A maior rede de estudos do Brasil

Grátis
5 pág.
AV HISTÓRIA ANTIGA ORIENTAL

Pré-visualização | Página 1 de 2

Disciplina: HISTÓRIA ANTIGA ORIENTAL 
	AV
	Aluno: SHEILA SILVA DE PAULO
	202004017918
	Professor: MARCELO DE ALMEIDA
 
	Turma: 9003
	CEL0485_AV_202004017918 (AG) 
	 09/05/2020 01:57:41 (F) 
			Avaliação:
10,0
	Nota Partic.:
	Av. Parcial.:
2,0
	Nota SIA:
10,0 pts
	 
		
	HISTÓRIA ANTIGA ORIENTAL
	 
	 
	 1.
	Ref.: 732194
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Ao mencionarmos as periodizações da história, tais como, Pré-história, Idade Antiga, Idade Média, Idade Moderna e Idade Contemporânea, temos que saber que estas terminologias expressam sentidos específicos pensados por quem criou os termos. Sobre esta questão, marque a opção correta:
		
	
	a Pré-história é o único período que não deveria ser mencionado nesta questão, pois, refere-se a um tempo não contado, fora de conceituação
	
	o calendário cristão é a única referência para o estabelecimento dos calendários no mundo, por isso, está justificado seu etnocentrismo
	
	o termo "Idade Média" expressa um valor iluminista, pois demarca de forma positiva como este período foi pensado, o "tempo do meio"
	
	estas periodizações são movimentos verdadeiros da história. Casualmente as sociedades se caracterizaram desta ou daquela maneira
	 
	a divisão do tempo não é acidental, mas é pensada a partir de características do período que se intitula e das concepções dos criadores dos termos
	
	
	 2.
	Ref.: 2977053
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	"Em Uruk foram encontrados vestígios de um templo que tinha mais de dois mil metros quadrados (exatamente 80 m por 33 m). Perto dele foi edificado um
monte artificial (zigurate) com 11 metros de altura, construído com tijolos e enfeitado com pedaços de cerâmica. Com o uso de uma escada chega-se ao
pequeno templo, no alto; paredes de tijolos brancos e madeira importada, altares nas extremidades e outros detalhes mostram o requinte e a técnica da construção. Há aqui uma força de trabalho organizada pelos próprios dirigentes dos templos, que faziam as vezes de arquitetos, engenheiros e mestres de obras em nome dos deuses que representavam na terra. Provavelmente a ¿casa divina¿ tenha sido o primeiro local em que se desenvolve uma  especialização de tarefas, ao contrário da atividade coletivamente realizada pelos habitantes das aldeias neolíticas." (PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Editora Contexto, 2011, p. 73).
Considerando o texto acima, identifique as afirmativas relacionadas às primeiras cidades:
I - Os templos, associados aos zigurates, eram erguidos na parte superior e de uso exclusivo dos sacerdotes.
II - Os dirigentes dos templos ocupavam posição de sacerdotes, arquitetos e engenheiros simultaneamente.
III - Nos templos são observadas as primeiras formas de divisão do trabalho utilizadas nas cidades antigas.  
IV - As principais construções da região da Mesopotâmia eram erguidas utilizando pedra como material visto que este elemento abundava na área.
		
	
	Apenas II, III e IV estão corretas.
	
	Apenas II e III estão corretas.
	
	Apenas I e II estão corretas.
	 
	Apenas I, II e III estão corretas.
	
	Apenas III e IV estão corretas.
	
	
	 3.
	Ref.: 2977298
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	" Hamurábi, grande chefe militar do século XVIII a.C., teve a preocupação, após efetuar importantes conquistas militares, de unificar a legislação. O resultado foi dos melhores, já que o Código não é apenas um modelo de jurisprudência, mas de língua babilônica. Não é, no entanto, um projeto de
mudanças sociais. Muito pelo contrário, legisla a partir do reconhecimento da existência de três classes distintas: os ricos, o povo e os escravos." (PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Editora Contexto, 2011, p.91).
O princípio de define e orienta o código citado acima, ou seja, o Código de Hamurábi pode ser resumida na seguinte frase:
		
	
	Casa de ferreiro, espeto de pau.
	
	Dai a César o que é de César.
	
	Em terra de cego quem tem olho é rei.
	
	A voz do povo é a voz de Deus.
	 
