todos podem aprender. Nesse sentido, o 
mercado de trabalho passou a atender essa demanda, até mesmo, devido 
existir leis para a Inclusão do Deficiente no Mercado de Trabalho. E as leis 
estabelecem subsídios aos empresários para que os mesmos possam ter algum 
tipo de compensação. Este será o assunto que abordaremos neste capítulo. 
Bons estudos!
as leis e o MercaDo De trabalho para a 
pessoa coM Deficiência
As pessoas com deficiência para fazerem parte do mercado de 
trabalho e serem aceitos como um funcionário capaz de assumir cargos e 
responsabilidades deve cumprir horários com outra pessoa qualquer, tendo 
direitos e deveres. Não foi um processo que aconteceu de forma rápida, fácil, 
foi necessário instituir leis para que o sujeito com deficiência pudesse ter 
acesso ao mercado de trabalho.
As leis que foram criadas tornaram possível o acesso ao mercado de 
trabalho para a pessoa com deficiência, pois antes lhes era negado essa 
condição. O que muitas vezes acontecia era um emprego como faxineiro 
em alguma residência, muito raramente numa empresa, também no setor 
de serviços gerais, mas ainda assim sem a legalização por ambas as partes, 
tinham mais um caráter filantrópico.
Já na década de 1991 foi criada uma lei garantindo a inclusão da pessoa 
com deficiência no mercado de trabalho. O processo tinha suas peculiaridades, 
entenda como se deu o procedimento.
88
 A Relação Família, Escola e Deficiência Intelectual
Segundo Tavares 
(2012), antes do 
estabelecimento 
da Lei8213/91 de 
24/07/1991, conhecida 
como Lei de Cotas 
para empresas, o 
sujeito com deficiência 
conseguia fazer 
parte do mercado de 
trabalho através de 
ações do governo ou 
por Associações ou 
ONGs.
Segundo Tavares (2012), antes do estabelecimento da Lei8213/91 de 
24/07/1991, conhecida como Lei de Cotas para empresas, o sujeito com 
deficiência conseguia fazer parte do mercado de trabalho através de ações do 
governo ou por Associações ou ONGs.
Se antes da criação da Lei 8213/91 de 24/07/1991, também conhecida 
como Lei da Cotas, que garante o acesso ao mercado de trabalho, para a 
pessoa com deficiência, dependia de alguma articulação junto a algumas 
agremiações, esse paradigma muda e essa lei, dispõe de alguns dispositivos, 
como por exemplo, no seu artigo 93, estabelece que,
Art. 93 - a empresa com 100 ou mais funcionários está 
obrigada a preencher de dois a cinco por cento dos 
seus cargos com beneficiários reabilitados, ou pessoas 
portadoras de deficiência, na seguinte proporção: 
- até 200 funcionários.................. 2%
 
- de 201 a 500 funcionários........... 3%
 
- de 501 a 1000 funcionários......... 4%
 
- de 1001 em diante funcionários... 5%. 
Ou seja, dependendo do número de funcionários, um percentual é 
reservado para as pessoas com deficiência e os empresários devem respeitar 
esse artigo, se não o fizerem, se o deficiente se sentir prejudicado, deve 
procurar os órgãos competentes, como, por exemplo, o Ministério Público, 
para fazer valer a lei.
Para que você possa expandir seus conhecimentos 
sobre o mercado de trabalho no mundo, acesse o site da OIT-
ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (http://www.
oit.org.br/).
As pessoas com deficiência têm direito de fazer parte do mercado de 
trabalho, esse direito elimina a concepção de ser um favor empregar uma 
pessoa com deficiência. Tronando-se uma lei, a classe empresarial pode e 
deve ter entre seus colaboradores esse sujeito, que é sim capaz de trabalhar.
89
Deficiência intelectual, escola e o MercaDo De trabalho Capítulo 5 
Figura 3 – Direito ao trabalho 
Fonte: Disponível em: <http://www.oit.org.br/>. Acesso em: 22 out. 2012.
Em 2006, as Nações Unidas adotaram uma nova lei: pessoas 
com deficiência têm os mesmos direitos que as demais pessoas.
Foram articuladas diversas formas do acesso ao mercado de trabalho para 
a pessoa com deficiência, na esfera pública e privada. Antes de criar leis que 
pudesse abranger as necessidades das pessoas com deficiência. No entanto, 
não significa que toda pessoa com deficiência está inserida no mercado de 
trabalho, pois segundo dados do M.T.E. – Ministério do trabalho e Emprego,
Dados da fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego 
mostram que foram inseridas mais de 143 mil pessoas desde 
2005. Em 2011, 7.508 pessoas conquistaram empregos 
formais nestes termos.
Brasília, 04/05/2011 – Ações de fiscalização do Ministério do 
Trabalho e Emprego (MTE) incluíram no mercado de trabalho 
143.631 pessoas com deficiência desde 2005. (MTE, 2012)
Ainda existem muitas pessoas com deficiência sem acesso ao mercado 
de trabalho. Mesmo com leis que incentivam as empresas a contratarem esses 
sujeitos.
Aspectos relacionados ao tipo de trabalho que a pessoa com deficiência 
poderia exercer foram se delineando, e aos poucos as adequações que eram 
90
 A Relação Família, Escola e Deficiência Intelectual
A Lei Federal nº 
7.853/89para 
as pessoas com 
deficiência assegura 
que,
Segundo seu artigo 8º, 
constitui crime punível 
com reclusão (prisão) 
de 1 a 4 anos e multa:
B - Impedir o acesso a 
qualquer cargo público, 
porque é portador de 
deficiência.
necessárias foram sendo criadas. Alguns estados criaram suas próprias leis, 
outros absorveram as leis federais.
Lei que constitui crime se a pessoa com deficiência não for respeitada nos 
seus direitos. Como exemplo, a Lei Federal nº 7.853/89para as pessoas com 
deficiência assegura que,
Segundo seu artigo 8º, constitui crime punível com reclusão 
(prisão) de 1 a 4 anos e multa:
B - Impedir o acesso a qualquer cargo público, porque é 
portador de deficiência.
C- Negar trabalho ou emprego, porque é portador de 
deficiência.
Mesmo que essa lei garanta a não discriminação da pessoa com 
deficiência em seu acesso ao mercado de trabalho, ainda não é uma tarefa 
fácil para esse sujeito conseguir uma vaga no mercado de trabalho. 
A partir de agora você irá estudar alguns questionamentos que irão ajudar 
ainda mais no conhecimento sobre as leis para a pessoa com deficiência e a 
sua inserção no mercado de trabalho, e algumas ações em nível estadual
O DIREITO AO TRABALHO
- Quais são os direitos da pessoa portadora de deficiência 
no que se refere aos concursos públicos (sociedades de 
economia mista, autarquias, fundações públicas, União, 
Estados, municípios e Distrito Federal)?
Há vários aspectos a serem considerados:
a) O art. 37, inciso VIII da Constituição da República Federativa 
do Brasil, de 5 de outubro de 1988, prevê a reserva de cargos e 
empregos públicos para pessoas com deficiência e, nesse sentido, 
a Lei Federal nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, art. 5º, reserva