A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
20 pág.
AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações

Você está vendo uma pré-visualização

Pre-visualização do material AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações - página 1
Pre-visualização do material AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações - página 2
Pre-visualização do material AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações - página 3

AO2_ Princípios Jurídicos nas Organizações

AO2
Entrega 21 jun em 23:59 Pontos 6 Perguntas 10
Disponível 12 jun em 0:00 - 21 jun em 23:59 10 dias Limite de tempo Nenhum
Instruções
Histórico de tentativas
Tentativa Tempo Pontuação
MAIS RECENTE Tentativa 1 30 minutos 6 de 6
 As respostas corretas estarão disponíveis em 21 jun em 0:00.
Pontuação deste teste: 6 de 6
Enviado 13 jun em 2:39
Esta tentativa levou 30 minutos.
Importante:
Caso você esteja realizando a atividade através do aplicativo "Canvas Student", é necessário que
você clique em "FAZER O QUESTIONÁRIO", no final da página.
0,6 / 0,6 ptsPergunta 1
Leia o texto abaixo:
O sinalagma é, na síntese de TRABUCCHI, o liame recíproco que
existe em alguns contratos, entre a prestação e a contraprestação
(obligatio ultro citroque).
Contratos sinalagmáticos caracterizam-se pela circunstância de a
prestação de cada uma das partes encontrar sua justificativa e seu
fundamento na prestação da contraparte [do ut des, do ut facias, facio
ut facias, facio ut des].
Essa ligação funcional entre as duas prestações – que assume
relevância tanto no momento da conclusão do contrato [sinalagma
genético] quanto no momento da sua execução [sinalagma funcional] –
é típica dos contratos onerosos, nos quais, na dicção de MOTA PINTO,
“cada uma das prestações ou atribuições patrimoniais é o
https://famonline.instructure.com/courses/5052/quizzes/18394/history?version=1
correspectivo (a contrapartida) da outra, pelo que, se cada parte obtém
da outra uma vantagem, está a pagá-la com um sacrifício que é visto
pelos sujeitos do negócio como correspondente”.
(STF. Ações Diretas de Inconstitucionalidade 3105 e 3128. Voto do Ministro Eros Grau. Disponível
em: http://www.stf.jus.br/noticias/imprensa/VotoGrauInativos.pdf. Acesso em: 30 jul. 2019)
Considerando as informações apresentadas, avalie as afirmações a
seguir:
I- O sinalagma é fundamento de duas figuras jurídicas, quais sejam, a
lesão e a revisão ou resolução do contrato por onerosidade excessiva.
II - A lesão ocorre quando uma pessoa, sob premente necessidade, ou
por inexperiência, se obriga a prestação manifestamente
desproporcional ao valor da prestação oposta.
III. Quando há quebra do sinalagma contratual, tornando
excessivamente oneroso o cumprimento da obrigação por uma das
partes, admite-se a revisão ou resolução judicial do contrato por
onerosidade excessiva. 
É correto o que se afirma em:
 I, apenas 
 I, II e III 
 II e III, apenas 
 II, apenas 
 I e II, apenas 
Alternativa A:
A resposta está correta, pois todas as afirmações são
verdadeiras. 
A afirmação I é verdadeira, pois o sinalagma corresponde ao
princípio do equilíbrio econômico, e está previsto no Código
Civil como fundamento de duas figuras jurídicas: a lesão e a
revisão ou resolução do contrato por onerosidade excessiva.
A afirmação II é verdadeira, pois a lesão está prevista no art.
157 do Código Civil: “ocorre a lesão quando uma pessoa, sob
premente necessidade, ou por inexperiência, se obriga a
prestação manifestamente desproporcional ao valor da
prestação oposta”.
A afirmação III é verdadeira, pois quando há quebra do
sinalagma contratual, ou seja, quando há desequilíbrio entre as
prestações, a parte poderá requerer a revisão judicial do
contrato naqueles casos em que ainda for possível manter o
vínculo contratual, apenas modificando-se a prestação (arts.
317 e 479, CC), ou poderá requerer a resolução do contrato
(arts. 317 e 478, CC).
0,6 / 0,6 ptsPergunta 2
Leia o texto abaixo:
 
