A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
35 pág.
Emergência na Veterinária

Pré-visualização | Página 1 de 5

EMERGÊNCIA - Prof Sérgio 
Aula 19/03 
Luna Peralta 2020 
 
Afecções cardiorrespiratória 
 
Como lidar? Deve monitorar o paciente na emergência ou internado. 
 
 
DO2 = Oferta de oxigênio, o quanto o sistema cardiorrespiratório 
entrega de oxigênio para as células 
Extração de oxigênio= O esforço que o corpo realiza para respirar. 
Em situações de gripe, corrida em que ocorre cansaço. 
 
Oferta de oxigênio cai: Por mais esforço que o corpo faça para 
respirar, irá cortar o oxigênio, então as células começarão a 
realizar anaerobiose. Aumenta o lactato, e passa a produzir ácido 
lático. As células começam a morrer devido a falta de oxigenação e 
os órgãos param, levando a falência múltipla de órgãos. 
 
Devemos agir para que isto não ocorra, avaliando a oxigenação. Ou 
seja, verificar a oferta de O2 durante emergências/intensivismo e 
cirurgias/anestesias. Se diminuir um pouco a oferta de oxigênio, irá 
aumentar o esforço, ou seja, a extração de oxigênio, pois gera 
desgaste. Então quando ocorre uma boa oferta de oxigênio haverá 
menos extração de oxigênio. 
 
Porém, se diminuir muito a oferta de oxigênio, além de aumentar a 
extração de oxigênio, também haverá morte celular. 
CaO2= Conteúdo arterial de oxigênio, se tem bastante ou pouco 
oxigênio. 
 
Se tiver monitor na clínica consegue se avaliar estes parâmetros, porém 
se não tiver irá avaliar hemoglobina e saturação. 
 
Em um exame físico de rotina, quando não se tem muita infra estrutura 
podemos avaliar a mucosa. Não é regra, e nem 100% fidedigno, 
porém se a mucosa se apresentar cianótica podemoso pensar em 
baixa saturação, e quando pálido baixa hemoglobina. 
 
 
 
Como avaliar? Deve ver se está bom ou ruim, identificar o 
problema e realizar a solução. O gráfico se refere á 
variáveis respiratórias. 
 
DO2 = Oferta de oxigênio, o quanto o sistema cardiorrespiratório 
entrega de oxigênio para as células 
CaO2= Conteúdo arterial de oxigênio, se tem bastante ou pouco 
oxigênio dentro da artérial. Quando de oxigênio tem na artéria, no 
sangue. 
DC= Débito cardiáco 
 
O oxigênio está no sangue arterial, ou está na hemoglobina, ou 
diluído no plasma. 
99% das vezes vai estar ligado na hemoglobina, que é esta fração 
acima. 
Se tiver boa quantidade de oxigênio ligada a hemoglobina, o 
paciente está bem oxigenado, está é o conceito. 
→ SaO2 x Hemoglobina x 1,34 = O quanto de oxigênio cabe em um 
1 grama de hemoglobina, valor fixo. O valor 1,34 não irá mudar, 
é um valor fixo do quanto que cabe de oxigênio na hemoglobina. 
 
 Ou vai estar diluído no plasma 
 
PaO2= Diluído no plasma, menos que 1%, à príncipio irá ignorar 
esta parte, pois o diluído no plasma é um valor mínimo. 0,0031= 
Coeficiente de diluição no plasma, como é um valor muito pequeno 
não irá avaliar. 
 
Há duas coisas que variam conteúdo arterial de forma significativa, 
o valor da hemoglobina e a saturação. Se a saturação e 
hemoglobina for boa, a oxigenação está boa. Se um dos dois cair, 
o paciente está mau oxigenado. Quando olha o paciente irá avaliar 
a hemoglobina e oxigenação, pois se sabe que se os dois 
estiverem bons a oferta de oxigênio está boa. Não irá procurar no 
monitor conteúdo arterial de oxigênio no monitor e sim 
SATURAÇÃO e HEMOGLOBINA. 
O que se sabe pela saturação e hemoglobina é o conteúdo de 
oxigênio presente, se há uma boa oferta de oxigênio ou não. 
Saturação arterial= Hemogasometria 
Saturação periférica= Oximetria 
Hemoglobina= Hematócrito dividido por 3 
Como avaliar saturação? Hemogasometria ou Oxímetro 
Poucos lugares, tem hemogasometria, então na maioria das vezes 
é utilizado o oxímetro. O oxímetro é mais barato, e mais viável para 
avaliação contínua, enquanto a hemogasometria é um valor 
pontual. 
Hemogasometria: Colhe amostra de sangue arterial, é mais 
confiável para valor pontual. Não é viável na emergência, pode até 
fazer se em algum momento cair a pressão demais, e for 
necessário, porém depois mantém no oxímetro. 
Exemplo: Chegou um paciente na emergência, realizar a 
hemogasometria para ter um exame completo, coloca no oxímetro e 
vai medindo. Se o valor piorar, e for necessário uma investigação 
profunda realiza a hemogasometria. Depois retorna para o oxímetro. 
A hemogasometria dá o valor de hemoglobina e saturação. 
 
