Hipotireoidismo
3 pág.

Hipotireoidismo

Pré-visualização1 página
Hipotireoidismo 
Introdução 
\u2022 Anormalidades estruturais e funcionais da 
glândula tireóide, resultando em produção 
diminuída dos hormônios tireoideanos; 
\u2022 Doença imunemediada, anticorpos que 
destroem os lobos tireoideanos; 
\u2022 Diferente da síndrome tireoideana 
(passageira, resultado de outra alteração); 
Classificação 
\u2022 Primário \u2013 adquirido (95%): 
\u21aa Tireoidite linfocítica (infiltrado de linfócitos); 
\u21aa Atrofia idiopática. 
\u2022 Secundário: 
\u21aa Deficiência de TSH (hipófise). 
\u2022 Terciário: 
\u21aa Deficiência de TRH (hipotálamo). 
\u2022 Hipotireoidismo secundário e terciário seria 
por algum trauma crânio encefálico intenso; 
\u2022 A forma congênita seria por transferência de 
anticorpos da mãe em fase gestacional ou 
em animais muito jovens, muito raro. 
Hormônios tireoideanos 
\u2022 Formado por Aminoácidos (tirosina) + iodo; 
\u2022 T4 (grande quantidade deste hormônio 
circulante): 
\u21aa Ativados pelas células. 
\u2022 T3 (pequena quantidade circulante): 
\u21aa Biologicamente ativo. 
\u2022 Regulados pelo eixo 
hipotálamo/hipófise/tireóide; 
\u2022 Na circulação: 
\u21aa Carreados por proteínas transportadoras. 
\u2022 No sangue o T4 é chamado de T4 Total, ele 
se desacopla da proteína carreadora (TGB), 
entra na célula e é chamado de T4 Livre. 
Dentro das células o T4 Livre sofre a ação 
de enzimas deiodases que removem um iodo 
assim o T4 é convertido em T3, cerca de 
90%. 
\u2022 T3 reverso: ação da deiodase que modifica 
a posição do iodo no anel carbônico e assim 
inativa o T3 para poupar energia e impedir 
as ações do T3, cerca de 10%. 
Principais funções 
\u2022 \u2191 Taxa metabolica basal; 
\u2022 \u2191 Oxigenação tecidual; 
\u2022 \u2191 Receptores Beta adrenérgicos: 
\u21aa Inotropismo e cronotropismo positivos. 
\u2022 Promove catabolismo do tecido adiposo; 
\u2022 \u2191 Eritropoese; 
\u2022 Atua na degradação do colesterol; 
\u2022 Maturação do sistema nervoso e esquelético; 
\u2022 Otimização dos processos celulares. 
Epidemiologia 
\u2022 Terceira endocrinopatia mais comum na 
clinica de pequenos animais; 
\u2022 0,2 a 0,8% da população canina; 
\u2022 Adulto jovens de 4 a 7 anos; 
\u2022 Predisposição racial: 
Manifestações metabólicas 
\u2022 Ganho de peso sem polifagia; 
\u2022 Letargia; 
\u2022 Fraqueza; 
\u2022 Intolerância ao exercício; 
\u2022 Bradicardia; 
\u2022 Dermatite seborreica; 
\u2022 Cauda de rato; 
\u2022 Termofilia (sente frio); 
\u2022 Mixedema facial (acúmulo de ácido 
hialurônico no focinho que faz com que 
pareça que está inchado) e \u201cfacis trágica\u201d 
(face triste). 
 
Diagnóstico definitivo 
\u2022 Suspeita clínica; 
\u2022 Exames complementares: 
\u2022 Anemia normocítica normocrômica não 
regenerativa (em 40 a 50% dos casos); 
\u2022 Hipercolesterolemia e hipertrigliceridemia: 
\u21aa Hiperlipidemia em 75% dos casos. 
\u2022 \u2191 CPK (creatinina fosfoquinase): 
\u21aa Miopatias (lesão muscular pelo acúmulo de 
gordura) 
\u2022 \u2191 FA: 
\u21aa Colestase hepática (em 30% dos casos). 
\u2022 Determinações hormonais: 
\u21aa \u2193 T4 livre por diálise; 
\u21aa \u2191 TSH canino; 
\u2022 Dosagem do T4 Livre é o mais verídico 
porém é mais caro do que o T4 Total. 
Tratamento 
\u2022 Levotiroxina sódica: 
\u21aa 20 a 22mcg/kg/sid inicialmente; 
\u21aa Deve ser administrado em jejum; 
\u21aa Alimentação de 40 min a 1 h após 
administração; 
\u21aa Aumento de dose gradual em cardiopatas 
(na primeira semana um quarto da dose / na 
segunda semana metade da dose / na 
terceira semana três quartos da dose / na 
quarta semana em diante a dose completa). 
Monitoração 
\u2022 Perda de peso, animal menos apático, ativo, 
melhora dos outros sintomas; 
\u2022 Teste \u201cPost Pill\u201d ou teste de reposição 
hormonal: 
\u21aa 30 a 60 dias de tratamento; 
\u21aa Dosagem de T4 em jejum, administrar o 
remedio e fazer segunda coleta 4 a 6 horas 
após a medicação. 
\u2022 O primeiro resultado mostra o efeito da 
medicação, se ela esta durando 24h de ação, 
o segundo exame mostra o auge de ação da 
medicação, mostra se a dose é adequada, se 
está abaixo ou acima; 
\u2022 Repetir a cada 3 meses no começo e depois 
anualmente. 
\u2022 Se o primeiro resultado fosse baixo, seria 
necessário fazer bid, a dose noturna seria 
antes da alimentação, ajustar a dose, a dose 
da manha nem sempre é igual a da noite. 
Repetir exames. 
Síndrome eutireoidiana 
\u2022 Diminuição da produção hormonal pela 
tireoide para diminuir o metabolismo em 
casos críticos, doenças graves, para poupar 
energia (sem lesão na tireoide); 
\u2022 Tecidos recebem menos T4 Livre e 
convertem menos em T3, pode apresentar 
sintomatologia de hipotireoidismo; 
\u2022 Após a estabilização a tireoide volta a 
produzir normalmente; 
\u2022 Os tecidos periféricos convertem uma parte 
maior de T3 em T3 Reverso; 
\u2022 \u2193 T4 e \u2191 T3 Reverso; 
\u2022 T3 Reverso volta para a tireoide que utiliza 
como matéria prima para produção 
novamente., TSH estará normal.