A DPU (Defensoria Pública da União) elaborou uma nota técnica em
que afirma que a portaria publicada nesta semana pelo ministro Sérgio
Moro (da Justiça e Segurança Pública) sobre a deportação de “pessoa
perigosa” viola a Constituição e legislações sobre o direito migratório.
A análise, feita por coordenadores da DPU, afirma que a portaria
666/2019 fere diversos dispositivos da Constituição, da Lei de
Migração (13.445/2017) e da Lei do Refúgio (9.474/1997). Segundo o
texto, ficam prejudicados em especial a garantia do devido processo
legal no âmbito migratório, o contraditório e a ampla defesa.
(…)
O documento chama atenção para o fato de a portaria criar um novo
mecanismo no direito migratório chamado de “deportação sumária”. Os
técnicos afirmam que o instituto não existe no ordenamento brasileiro e
permitirá, com base em portaria ministerial, que qualquer imigrante
esteja sob risco de ser deportado a qualquer momento “sob alegações
genéricas de periculosidade, por meio de um processo administrativo
materialmente inexistente, sem a adequada possibilidade de defesa e
produção de prova e sem qualquer vinculação com a regularidade, ou
não, de sua situação migratória no País”.
(O SUL. Portaria de Sergio Moro sobre a deportação de estrangeiros viola a Constituição, diz a
Defensoria da União. Disponível em: http://www.osul.com.br/a-portaria-de-sergio-moro-sobre-a-
deportacao-de-estrangeiros-viola-a-constituicao-diz-a-defensoria-da-uniao/. Acesso em: 31 jul.
2019).
De acordo com o texto apresentado, avalie as seguintes asserções e a
relação proposta entre elas.
A Portaria 666/2019 viola a Constituição Federal, em especial, os
princípios do devido processo legal, do contraditório e da ampla
defesa.
 PORQUE
Pelo princípio do devido processo legal, que compreende os princípios
do contraditório e da ampla defesa, a parte de um processo tem direito
à plenitude de defesa, consistente em conhecer as alegações
relevantes do processo e contrapondo-se a elas, utilizar todos os
meios jurídicos disponíveis para se defender, e produzir as provas que
entende cabíveis.
A respeito dessas asserções, assinale a opção correta:
 
A asserção I é uma proposição falsa, e a asserção II é uma proposição
verdadeira.
 
A asserção I é uma proposição verdadeira, e a asserção II é uma
proposição falsa.
 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, mas a asserção II não
é uma justificativa correta da asserção I.
 
As asserções I e II são proposições verdadeiras, e a asserção II é uma
justificativa correta da asserção I.
 As asserções I e II são proposições falsas. 
Alternativa A:
A resposta está correta, pois as asserções I e II são
proposições verdadeiras, e a asserção II é uma justificativa
correta da asserção I.
De acordo com o texto apresentado, a Portaria 666/2019 viola a
Constituição Federal, em especial, os princípios do devido
processo legal, do contraditório e da ampla defesa, pois esses
princípios asseguram à parte envolvida em um processo que
conheça as alegações em seu desfavor, contrapondo-se a elas,
utilize todos os meios jurídicos disponíveis para se defender, e
produza as provas que entende cabíveis, no que se chama de
“plenitude de defesa”. Segundo a Defensoria da União, o
instituto da “deportação sumária”, por não possibilitar ao
imigrante a apresentação de defesa técnica por advogado e a
produção de provas, viola os princípios do devido processo
legal, do contraditório e da ampla defesa
0,6 / 0,6 ptsPergunta 3
Leia o texto abaixo:
A senhora inofensiva com filho no colo vendendo cigarros na porta da
rodoviária de Belo Horizonte, o ex-servente de pedreiro que agora
oferece óculos sem procedência pelo centro da capital e o proprietário
de uma loja de produtos piratas podem ter histórias, idades e rendas
diferentes.
Mas todos eles e todos os demais que ganham a vida oferecendo bens
e serviços sem prestar contas ou pagar impostos estão inseridos na
chamada economia subterrânea.
Juntos, sonegadores, vendedores de contrabando e de ligações
irregulares de internet, televisão a cabo, luz e água, traficantes de
drogas e armas, entre outros trabalhadores informais e ilícitos,
causaram uma perda R$ 1,173 trilhão aos cofres públicos e para a
concorrência legal em 2018.
(O TEMPO. Ilegalidade some com R$ 1,173 tri da renda do Brasil todo ano. Disponível em:
https://www.otempo.com.br/economia/ilegalidade-some-com-r-1-173-tri-da-renda-do-brasil-todo-
ano-1.2205995 (https://www.otempo.com.br/economia/ilegalidade-some-com-r-1-173-tri-da-renda-do-