Irá avaliar Hemoglobina e Saturação 
 
 
 
Hemoglobina, como se tem? Através ho hemograma, porém na 
emergência não se dá tempo, então colhe o hematócrito e divide 
por 3, dará o valor da hemglobina. Leva 5 min, por isso é mais 
utilizado na emergência. 
Como interpretar este gráfico? 
• Hemoglobina <4/ Hematócrito 12: É emergência, é importante 
que não faça fluído terapia e nem anestesia, pois se fizer isso o 
animal irá a óbito. No máximo colocar no oxigênio até realizar a 
transfusão de sangue. Nesse momento as células estão 
morrendo, é necessário transfundir imediatamente! É 
fundamental que tenha bolsa de sangue, evite a técnica de 
buscar cães de porte grande, ás vezes não dá tempo de se 
avaliar o sangue, e o animal pode ser portador de uma doença, 
como babesia. 
• Hemoglobina 4-7/ Hematócrito 12-21: Transfusão sanguínea, 
porém se não tiver sangue, mantenha no soro, o animal terá 
pequena chance de sobreviver, realizar termo no caso. Realizar 
fluidoterapia lenta. 
• Hemoglobina 7-10/ Hematócrito 21-30: Não transfunde de cara, 
trata e acompanha. Precisa pesquisar a causa base para tratar. 
• Hemoglobina >10/ Hematócrito 30: Não precisa de transfusão 
sanguínea, nunca transfudir. 
 
Quando um paciente sofrer um acidente e romper baço, fígado, irá 
sofrer uma hemorragia. Se o animal tiver hematócrito 50, e perder 
50% do volume sanguíneo corpóreo, chegar em 30 minutos na clínica, 
irá chegar com o hematócrito 50, no mesmo valor que o anterior. 
Porquê? Leva 8 horas para cair o hematócrito, e estabilizar. Sobrou 
menos volume no corpo, hipovôlemico, o hematócrito se mantém. O 
corpo começa a repôr esse volume, mas quando se coloca no 
fluidoterapia, irá acelerar este processo. Em casos de hemorragia 
não irá olhar para o hematócrito, e sim para a pressão. 
Se o hematócrito estiver baixo nestas situações de atropelamento, o 
animal tem uma doença prévia para ter este valor, podendo ser 
anêmico, doente renal, e nestes casos o prognóstico é pior. O animal 
só entra em hipotensão quando perde mais que 30% do volume 
sanguíneo. 
Um paciente em estado saudável tem reserva medular e leva muito 
tempo para baixar o hematócrito. 
Em situações de Hemorragia, como lidar: 
PRESSÃO: CÃO 90 mmHg à 150 mmHg, GATO 65 mmHg à 100 mmHg 
→ Transfusão: Hematócrito normal, hipotensão. O animal só entra 
em hipotensão quando perde mais que 30% do volume 
sanguíneo 
→ Fluídoterapia: pressão normal. Aguarda o exame de 
hematócrito, se der baixo transfunde, se não deixa apenas no 
soro. Porém se o hematócrito der menos que 4, fecha o soro e 
transfunde na hora. 
→ Chegou um paciente que sofreu hemorragia, estava hipotenso. 
Colhe o hematócrito e deu 20, hematócrito baixo. Neste caso 
terá que realizar a transfusão do mesmo jeito e buscar a causa 
que a hemoglobina está baixa. Se era um animal anêmico ou 
doente renal. 
→ O cachorro sofreu acidente hoje e a tutora traz o paciente 
amanhã, neste caso o hematócrito vai estar em valor normal. 
→ Animais com doenças com hiperadrenocorticismo, doenças 
concomitantes estarão sujeito a erro. 
 
Quando chegar um paciente na clínica em casos de hemorragia, em 
primeiro lugar irá avaliar a pressão. Se a pressão estiver boa irá 
colocar no fluidoterapia. Faz o hematócrito, se tiver bom mantém na 
fluidoterapia, porém se vier baixo para a fluidoterapia e realiza a 
transfusão sanguínea. 
 
 SaO2 - Saturação 
 
A saturação arterial é um valor que sai na hemogasometria,