	Olho por olho, dente por dente.
	
	
	 4.
	Ref.: 732209
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Ao considerarmos a história do Egito antigo, podemos destacar algumas cronologias distintas. Assim, temos o período aproximado entre o sexto e o quarto milênios antes de Cristo (6000-4000 a.C), podemos fazer a seguinte afirmação:
		
	
	a estrutura social egípcia possuía no cargo de Vizir a função mais soberana
	
	a exploração do trabalho no Egito era oposta ao modelo mesopotâmico
	
	este período foi o de maior produção de pirâmides, inclusive as de Gizé
	
	neste período, os faraós eram considerados deuses e reinavam sobre o Egito
	 
	o Egito não nasceu faraônico, mas das disputas entre as ligas nomarcas
	
	
	 5.
	Ref.: 82034
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Em relação à arte do Egito Antigo, é correto afirmar que:
		
	
	Manifestava as idéias estéticas com representações da natureza, evitando a representação
	
	Aproveitava os hieróglifos como ornamentação.
	
	Visava à valorização individual do artista.
	
	Era uma arte abstrata de difícil interpretação
	 
	Manifstava cenas do cotidiano do falecido e esboçava uma representação da vida de além-túmulo.
	
	
	 6.
	Ref.: 3327412
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	"O deus Amon recebeu, nas grandes conquistas egípcias, os louros da vitória; os Faraós da XVIII dinastia levaram ao templo tebano os despojos das guerras e seria responsabilidade dos sacerdotes a gerência de toda a riqueza do deus. O Sumo-Sacerdócio de Amon tornou o cargo de maior prestígio dentro da máquina estatal egípcia; esse poder nas mãos dos sacerdotes foi responsável por alguns dos eventos mais importantes dentro do Novo Império." (SAMPAIO, Elvis Rodrigues. As divergências historiográficas sobre a reforma religiosa de Akhenaton. In: Revista Múltipla, Brasília, 19(25): 9 - 26, dezembro - 2008, p. 9)
O fenômeno descrito pelo fragmento apresentado provocou um acontecimento que ficou conhecido como:
		
	 
	a Reforma Religiosa de Akhenton
	
	o faraó como um sacerdote de Amon
	
	o controle da sucessão faraônica
	
	o fortalecimento universal de Amon
	
	a Crise do politeísmo egípcio
	
	
	 7.
	Ref.: 2977962
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	"As origens dos hebreus localizam-se na Mesopotâmia. Isso é contado na Bíblia e comprovado por diversas evidências. O hebraico é uma língua semita,
pertencente ao mesmo grupo do aramaico e de outras faladas na Mesopotâmia [...] Notável mesmo é verificar a utilização de mitos mesopotâmicos entre os
hebreus. Vimos em capítulo anterior a história de Sargão e sua semelhança com a de Moisés. Vimos também o conceito de caos bíblico que teria sido subtraído à situação concreta das populações ribeirinhas do Tigre e do Eufrates. Mais interessante incorporação dá-se com o mito do dilúvio universal, aquele de Noé." (PINSKY, Jaime. As primeiras civilizações. São Paulo: Editora Contexto, 2011, pp.133-4)
O texto acima aborda uma importante questão relacionada a origem do povo hebreu: 
		
	
	a incorporação do mito do dilúvio às crenças existentes entre os hebreus. 
	
	a influência dos hebreus em elementos culturais presentes entre os povos mesopotâmios.
	 
	a influência dos povos mesopotâmios em elementos culturais presentes entre os hebreus.
	
	a incorporação de várias divindades presentes entre os mesopotâmios pelos hebreus originais. 
	
	a repetição de certos mitos entre vários povos, independente de sua origem. 
	
	
	 8.
	Ref.: 758779
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Segundo a narrativa bíblica, o rei Salomão possuía muitas mulheres como esposa, na realidade era detentor de um verdadeiro harém. Na Antiguidade, as relações matrimoniais podiam ser explicadas pela lógica:
		
	
	de que Deus incentivava a prática da poligamia
	
	de que vários casamentos enfraqueceriam o reino
	 
	de que os casamentos eram alianças políticas
	
	de que Salomão era moralmente infiel a sua religião
	
	de que só os reis podiam ter muitas mulheres
	
	
	 9.
	Ref.: 2981958
	Pontos: 1,00  / 1,00
	
	Sobre o processo de expansão territorial promovido